Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Pandemia em Espanha mais do que duplica produção de caixões em Chaves

Uma empresa de caixões de Chaves, que produz exclusivamente para Espanha, mais do que duplicou a capacidade de produção e contratou mais seis trabalhadores devido à pandemia de covid-19, adiantou hoje à Lusa a diretora-geral da Mallat.

Pandemia em Espanha mais do que duplica produção de caixões em Chaves
Notícias ao Minuto

12:38 - 07/04/20 por Lusa

Economia Covid-19

"Neste momento estamos a trabalhar em capacidade máxima de rendimento, pois a procura que há em Espanha é muito elevada", realçou María Chao.

A diretora-geral da Mallat, empresa sediada em Chaves, no distrito de Vila Real, explicou que a capacidade de produção aumentou duas vezes e meia, estando a produzir cerca de 2.500 caixões por mês desde o início de março.

"Já tivemos que contratar mais seis pessoas nas últimas três semanas, para reforçar a equipa de 22 trabalhadores que já tínhamos", acrescentou.

A responsável pela empresa portuguesa, que é também a diretora-geral da empresa espanhola Ataúdes Chao, explicou que a fábrica em Chaves "tem sido imprescindível" para ter uma maior capacidade de produção.

"A Mallat tudo o que fabrica tem um único país de destino, que é Espanha, e agora praticamente toda a produção se destina à comunidade de Madrid, onde há mais falecidos devido à covid-19", sublinhou.

Para María Chao, não tem havido falta de matéria-prima nem de espaço na empresa em Chaves, pois tudo o que é produzido vai "imediatamente de camião para os nossos armazéns em Espanha".

Com os dois países a atravessarem a pandemia da covid-19, a responsável garantiu ainda que na empresa em Portugal está a ser seguido todo o "protocolo de segurança e condições de higiene para todos os trabalhadores e instalações".

María Chao considerou ainda que em Portugal a pandemia não será tão grave como em Espanha, porque "foram tomadas medidas de forma atempada".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 73 mil.

O continente europeu, com cerca de 696 mil infetados e mais de 53 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 16.523 óbitos em 132.547 casos confirmados até segunda-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 13.798 mortos, entre 140.510 casos de infeção confirmados até hoje, enquanto os Estados Unidos, com 10.994 mortos, são o que contabiliza mais infetados (368.449).

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a domingo (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório