Meteorologia

  • 17 ABRIL 2021
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Festival ID No Limits em Cascais adiado para fevereiro de 2022

O festival ID No Limits, que deveria acontecer na sexta-feira e no sábado em Cascais, foi novamente adiado, desta vez para 25 e 26 de fevereiro de 2022, anunciou hoje a organização.

Festival ID No Limits em Cascais adiado para fevereiro de 2022
Notícias ao Minuto

09:04 - 08/04/21 por Lusa

Cultura Covid-19

A promotora Live Experiences, num comunicado hoje divulgado, recorda que já tinha anunciado nas redes sociais que o festival, que iria decorrer no Centro de Congressos do Estoril, em Cascais, teria de ser adiado.

"O respeito pelo público é máximo e dadas as contingências provocadas pela pandemia covid-19 impossibilitando de o realizar agora em abril, teríamos que pensar numa solução forte. Está encontrada: vamos lutar com tudo para fazer acontecer a 25 e 26 de fevereiro uma memorável edição", lê-se no comunicado.

Os bilhetes emitidos para os dias 09 e 10 de abril deste ano, bem como os da remarcação de 13 e 14 de novembro de 2020 "são válidos para a nova data (25 e 26 de fevereiro de 2022), não sendo necessário fazer a troca".

A organização recorda que, no caso de quem tem bilhete e optar pelo reembolso "tem direito à devolução do preço do bilhete, no prazo de 14 dias úteis a partir da data prevista para a realização do evento (período de 09 de abril a 28 de abril de 2021), ou proceder à emissão de um vale de igual valor ao preço pago, a ser solicitado no local onde adquiriu o bilhete".

Segundo a organização, "serão anunciadas em breve novas confirmações" para o cartaz.

O cartaz da edição que deveria realizar-se na sexta-feira e no sábado incluía, entre outros, Ezra Collective, Moses Boyd, Joe Kay, Rejjie Snow, Kelsey Lu, Coucou Chloe, Biig Piig, Lhast, Chong Kwong, PEDRO, Shaka Lion Live Act, Holly, Progressivu e Carla Prata.

Desde março do ano passado, têm sido adiados vários festivais de música em Portugal.

O verão de 2020 decorreu sem os habituais festivais, com a Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest) a estimar uma perda de cerca de 1,6 mil milhões de euros, contra os dois mil milhões originados em 2019.

Em março deste ano, começaram a ser anunciados os adiamentos, para 2022, de alguns festivais, inicialmente previstos para o ano passado: Rock in Rio Lisboa e Primavera Sound, no Porto, previstos para junho, CoolJazz, em Cascais, Boom Festival, em Idanha-a-Nova, agendados para julho. Já antes, em novembro do ano passado, o Barroselas Metalfest, previsto para o final de abril e começo de maio deste ano, tinha anunciado que não se realizaria em 2021.

No entanto, há vários festivais de música marcados a partir de julho em Portugal, entre os quais o Alive (julho), em Oeiras, o SBSR (julho), em Sesimbra, o Sudoeste (agosto), em Odemira, e o Paredes de Coura (agosto), no distrito de Viana do Castelo.

De acordo com o 'plano de desconfinamento' do Governo, anunciado em 11 de março, a partir de 03 de maio, poderão voltar a realizar-se "grande eventos exteriores e interiores, sujeitos a lotação definida" pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o que pode vir a incluir festivais.

Entretanto, foi publicado em Diário da República, com efeitos a 01 de abril, o decreto-lei sobre espetáculos, que prevê a realização de "eventos teste-piloto" e estabelece condições de devolução do valor de bilhetes, quando há anulação ou adiamento.

O agendamento destes eventos de teste poderá eventualmente abrir caminho à possibilidade de "alteração da orientação em vigor", que define limites de público, em função do distanciamento físico e da área disponível, em equipamentos culturais, como salas de teatro e cinema, e na realização de programação ao ar livre.

O diploma estabelece igualmente as condições para a eventual devolução do valor de bilhetes para espetáculos e festivais, inicialmente previstos para 2020, e, entretanto, adiados para 2022.

Segundo o Governo, "no caso dos espetáculos e festivais inicialmente agendados para o ano de 2020, e que ocorram apenas em 2022, prevê-se que os consumidores possam pedir a devolução do preço dos bilhetes, no prazo de 14 dias úteis a contar da data prevista para a realização do evento no ano de 2021".

Se o consumidor não pedir a devolução, "considera-se que aceita o reagendamento do espetáculo para o ano de 2022". O mesmo se aplica "aos vales emitidos com validade até ao final do ano de 2021, que passam a ser válidos até ao final do ano de 2022".

Leia Também: Festival de Banda Desenhada de Angoulême adia encontro para 2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório