Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
30º
MIN 19º MÁX 31º

Exposição em Famalicão retrata obra de Cesariny em ano de centenário

A Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, vai expor cerca de 200 fotografias que retratam a "casa, vida e obra" do escritor e artista Mário Cesariny, antecedendo o arranque das comemorações do centenário.

Exposição em Famalicão retrata obra de Cesariny em ano de centenário
Notícias ao Minuto

15:01 - 27/03/23 por Lusa

Cultura Mário Cesariny

Com curadoria da diretora artística da fundação, Marlene Oliveira, e de Perfecto E. Cuadrado, coordenador do Centro Português do Surrealismo, a exposição "Mário Cesariny: O Outro Lado do Reflexo" vai ser inaugurada no dia 06 de abril e poderá ser visitada até 16 de julho.

"Expor fotografias que retratam a sua casa, vida e obra é uma oportunidade de fortalecer o conhecimento do homem e do artista, que fez História e Estórias em Portugal. Nesta exposição, Duarte Belo e Eduardo Tomé destacam-se pela quantidade de possibilidades que nos trazem, e que nos fazem entender a personalidade irreverente de Mário Cesariny", indicou Marlene Oliveira, numa descrição da mostra enviada à Lusa.

As fotografias de Duarte Belo e Eduardo Tomé, em particular, mostram o "espaço real [de Cesariny], o seu quarto, a sua cama, os seus objetos, obras e livros que levam ao seu universo surreal".

"O seu quarto era a sua 'sala de visitas', onde recebia os seus convidados, sentado, ou mesmo deitado na sua cama", acrescentou a curadora.

A mesma nota realçou se podem encontrar "ainda muitas outras fotografias de autores desconhecidos, muitos, certamente, seus amigos, mostrando o seu outro lado do reflexo, e em todas as suas dimensões", reunindo "cerca de 200 fotografias nesta exposição, que antecede o início das comemorações do seu centenário, que inicia em agosto, aquando a data do seu nascimento".

"Esta exposição é mais uma oportunidade de encontrar Mário Cesariny, de revisitar o seu espaço e as memórias de quem por lá passou", sublinhou Marlene Oliveira.

Nascido a 09 de agosto de 1923, em Lisboa, Cesariny de Vasconcelos estudou na Academia de Amadores de Música, sob a orientação do professor Fernando Lopes Graça, e ingressou no princípio da década de 1940 na Escola de Artes Decorativas António Arroio, onde conheceu, entre outros, Fernando José Francisco e Cruzeiro Seixas, que o acompanharam na aventura surrealista.

Foi protagonista de muitas ações e criações polémicas com os outros artistas surrealistas, mas a partir do início dos anos 1950 o grupo começou a desintegrar-se.

Cesariny manteve-se ativo na poesia, nas artes plásticas e na tradução, passando a conviver com Luís Pacheco, Manuel de Lima, António José Forte, João Rodrigues, Manuel Castro, João Vieira e Helder Macedo.

"Titânia", "Pena Capital", "Antologia do Cadáver Esquisito" e "Planisfério e Outros Poemas" são alguns exemplos da sua obra poética ao longo dos anos 1950 e 60, mas continuou também a realizar exposições individuais e coletivas em Portugal, Brasil, Bélgica, Estados Unidos.

Mário Cesariny recebeu vários prémios pela obra escrita e plástica, nomeadamente o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores, e o Grande Prémio EDP de Artes Plásticas.

Depositou a sua obra plástica na Fundação Cupertino de Miranda.

Cesariny morreu em 26 de novembro de 2006.

Leia Também: Ação Cultural Externa prevê 3.673 iniciativas para 2022

Recomendados para si

;
Campo obrigatório