Meteorologia

  • 09 ABRIL 2020
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Presidente distingue Ephemera como membro honorário da Ordem do Mérito

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, atribuiu hoje as insígnias de membro honorário da ordem de Mérito à Associação Cultural Ephemera, destacando que aquela entidade é "o triunfo de um coletivo".

Presidente distingue Ephemera como membro honorário da Ordem do Mérito
Notícias ao Minuto

18:30 - 22/02/20 por Lusa

Cultura Ephemera

O anúncio foi feito pelo chefe de Estado durante a cerimónia de encerramento das comemorações dos 10 anos da Associação Cultural Ephemera, que decorreu no Barreiro (distrito de Setúbal).

Hoje, a Ephemera inaugurou também um novo polo onde está disposto espólio doado à associação, no Parque Empresarial da Baía do Tejo, também no Barreiro.

Marcelo Rebelo de Sousa entregou a condecoração a José Pacheco Pereira, mas assinalou que esta organização e o seu trabalho é "o triunfo de um coletivo" que está a ajudar a "construir Portugal", o "Portugal de Abril, Portugal democrático".

De acordo com o 'site' da Presidência da República, a Ordem do Mérito "destina-se a galardoar atos ou serviços meritórios praticados no exercício de quaisquer funções, públicas ou privadas, que revelem abnegação em favor da coletividade".

José Pacheco Pereira agradeceu "este reconhecimento do mérito" da associação que fundou e brincou, acrescentando, "sem nenhuma arrogância, que é merecido", não por sua causa, mas pelo esforço das pessoas que ajudam a que a Ephemera seja uma realidade.

Na opinião de Marcelo, a Ephemera é "o retrato de José Pacheco Pereira" de "sensibilidade cívica, no espírito de liberdade, na independência crítica".

Pacheco Pereira "gosta de ter mais informação e gosta de divulgar a informação e gosta de partilhar e gosta de recolher e gosta de ter muitos amigos", acrescentou.

"Isso é uma riqueza enorme num país que não tem, muitas vezes, olhado nem para a memória suficientemente, nem para a memória do ponto de vista cívico e social", frisou o chefe de Estado, argumentando que "olha-se para a memória oficial, olha-se para a memória estática, rígida, mas sem envolver todos e todas naquilo que é razão de ser da Ephemera".

Perante os presentes, o Presidente da República confidenciou que entendeu que "tinha de haver um gesto informal" para, "de alguma maneira, agradecer à Ephemera enquanto instituição o que em tão curto lapso de tempo fez pelo país".

Na agenda do Presidente ficou já marcado um reconhecimento ao historiador José Pacheco Pereira "enquanto construtor de cultura" para "o dia 08 de março, perto da meia noite", a véspera do termo do mandato presidencial.

A data foi escolhida de forma a "salvaguardar a sua independência crítica", porque "entre a meia noite e a tomada de posse do sucessor, que é às 10:00 da manhã, não há hipóteses de qualquer conduta que ele possa deixar de criticar violentamente", advogou Marcelo, adiantando igualmente que "muito brevemente" fará um agradecimento a Adelino Torres.

Em declarações aos jornalistas no final da visita ao espólio, o Presidente da República adiantou que é sua intenção fazer uma doação para o arquivo que considerou ser "impressionante".

"Já prometeu várias", interrompeu Pacheco Pereira, ao seu lado.

"Mas agora vou fazer. Hoje à noite vou para casa e já tenho ideias concretas sobre núcleos, não digo que muito interessantes, não são, mas enfim, em que é possível enviar para a Ephemera", disse.

Entre os exemplos, Marcelo Rebelo de Sousa falou em 'pins' do seu filho, caixas de uma coleção da sua filha, "mais elementos que tenham alguma ligação com política", "coisas variadas" e "até CD's que tenham relação com política, bolas de futebol que tenham relação com a política - porque houve um tempo em que os partidos estrangeiros tinham bolas de futebol com os nomes dos líderes também, ou de homenagem a líderes".

"Eu fui guardando isso tudo e na dúvida não enviei para Celorico de Basto [para a biblioteca com o seu nome], vou oferecer à Ephemera e vou ver se encontro outras coisas mais interessantes para oferecer", acrescentou.

Na cerimónia estiveram presentes o antigo Presidente da República Ramalho Eanes, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, e o presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Frederico Costa Rosa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório