Meteorologia

  • 06 ABRIL 2020
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Wall Street encerrou com a pior perda semanal desde 2008

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje com as perdas semanais mais pesadas desde outubro de 2008, quando se vivia o pico da crise financeira mundial, com os investidores receosos da propagação do novo coronavírus no mundo e das consequências económicas.

Wall Street encerrou com a pior perda semanal desde 2008
Notícias ao Minuto

22:43 - 28/02/20 por Lusa

Economia Bolsa de Nova Iorque

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average perdeu 1,39%, para os 25.409,36 pontos, e acumulou uma perda semanal superior a 3.500 unidades.

O alargado S&P500 desceu 0,82%, para as 2.954,22 unidades.

Ao contrário, o tecnológico Nasdaq fechou a sessão com uma subida de 0,01%, para os 8.567,37 pontos.

Os principais índices nova-iorquinos, que evoluíram claramente em território negativo ao longo da sessão de sexta-feira, recuperaram um pouco depois das declarações do presidente da Reserva Federal.

Com efeito, Jerome Powell declarou-se pronto para apoiar a economia norte-americana se esta fosse duramente afetada pelo Covid-19, deixando a porta aberta a uma próxima descida das taxas de juro diretoras nos EUA, que se situam no intervalo entre 1,50% e 1,75%.

No conjunto da semana, as perdas foram colossais em Wall Street, com a praça bolsista a entrar oficialmente em período de correção ao perder mais de 10% desde o fecho da sexta-feira passada.

Com o nervosismo a dominar os investidores, estes viraram-se massivamente para as obrigações, considerados menos arriscadas do que as ações.

A taxa paga pela dívida pública norte-americana a 10 anos atingiu um mínimo histórico, ao pagar 1,1143% durante a sessão, à semelhança das obrigações do Tesouro a 30 anos, que caiu hoje para os 1,6366%.

Segundo Karl Haeling, da LBBW, o medo e o pânico face ao novo coronavírus foram os sentimentos predominantes entre os investidores.

"Quando o vírus chegou a Itália, os investidores consideraram que iria acabar por se propagar ao resto do mundo", explicou.

"Os investidores anteciparam que poderia haver colocações em quarentena e que no final de contas isso iria fazer evoluir a economia mundial para uma recessão ou, pelo menos, para uma recessão técnica", especificou.

Se a China era até há pouco o único centro mundial da epidemia, o risco desmultiplicou-se com a emergência de novos países-fonte, como a Coreia do Sul, o Irão e a Itália.

O número de casos deste novo coronavírus no mundo eleva-se, em relação a sexta-feira, a 84.117, dos quais 2.870 mortos, em 59 países e territórios, segundo um balanço estabelecido pela AFP a partir de fontes oficiais às 17:00 de sexta-feira, de Lisboa.

O fecho de Wall Street em baixa seguiu-se a sessões nas bolsas europeias com o mesmo sinal, designadamente com Londres a descer 3,18%, Frankfurt 3,86%, Paris 3,38%, Milão 3,58% e Madrid 2,92%.

Durante a semana, a bolsa de Londres acumulou perdas de 11,12%, a de Frankfurt 12,44%, a de Paris 11,94%, a de Milão 11,26% e a de Madrid 11,76%.

Na Ásia, Tóquio caiu hoje 3,67%, Hong Kong 2,42%, Xangai 3,71% e Seul 3,3%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório