Meteorologia

  • 28 MAIO 2020
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 34º

Edição

Um milhão de PME italianas corre riso de falir devido ao confinamento

Um milhão de pequenas e médias empresas (PME) de Itália corre o risco de falir devido às medidas de confinamento impostas pelo Governo, vigentes até 13 de abril, denunciou hoje a Associação de Cooperativas italianas.

Um milhão de PME italianas corre riso de falir devido ao confinamento
Notícias ao Minuto

12:50 - 08/04/20 por Lusa

Economia Covid-19

A Confcooperative, uma das principais associações de cooperativas do país, adverte que "serão necessários dois anos para recuperar os níveis de crescimento que o país tinha em janeiro de 2020".

No relatório hoje divulgado, a associação reconhece que as medidas de confinamento a nível nacional estão a dar resultados na contenção da covid-19, mas incentiva a recuperar quanto antes a atividade produtiva, também a não essencial que foi suspensa, porque, caso contrário, "um milhão de PME corre o risco de desaparecer, com consequências sem descrição em termos de faturação e emprego".

Segundo a Confcooperative, metade das empresas mantêm-se porque continuam a oferecer serviços essenciais, mas pede para devolver a atividade às que não o fizeram, porque "os motores do sistema empresarial devem manter-se para recuperar o impulso no crescimento do país".

A associação pede mecanismos ao Estado para "garantir liquidez imediata a todas as empresas" em dificuldades e avisa que as exportações se veem ameaçadas com a atual situação em cerca de "200.000 milhões de euros, que equivalem a 65,8% do valor total".

Também pede linhas de acesso ao crédito de forma rápida para as empresas, que eliminem a tradicional burocracia da banca, e para que as administrações públicas paguem as suas dívidas, porque o tecido empresarial não pode continuar a ser o colchão das autoridades estatais e locais.

A Confcooperative indica que as medidas de confinamento nacional tiveram um impacto em termos de emprego fundamentalmente nos setores industriais, onde 62,2% dos trabalhadores foram atingidos, na construção (58,6%) e nos serviços (35,8%).

Finalmente, a associação pede à União Europeia (UE) para aprovar a emissão de dívida conjunta, os denominados 'coronabonds', para que esta pandemia "não pese sobre a dívida de países individuais", medida defendida por países como Itália ou Espanha e à qual se opõem a Alemanha e a Holanda.

"Só com uma União Europeia unida e solidária evitaremos uma catástrofe económica e o fim do sonho chamado Europa", justifica.

O executivo italiano aprovou um confinamento total a nível nacional e a suspensão de todas as atividades produtivas não essenciais desde 09 de março e até 13 de abril para tentar conter a covid-19.

Para atenuar o impacto económico, o Governo italiano aprovou em março um pacote de ajudas de até 25.000 milhões de euros, com o que prevê mobilizar até 350.000 milhões, e esta semana anunciou medidas de estímulo de até 400.000 milhões de euros em créditos para empresas, metade para o mercado interno e a outra metade para fortalecer as exportações.

O Estado dará garantias até 90% dos empréstimos de até 200.000 milhões para empresas de todo o tipo, sem limite na sua faturação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório