Meteorologia

  • 05 AGOSTO 2020
Tempo
32º
MIN 19º MÁX 34º

Edição

EDP: António Mexia e Manso Neto suspensos de funções

O presidente da EDP, António Mexia, foi suspenso de funções e vai ter que pagar uma caução de 2 milhões de euros no âmbito do processo das rendas excessivas da EDP, avança a SIC Notícias. Também o administrador João Manso Neto está suspenso.

EDP: António Mexia e Manso Neto suspensos de funções

O presidente da EDP, António Mexia, foi suspenso de funções, no âmbito do processo das rendas excessivas, avança a SIC Notícias, tal como tinha pedido o Ministério Público. Além disso, terá de pagar dois milhões de euros de caução e está proibido de entrar nas instalações da EDP.

Além de Mexia, também João Manso Neto, que é administrador da EDP e presidente da EDP Renováveis,  está suspenso de funções, segundo o mesmo canal, e também ele proibido de entrar nas instalações da empresa. 

Entretanto, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu as ações da EDP e da EDP Renováveis, "aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado", pode ler-se. 

Em junho, o Ministério Público pediu a suspensão de funções do presidente da EDP e do administrador Manso Neto. No dia 2 de junho, António Mexia, recusou-se, como arguido e na fase de inquérito, a responder ao juiz Carlos Alexandre, alegando estar pendente um pedido de afastamento daquele magistrado.

O processo das rendas excessivas da EDP está há cerca de oito anos em investigação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal e tem cinco arguidos: António Mexia, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, o ex-ministro Manuel Pinho, o administrador da REN e antigo consultor de Pinho, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.

O inquérito investiga práticas de corrupção e participação económica em negócio nos procedimentos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC).

O Tribunal da Relação de Lisboa recusou o pedido de afastamento do juiz de instrução Carlos Alexandre do caso EDP apresentado pela defesa do arguido António Mexia, presidente da empresa.

O presidente da EDP e o responsável máximo da EDP Renováveis tinham pedido o afastamento do juiz Carlos Alexandre do processo EDP, que se encontra em fase de inquérito, alegando parcialidade do magistrado.

[Notícia atualizada às 16h09]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório