Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

Diretor do Rio Ave visa pai da criança em Famalicão: "Ninguém o obrigou"

Diretor de comunicação do clube de Vila do Conde comenta caso polémico de criança que foi obrigada a tirar a camisola do Benfica para assistir ao jogo com o Famalicão na bancada da equipa da casa.

Diretor do Rio Ave visa pai da criança em Famalicão: "Ninguém o obrigou"
Notícias ao Minuto

20:39 - 12/09/22 por Notícias ao Minuto

Desporto Polémica

Vítor Ramos, diretor de comunicação do Rio Ave, comentou esta segunda-feira o polémico caso da criança que assistiu ao jogo entre Famalicão e Benfica em tronco nu, depois de ter sido obrigada a despir a camisola das águias na entrada para a bancada dos adeptos da casa. Através das redes sociais, o dirigente do clube de Vila do Conde acusa o pai do pequeno adepto do Benfica de irresponsabilidade. 

"O caso da criança de Famalicão e um pai irresponsável! Depois de já tanto vomitar ao ler tudo o que é notícia sobre isto, e de ouvir os abutres que gostam muito de aparecer nestas alturas popularuxas porque afinal o futebol até lhes dá jeito, vamos a factos", começou por escrever Vítor Ramos, antes de enumerar vários pontos. 

"1- Grande parte dos clubes adoptou a regra de proibição de entrada de adereços do visitante por duas grandes razões: a) segurança. Sim, segurança! Aquela palavra tão cara que exigem sempre aos clubes de futebol. Imaginem o que é termos uma bancada destinada ao visitado e de repente termos gente no meio com outras cores. Só quem nunca foi ao futebol duvida das escaramuças que isto gera. b) garantir ou pelo menos tentar que uma bancada destinada ao visitado seja mesmo para o visitado, lutando contra a invasão que estes visitantes costumam sempre tentar; 2- Ninguém obrigou aquele pai a ir para uma bancada de Sócios do Famalicão. Foi, porque quis", vincou, prosseguindo. 

"3- Forçou a entrada no estádio, com um filho vestido com uma camisola do visitante. Não satisfeito com a indicação profissional do ARD (assistente de recinto desportivo), e como pai extremoso e responsável que é, tentou desafiar a autoridade e chamou um polícia. Polícia que fez o seu trabalho e alertou o pai de que tinha de cumprir as regras do promotor do evento; 4- É importante lembrar que um jogo de futebol não é um evento público. É um evento PRIVADO, sujeito a regras; 5- Como pai super responsável, tirou a camisola ao filho. Sim, foi ele que meteu a criança nessas condições, e fê-lo entrar assim no estádio à sua responsabilidade. Já lá dentro, desafiou a autoridade de ARD e Polícia, tentando vestir novamente a camisola ao filho", apontou o dirigente do Rio Ave, que deixou, ainda, mais críticas . 

"Posto isto, está meio mundo a discutir um problema que não é problema, em vez de se discutir a qualidade da formação cívica em Portugal, a responsabilidade de certos pais (percebem agora porque não se pode deixar entrar certa gente, para certos locais? São capazes de tudo pelo "seu" Benfica, Porto, Sporting), e o constante desafio à autoridade e às regras que o português mesquinho tanto gosta. Além de falta de cultura desportiva, falta imensa cidadania a este nosso povo. E o que dizer do Governo e da Comunicação Social sobre isto? Vivemos mesmo tempos de hipocrisia e de populismo histérico. Salve-se quem puder", rematou Vítor Ramos. 

Leia Também: Adepto do Benfica obrigado a tirar camisola em Famalicão. Águias reagiram

Recomendados para si

;

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório