Meteorologia

  • 24 MARçO 2019
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Trabalhadores têm "todas as razões e mais algumas" para se indignarem

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje que os trabalhadores têm "todas as razões e mais algumas" para estarem indignados e intensificarem a luta para melhorar as condições de vida e de trabalho.

Trabalhadores têm "todas as razões e mais algumas" para se indignarem
Notícias ao Minuto

13:03 - 15/03/19 por Lusa

Economia Arménio Carlos

"Um Governo que não olha para as pessoas e para os seus trabalhadores não está no caminho certo e tem que merecer a nossa contestação. Temos todas e mais algumas razões para lutar", disse Arménio Carlos hoje durante a sua intervenção no plenário de sindicatos, onde insistiu na necessidade dos trabalhadores intensificarem a luta "para melhorarem as condições de vida e de trabalho".

Entre as reivindicações, a CGTP refere o aumento dos salários de todos os trabalhadores, do privado e do público, e a exigência da fixação de, pelo menos, 650 euros como referência salarial mínima em todas as empresas e serviços.

"É um Governo cego, mudo e surdo às grandes reivindicações dos trabalhadores", criticou.

A CGTP agendou uma manifestação nacional para 11 de abril para protestar, junto ao parlamento, contra a proposta governamental de revisão do Código do Trabalho, por considerar que esta alteração vai agravar ainda mais a legislação laboral.

"Marcámos esta manifestação para protestar contra as normas gravosas que o Governo quer manter no Código do Trabalho e por considerarmos que a proposta que está em discussão não deve ser aprovada porque só irá piorar a situação", disse o secretário-geral da CGTP aos jornalistas à margem do plenário.

O alargamento do período experimental, a caducidade das convenções coletivas e a desregulação dos horários de trabalho são algumas das criticas feitas pela CGTP à proposta de revisão do Código do Trabalho.

O Conselho Nacional da Intersindical agendou ainda o próximo dia 23 uma manifestação, de dirigentes e ativistas sindicais, em solidariedade para com a trabalhadora corticeira Cristina Tavares, despedida na sequência de um processo de assédio moral.

O protesto decorrerá durante a manhã em Paços de Brandão sob o lema "pelo direito ao trabalho e contra o assédio.

Está marcado para dia 28 o julgamento da impugnação pedida pela empresa relativamente à coima de 31.000 euros, que lhe foi aplicada pela Autoridade para as Condições do Trabalho devido ao seu comportamento para com a trabalhadora.

No dia seguinte decorre no tribunal a 1.ª sessão do processo de impugnação ao despedimento de Cristina Tavares, instaurado pela própria e pelo seu sindicato.

Na reunião do Conselho Nacional da Inter foi ainda discutida a manifestação da juventude, no dia 28, e a jornada nacional de luta do 1.º de Maio.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório