Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 23º

Demissão do presidente da Boeing empurra Wall Street para níveis recorde

Os principais índices de Wall Street fecharam hoje em níveis inéditos, graças a uma subida acentuada das ações da Boeing, cujo presidente executivo anunciou a demissão, bem como pelo otimismo entre os investidores quanto a um acordo sino-norte-americano.

Demissão do presidente da Boeing empurra Wall Street para níveis recorde
Notícias ao Minuto

23:59 - 23/12/19 por Lusa

Economia Boeing

Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average ganhou 0,34%, para os 28.551,53 pontos.

Apesar de mais fracos, os avanços do tecnológico Nasdaq, de 0,23%, para as 8.945,65 unidades, e do alargado S&P500, em 0,09%, para os 3.224,01 pontos, também permitiram o alcance de níveis nunca alcançados.

A forte progressão da ação da Boeing (2,91%), subsequente ao anúncio da demissão do seu presidente, Dennis Muilenburg, sustentou a subida dos índices, designadamente do Dow Jones.

Em dificuldades desde há meses, devido à crise do aparelho 737 MAX, Muilenburg foi obrigado a abandonar o construtor aeronáutico, onde vai ter substituído, a partir de 12 de janeiro, por David Calhoun, que dirige atualmente o conselho de administração.

Dois acidentes daquele aparelho, em menos de cinco meses, mergulharam a Boeing na mais grave crise da sua história.

Por outro lado, os atores do mercado acolheram bem a decisão d Pequim de reduzir uma série de tarifas aduaneiras aplicadas a mais de 850 produtos alimentares a partir de 01 de janeiro e a cerca de 500 produtos tecnológicos a partir de 01 de julho.

Estes anúncios envolvem todos os parceiros comerciais de Pequim e não parecem ligados diretamente ao diferendo em curso com os EUA, mesmo que alguns produtos na lista, como sumo de laranja e os abacates, possam interessar particularmente aos produtores norte-americanos.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou, por seu lado, na sexta-feira, um "avanço" nas negociações sobre um acordo preliminar com a China, que deve ser assinado "muito em breve".

Para Peter Cardillo, da Spartan Capital Securities, estes desenvolvimentos são "um passo em frente para um acordo comercial, que pode reduzir o impacto da guerra comercial no crescimento económico mundial".

Na frente dos indicadores económicos, as encomendas de bens duradouros em novembro desceram 02%, para os 242,6 mil milhões de dólares, caindo para o mínimo de seis meses, segundo os dados publicados pelo Departamento do Comércio. Os analistas aguardavam, pelo contrário, uma subida de 1,4%.

Já as vendas de casas novas nos EUA progrediram por sua vez 1,3% em novembro, com 719 mil transações realizadas, menos do que as 735 mil aguardadas pelos analistas de mercado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório