Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2021
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Imobiliário Habitação Preço das casas nos EUA bateu record...

Preço das casas nos EUA bateu recorde em maio. Subiu 16,6%

O valor das habitações americanas registou a maior subida desde que há registo. Foi cerca de 17% mais alto do que em maio de 2020, sendo esta a leitura mais alta nos últimos 30 anos do relatório S&P CoreLogic Case-Shiller. Em abril, subiu 14,8% em relação ao ano anterior.

Preço das casas nos EUA bateu recorde em maio. Subiu 16,6%

Os preços das casas nos EUA continuam a bater recordes, à medida que a forte procura esbarra com a fraca oferta. Segundo a CNBC, que avança com a notícia, o valor das habitações americanas foram 16,6% mais altos do que em maio de 2020, sendo esta a leitura mais alta nos últimos 30 anos do relatório S&P CoreLogic Case-Shiller. Em abril, subiu 14,8% em relação ao ano anterior.

De acordo com o mesmo relatório, o composto de 10 cidades registou um aumento de 16,4% em maio, contra os 14,5% observados em abril. Já o composto de 20 cidades ganhou 17%, contra os 15% vistos no mês anterior.

Todas as 20 cidades relataram aumentos de preços mais altos no ano que termina em maio de 2021 em relação ao ano que termina em abril de 2021, lê-se no documento.

Phoenix, San Diego e Seattle relataram os maiores ganhos em relação ao ano anterior, entre as 20 cidades, em maio. Phoenix liderou a tabela com um aumento de preços de 25,9% em relação ao ano anterior, seguido por San Diego com um crescimento de 24,7% e Seattle com uma subida de 23,4%. Em sentido inverso, Chicago, Cleveland e Minneapolis relataram os menores ganhos, embora ainda estivessem em baixos dois dígitos.

"Há um mês, descrevi o desempenho de abril como 'verdadeiramente extraordinário', e este mês vejo-me a ficar sem superlativos", revelou Craig Lazzara, diretor executivo e chefe global de estratégia de investimento de índices da S&P DJI, citado em comunicado a que a CNBC teve acesso.

"Sugerimos anteriormente que a força no mercado imobiliário dos EUA estava a ser impulsionada em parte pela reação à pandemia de Covid-19, à medida que potenciais compradores se mudavam de apartamentos para casas suburbanas. Os dados de maio continuam a ser consistentes com essa hipótese", acrescenta.

Segundo a S&P CoreLogic Case-Shiller, Cleveland, Dallas, Denver, Seattle e Charlotte, Carolina do Norte tiveram os maiores ganhos anuais

Por referência às taxas de hipoteca, caíram ligeiramente no início de maio e mantiveram-se ao longo do mês. As taxas têm sido tão baixas que mesmo os movimentos mensais leves mais altos não aliviaram o aumento dos preços das casas, revelam os mesmos dados.

As vendas de casas novas e já existentes enfraqueceram nos últimos meses, em grande parte devido aos altos preços. O stock de casas à venda finalmente começou a aumentar, embora a um ritmo lento. Um aumento nas listagens é a única coisa neste momento que poderia puxar os ganhos de preços para trás.

Por sua vez, a procura ainda é forte devido à demografia da maior geração, ou seja, os millennials, que se movem para começam a adquirir a sua primeira casa. As taxas de hipotecas também voltaram a cair nas últimas semanas, refere o mesmo relatório.

"Esta confluência dinâmica de empreendimentos habitacionais está a ajudar a manter o crescimento dos preços sob controle à medida que nos aproximamos do mês de agosto. Olhando para os próximos meses, espera-se que o stock continue a crescer no outono, mudando a tendência sazonal típica e mantendo a atividade imobiliária em alta", revelou George Ratiu, economista sénior da Realtor.com., em declarações à CNBC.

Leia Também: Biden quer que empresas sejam ensinadas a proteger-se de ciberataques

Campo obrigatório