Meteorologia

  • 16 ABRIL 2021
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Mestre virou aprendiz e Dragão alargou a vitrina: As notas da Supertaça

O FC Porto venceu esta quarta-feira o Benfica, em Aveiro, por 2-0, e celebrou a conquista, sem público, da 22.ª Supertaça da sua história. O Benfica manteve o seu registo com os azuis e brancos e averbou nova derrota a juntar às três da temporada passada.

Mestre virou aprendiz e Dragão alargou a vitrina: As notas da Supertaça

Encontrar receita para ultrapassar um adversário que já nos venceu no passado é, por norma, um dos mais complicados desafios de qualquer equipa ou indíviduo. Porém, diz a sabedoria popular, não importa quantas vezes se cai, mas como nos levantamos, algo que este Benfica, a viver uma segunda vida com Jorge Jesus, ontem, não conseguiu mostrar, voltando a cair perante uma das suas presas mais vorazes 

Esta quarta-feira, as águias voltaram a deixar uma imagem pobre do seu futebol, numa época em que o investimento foi mais que muito e onde a falta de adeptos tem sido desculpa recorrente para um futebol apagado, cinzento, sem rasgo e com 'muita conversa' mas, até aqui, parcos resultados neste regresso de Jesus a Portugal e à Luz. 

Contudo, é da festa que queremos falar, e ontem o FC Porto fez por merecer mais uma vitória sobre os encarnados, num jogo que teve pouca magia, muito combate, nervos à flor da pele e dois golos nascidos dos pés de Corona e convertidos por Sérgio Oliveira e Luís Díaz.

Para a posteridade fica o registo dos museus, com Sérgio Conceição a assegurar mais um espaço na vitrina das conquistas azuis e brancas com a 'aquisição' da 22.ª Supertaça Cândido de Oliveira na história do clube da Cidade Invicta. 

Mas vamos às notas do jogo

Homem do jogo: Corona. Longe dos seus dias mais brilhantes com as botas calçadas em cima do relvado, o mexicano voltou a ser determinante para o FC Porto. Foi dele o passe para a desmarcação de Taremi que resultou em grande penalidade e foi também dos seus pés que nasceu o passe para o golo de Díaz que sentenciou o encontro, O extremo portista regressou de lesão, esteve em perigo para a partida, mas saiu com a nota máxima em termos de eficácia. Foi solidário a fechar quando foi preciso e só ficou a pecar por não ter tido mais vezes a bola nos pés.

Desilusão: Taarabt. Se o marroquino costuma ser sinónimo de alguma liberdade selvagem no meio-campo, ontem, apesar de muito ter tentado, esteve em dia não. Protagonizou vários lances onde podia ter decidido melhor mas não conseguiu e ficou, quase sempre, nas covas do pivot de meio-campo do FC Porto. Desligado da exigência da partida em vários momentos, teve lances de alguma falta de maturidade que resultaram em perigo para a sua baliza. Num jogo que foi, em grande medida, mais físico que técnico, talvez tivesse sido melhor ter sido lançado do banco do que ser lançado de início. 

Surpresa: PepeFoi operado há pouco mais de uma semana antes de voltar a campo. Foi aposta de Sérgio Conceição que o lançou na antevisão da partida ainda com dúvidas, mas  entrado em campo limpou quase por completo a oposição. Muito agressivo sobre a bola, jogou de máscara os 90 minutos, mas nunca se escondeu do jogo. É um verdadeiro líder fora de campo, mas é melhor para qualquer equipa tê-lo dentro das quatro linhas. Nota positiva para o internacional luso que tem vivido esta temporada vários percalços físicos. 

Treinadores: 

Sérgio Conceição: No lançamento do encontro lembrou que o jogo, provavelmente, seria mais tático do mágico, e não se enganou. Numa partida entre eternos rivais, soube fazer as suas apostas e viu um golo surgir algo do nada, no primeiro tempo, apesar do maior ascendente. Tentou explorar a bola parada em vários momentos, conseguiu fechar os caminhos da sua baliza na maioria das vezes, alargou e fechou o 'range' da sua equipa quando foi necessário e continua, sobretudo, a somar títulos de Dragão ao peito, que, como o próprio diz, foi para isso que foi contratado: resolver problemas e somar vitórias.

Jorge Jesus: Regressou a Portugal mudado, mas com as promessas do passado. O seu Benfica está em consolidação (até quando?), mas o futebol dos seus pupilos continua a ser pobre para alguém que prometeu uma águia a acelerar nos voos para a vitória. Fez várias apostas no mercado, mas parece não estar a conseguir encontrar a 'língua' para fazer passar a Mensagem. Ontem, foi de mestre a aprendiz e por raras vezes se viu por cima do seu adversário. Nota negativa, mesmo sem público para o catapultar. 

Árbitro: Hugo Miguel. Com a arbitragem a ser, por norma, semana sim, semana sim, tema nas televisões, o juiz do encontro teve um dia 'limpinho'. Numa análise a frio, decidiu quase sempre bem e começou desde cedo a avisar porque ali estava. Não permitiu burburinhos no banco, muito menos no relvado e teve 90 minutos os 22 jogadores em campo debaixo do seu olhar. Nota positiva também para o VAR, que decidiu bem quando era preciso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório