Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
25º
MIN 14º MÁX 26º

Edição

Falta de ritmo penalizou dupla lusa no ciclismo de estrada olímpico

A falta de ritmo competitivo, dada a ausência da Volta a França, afetou João Almeida, 13.º classificado na prova de fundo de estrada dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, e Nelson Oliveira, 41.º, lamentaram hoje os ciclistas portugueses.

Falta de ritmo penalizou dupla lusa no ciclismo de estrada olímpico
Notícias ao Minuto

12:32 - 24/07/21 por Lusa

Desporto Tóquio'2020

"Tínhamos outras ambições, claro, como tentar chegar ao diploma, mas os adversários estavam mais fortes. Os que vieram do Tour tiveram outro ritmo de corrida. As diferenças fizeram-se na última subida", explicou à Lusa Nelson Oliveira, que hoje começou os terceiros Jogos da carreira.

Como "dever", afirma, teve de "ajudar ao máximo o João", por o percurso lhe assentar melhor, apoiando-o, não só nas subidas, como em todo o outro trabalho, como o da hidratação, tão importante nas condições em que se correu hoje até à Pista Internacional de Fuji.

Também Almeida, estreante, admitiu ter sentido "falta de ritmo de corrida, um ponto que marcou diferenças" entre o pelotão, com oito dos 10 primeiros, incluindo o campeão, o equatoriano Richard Carapaz, a terem corrido o Tour.

"Senti-me em forma, com força, que é o mais importante, e dei tudo o que tinha até à meta. (...) Gostava de ter feito os 10 primeiros, mas tendo em conta a situação, fiz uma corrida bastante boa, forte de sensações, mas com muita falta de ritmo competitivo", reconheceu.

Carapaz, de 28 anos, cumpriu os 234 quilómetros entre o Parque Musashinonomori e a Pista Internacional de Fuji em 6:05.26 horas, num triunfo a solo, com 1.07 minutos de vantagem para o belga Wout van Aert, que levou a prata ao 'sprint' face ao esloveno Tadej Pogacar, terceiro.

Almeida chegou em 13.º, a 3.03 minutos do vencedor, no que foi a sua estreia em Jogos Olímpicos, enquanto Nelson Oliveira foi 41.º, a 10.12, nos terceiros Jogos: abandonou no Rio2016 e foi 69.º em Londres2012, no fundo, com um sétimo lugar no contrarrelógio de há cinco anos.

O resultado do português, que o leva a crer que a seleção de ciclismo tem de estar "satisfeita", é o terceiro melhor da história lusa em provas de fundo, depois da prata de Sérgio Paulinho, em Atenas2004, e do 10.º lugar de Rui Costa, no Rio2016, com o campeão do mundo de 2013 a registar outro 13.º lugar, em Londres2012.

Depois do fundo, as atenções viram-se para o contrarrelógio, marcado para quarta-feira e com partida e chegada no Autódromo Internacional de Fuji, de percurso ondulado e 44,2 quilómetros de extensão.

Essas medidas agradam ao especialista Nelson Oliveira, que quer "recuperar, para depois chegar o tão desejado 'crono'", aquilo para que diz ter trabalhado.

"Espero que as coisas saiam da melhor maneira, mas não corro sozinho, há adversários muito fortes. Tanto eu como o João podemos fazer um bom crono. [Um diploma] é o objetivo, agora se vai ser concretizado ou não...", comentou.

Também João Almeida, que tem na especialidade um dos seus pontos fortes, aponta baterias para quarta-feira, depois da prova de hoje, que "foi um bom 'abre-motor' para ir com ritmo".

"Vou dar tudo o que tenho, mas não levo muitas expectativas, porque nunca fiz um 'crono' tão longo", avisou.

Além da estrada, Portugal tem ainda Maria Martins no ciclismo de pista e Raquel Queirós no 'cross country' olímpico, dentro da modalidade em Tóquio2020, a decorrer até 08 de agosto.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório