Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2021
Tempo
27º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Marcelo lamenta morte de Filipe Duarte: "Tão novo, a meio de uma vida"

O Presidente da República lamentou hoje a morte do ator Filipe Duarte, aos 46 anos, "tão novo, a meio de uma carreira e de uma vida", elogiando a versatilidade das suas participações no teatro, cinema e televisão.

Marcelo lamenta morte de Filipe Duarte: "Tão novo, a meio de uma vida"
Notícias ao Minuto

16:15 - 17/04/20 por Lusa

Cultura Óbito

"Habituámo-nos a ver Filipe Duarte no teatro, no cinema e na televisão. Em teatro, tanto fez Gil Vicente e Shakespeare como autores portugueses contemporâneos, com diversas companhias e encenadores", refere Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet.

No cinema, o chefe de Estado lembra os filmes 'Os Imortais', 'O Milagre Segundo Salomé', A Costa dos Murmúrios', 'A Outra Margem', 'Coisa Ruim', '4 Copas', 'Variações' e 'Mosquito', considerando que "dão bem conta da sua versatilidade", e na televisão destaca a sua participação em 'Equador' como protagonista.

"Em qualquer destes trabalhos foi uma presença intensa, em galãs e vilões, homens agrestes ou compassivos. É triste perdê-lo, tão novo, a meio de uma carreira e de uma vida. À sua família endereço as minhas sentidas condolências", acrescenta o Presidente da República.

O ator português Filipe Duarte morreu hoje de madrugada aos 46 anos, em consequência de um enfarte, na sua casa, no concelho de Cascais, confirmou à agência Lusa fonte próxima da família.

A notícia e a causa da morte foram reveladas pela SIC, que tem atualmente em exibição a telenovela "Amor de mãe", rodada no Brasil nos estúdios da Globo e na qual entra o ator.

Nascido em Angola em 1973, de onde saiu para Portugal ainda na infância, Filipe Duarte estudou teatro e foi em palco que se estreou, nos anos 1990, com a Companhia Teatral do Castelo e com o Teatro da Garagem.

No teatro, trabalhou com companhias como o Teatro Meridional e o Teatro do Vestido, mas foi sobretudo no cinema e em televisão que construiu a carreira.

Em televisão, Filipe Duarte fez ainda séries, telenovelas e participou em programas para a infância, deu a voz para publicidade, desenhos animados e videojogos.

'A febre do ouro negro' (2001), A 'Ferreirinha' (2004), 'Equador' (2008) e 'Belmonte' (2013) são alguns dos projetos televisivos em que entrou.

No cinema, entrou em mais de trinta filmes, entre curtas-metragens, telefilmes e longas-metragens, entre comédia, drama e romance e trabalhou com, entre outros, Luís Filipe Rocha, António-Pedro Vasconcelos, Manuel Mozos, Margarida Cardoso, Tiago Guedes e Vítor Gonçalves.

Destaca-se o filme 'A outra margem' (2007), de Luís Filipe Rocha, no qual interpreta o travesti amargurado com a vida e que lhe valeu o prémio de melhor ator no Festival de Cinema de Montreal, no Canadá.

É ainda de recordar a participação de Filipe Duarte em 'A costa dos murmúrios' (2004), de Margarida Cardoso, e ao lado de Beatriz Batarda, rodado em Moçambique.

Foi nessa altura, de regresso a África já em adulto, que Filipe Duarte decidiu ter dupla nacionalidade, portuguesa e angolana.

As presenças mais recentes de Filipe Duarte no cinema deram-se com 'Variações' (2019), no qual interpretou o fundador da discoteca Trumps, e 'Mosquito' (2020), em que voltou a interpretar um militar em África, durante a primeira Guerra Mundial.

O mais recente projeto no cinema seria 'Nothing ever happened', de Gonçalo Galvão Teles, ainda inédito.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório