Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Salários. Governo 'atira' possível acordo com sindicatos para 4.ª feira

O Governo e os sindicatos da Função Pública estiveram reunidos, esta segunda-feira, com a proposta dos aumentos salariais em cima da mesa.

Salários. Governo 'atira' possível acordo com sindicatos para 4.ª feira

Ainda não foi desta que houve um acordo entre o Governo e os sindicatos da Função Pública. À saída da reunião, esta segunda-feira, a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, disse que o Governo 'atirou' qualquer decisão para uma nova reunião agendada para quarta-feira, dia 19 de fevereiro

"A reação do Governo foi 'vamos analisar e na quarta-feira vamos decidir'", disse Ana Avoila, em declarações aos jornalistas, mostrando-se confiante de que o "Governo poderá encerrar o processo [de negociação] na quarta-feira", referiu. Ao que indicou a sindicalista, além da contraproposta, a Frente Comum entregou também um estudo da autoria de Eugénio Rosa. 

Questionada sobre a possibilidade de estar em cima da mesa a negociação de férias, por exemplo, Ana Avoila rejeitou a ideia de que se trate de uma "medida compensatória", justificando que se trata de uma "reposição do roubo das férias que nos roubaram", adiantou. 

Governo disponível para negocia férias e subsídios

Por outro lado, o secretário-geral da Fesap, José Abraão, disse aos jornalistas que o Governo mostrou disponibilidade, na reunião, para negociar a questão das férias e a do subsídio de refeição.

"A abertura que o Governo mostrou foi de voltarmos na quarta-feira para discutirmos a plurianualidade dos aumentos salariais, o aumento do subsídio de refeição e a reposição dos dias de férias", referiu José Abraão, no final de uma reunião com o secretário de Estado da Administração Pública.

Na sexta-feira, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública disse continuar à espera da contraproposta de estruturas sindicais à proposta governamental de atualização de sete euros para os dois patamares mais baixos da TRU da função pública, que acresce aos 0,3% que já tinham sido decididos.

"Continuamos a aguardar a contraproposta das estruturas sindicais que manifestaram interesse em enviá-la e vamos analisá-la com todo o cuidado e com grande abertura, porque achamos que conseguir fazer um acordo seria muito importante para o futuro, para a paz social", afirmou aos jornalistas, ao início da tarde, a ministra Alexandra Leitão.

"Continuamos a aguardar essa contraproposta que, analisaremos com - repito - muito cuidado e com grande abertura", sublinhou.

Segundo a proposta do executivo, as remunerações de nível 4 da TRU (que corresponde ao valor mais baixo da carreira de assistente operacional) avançará dos atuais 635,07 euros para 642,07 euros. Já as do nível 5 (que correspondem à base salarial dos assistentes técnicos ou administrativos), sobem de 683,13 euros para 690,13 euros.

Este aumento traduz uma atualização ligeiramente acima de 1%, entre os níveis 4 e 5 da TRU, em linha com a previsão de subida da inflação do Governo para 2020.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório