Meteorologia

  • 20 MAIO 2018
Tempo
24º
MIN 23º MÁX 25º

Edição

Vinte anos do universo da coreógrafa Tânia Carvalho em três palcos

Vinte anos do universo criativo da coreógrafa Tânia Carvalho, que cruza a dança, a pintura e o cinema, vão ser recordados num ciclo de espetáculos que decorre a partir de sexta-feira, até 04 de março, em três teatros de Lisboa.

Vinte anos do universo da coreógrafa Tânia Carvalho em três palcos
Notícias ao Minuto

21:00 - 16/01/18 por Lusa

Cultura Lisboa

Os teatros Maria Matos, São Luiz e Camões (Companhia Nacional de Bailado) associam-se num ciclo de programação que oferece um olhar sobre este percurso de 20 anos, apresentando um programa interdisciplinar do trabalho da criadora.

O ciclo inclui peças já apresentadas, desde "Icosahedron", que abre o ciclo, na sexta-feira e no sábado, no Teatro Maria Matos, a "27 Ossos", a 03 e 04 de fevereiro, no Teatro São Luiz, e a estreia do filme coreografado "Um Saco e uma Pedra", musicado por Diogo Alvim.

Reúne ainda uma criação recente com o Grupo Dançando com a Diferença, o projeto participativo Movimentos Diferentes, e uma nova criação para a Companhia Nacional de Bailado.

"De Mim Não Posso Fugir, Paciência!" estará no São Luiz, a 31 janeiro e 01 de fevereiro, "Um Saco e uma Pedra -- peça de dança para ecrã", no Maria Matos, a 06 de fevereiro, "Movimentos Diferentes", na Biblioteca de Marvila, a 10 de fevereiro.

Será ainda apresentado "Doesdicon", com o Grupo Dançando com a Diferença, no Teatro Maria Matos, a 15 fevereiro, e, com a Companhia Nacional de Bailado, a nova criação "Olhos Caídos + 'S'" e "A tecedura do Caos", no Teatro Camões, entre 22 de fevereiro e 04 de março.

Nascida em Viana do Castelo, em 1976, Tânia Carvalho iniciou os estudos de dança na cidade natal. Na década de noventa, prosseguiu estudos artísticos na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha, na Escola Superior de Dança de Lisboa e no Fórum Dança.

As suas primeiras criações nos domínios da coreografia foram "A Corte" e "Inicialmente Previsto", ambas apresentadas no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, esta última distinguida com o Prémio Jovens Criadores 2000, tendo sido apresentada em Sarajevo em julho do ano seguinte.

É autora de várias bandas sonoras das suas próprias coreografias, como por exemplo a de "Como Se Pudesse Ficar Ali Para Sempre" (2005), e também a de "Síncopa" (2013). Outras peças atravessam outras artes, como a pintura, em "Xilografia" (2016), pelo expressionismo e pela memória do cinema em "27 Ossos".

"Icosahedron" venceu o prémio de melhor coreografia da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2011.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.