Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º
Finanças Seguros Portugueses têm mais dispositivos el...

Portugueses têm mais dispositivos eletrónicos em casa do que em 2019

Atualmente, um terço dos portugueses confirma ter mais dispositivos eletrónicos nas suas casas do que no período pré-pandemia. Por seu lado, 53% dos portugueses defendem que casas com smart devices são o caminho a seguir. 

Portugueses têm mais dispositivos eletrónicos em casa do que em 2019

A pandemia alterou a perceção das pessoas residentes em Portugal, Espanha e Irlanda face às suas casas. De acordo com o relatório Flexi, desenvolvido pela Liberty Mutual para a Liberty, enviado às redações, concluiu que no que diz respeito à utilização de aparelhos eletrónicos e smart devices nas habitações, atualmente, um terço dos portugueses confirma ter mais dispositivos eletrónicos nas suas casas do que no período pré-pandemia.

Por seu lado, 53% dos portugueses defendem que casas com smart devices, ou seja, equipadas com iluminação, aquecimento e dispositivos eletrónicos que podem ser controlados remotamente por smartphone ou computador, são o caminho a seguir. 

Note que o estudo da Liberty Seguros foi realizado entre o período entre março e abril de 2021, na Europa, mais propriamente, nos três países acima referidos.

Segundo o mesmo relatório, a que o Notícias ao Minuto teve acesso, quase metade dos portugueses (45%) está disponível para partilhar informação dos smart devices com as seguradoras, caso isso ajude a prevenir acidentes e emergências em casa. 

O estudo, que representa as respostas de 500 portugueses, 800 espanhóis e 520 irlandeses, concluiu que o conforto (37%) e a segurança (35%) são os fatores que os portugueses mais privilegiam nas suas casas, valores que estão em linha com os respondentes dos outros mercados analisados.

Já a valorização de áreas ao ar livre é muito divergente. Apenas 9% dos portugueses estão preocupados com este elemento, ao passo que o mesmo foi selecionado por 30% dos espanhóis e 16% dos irlandeses, lê-se no documento.

“Com a pandemia vimos os comportamentos mudar e conceitos como o teletrabalho e casas inteligentes ganharem força. Assim, é essencial garantir que os seguros e coberturas se mantêm atualizados às novas formas de vida e que as pessoas continuam protegidas”, destaca Alexandre Ramos, CIO da Liberty Europa, citado em comunicado.

Faz ainda notar a mesma nota que a Liberty opera na Europa através da Liberty Seguros, com sede em Madrid, Espanha, com filiais em Portugal, Irlanda e Irlanda do Norte. Em Portugal, a seguradora oferece uma variedade de coberturas de seguro residencial e de recheio. Para além do Liberty Chave Mestra, que pode garantir o imóvel, o conteúdo da habitação e inúmeros serviços de Assistência, pode ainda contratar-se o Liberty 7 Chaves, específico para proteger o recheio do imóvel.

Leia Também: Burla com seguros 'rendeu' a estrangeiro mais de três milhões de euros

Campo obrigatório