Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 26º

Edição

Imobiliário Arrendamento Novo regime de arrendamento vitalíci...

Novo regime de arrendamento vitalício protege as famílias carenciadas?

Este regime garante uma maior estabilidade habitacional e permite às famílias permanecer numa habitação por um período vitalício, desde que seja entregue ao senhorio da habitação uma caução que pode variar entre os 10% e 20% e o pagamento de uma prestação mensal.

Novo regime de arrendamento vitalício protege as famílias carenciadas?

O Conselho de Ministros voltou a aprovar o decreto-lei que estabelece o novo regime de arrendamento vitalício. De acordo com o Ekonomista, o Direito Real de Habitação Duradoura (DHD) não é nada mais nada menos do que um regime que garante uma maior estabilidade habitacional e que permite às famílias permanecer numa habitação por um período vitalício, desde que seja entregue ao senhorio da habitação uma caução que pode variar entre os 10% e 20% e o pagamento de uma prestação mensal.

Segundo a plataforma, o novo regime de arrendamento vitalício consegue “conciliar as necessidades de estabilidade e de segurança na ocupação do alojamento, cruciais para o desenvolvimento da vida familiar, com as de flexibilidade e mobilidade, que derivam de uma maior mutabilidade das dinâmicas pessoais, familiares e profissionais”. Ou seja, o morador e/ou titular do DHD, passa a ter o direito de residir toda a vida numa habitação, mas sempre com a possibilidade de renunciar ao contrato.

Na verdade, esta medida está inserida num conjunto de diplomas que vêm consolidar a estratégia definida no âmbito da Nova Geração de Políticas da Habitação e vai encontrar uma situação intermédia entre a compra de um imóvel e o arrendamento, segundo revela o Ekonomista.

Saliente-se que para que tenha o direito de permanência vitalícia na casa dos proprietários, é necessário o pagamento de uma caução inicial que pode situar-se entre os 10% e 20% do valor do imóvel. Além deste valor que paga à cabeça, precisa, claro está, de pagar a mensalidade como num arrendamento normal.

Quem pode desistir do contrato?

Outra das vantagens que protege o morador com este regime de arrendamento vitalício é o facto de apenas o morador poder desistir do contrato. E no caso de ter permanecido apenas durante dez anos na casa, o valor da caução é-lhe totalmente devolvido pelo proprietário, sublinha a plataforma.

Quando é que os contratos atualmente existentes se convertem para o regime de arrendamento vitalício?

De acordo com a legislação em vigor, os contratos de arrendamento a prazo devem ser convertidos em vitalícios na situação do arrendatário ter habitado a casa até 1990 e o inquilino tiver completado 65 anos até 2004; e quando o arrendatário entrou na habitação entre 1990 e 1999 e tenha atualmente 65 anos.

Principais vantagens do regime de arrendamento vitalício

Para o morador:

  • O esforço financeiro é bem menor do que no caso de querer comprar uma casa e haver a necessidade de dar um sinal significativo;
  • O risco é também menor no caso de não ter total estabilidade profissional e financeira;
  • Permite uma maior estabilidade familiar, sem riscos e medo de perder a casa de um momento para o outro;
  • Se necessitar de crédito para financiar a caução, pode hipotecar o Direito Real de Habitação Duradoura;
  • Diminui o risco de endividamento quando comparado com uma situação de crédito habitação.

Além disso, saliente-se que o morador está obrigado a utilizar a habitação apenas para sua residência permanente. Para outros fins, terá de ter autorização do proprietário. Terá ainda de pagar as taxas municipais e suportar os custos de obras de conservação do imóvel.

Para o proprietário:

  • Passa a ter mais capital disponível, sem que isso implique vender o seu património;
  • A rentabilidade será mais estável;
  • Terá uma redução de encargos com a gestão do seu património;
  • Conta ainda com uma redução do risco de incumprimento por parte do morador graças à caução entregue.

Também o proprietário tem as suas obrigações. De acordo com o Ekonomista, o proprietário deve assegurar o estado de conservação da habitação no momento da sua entrega. Também terá de suportar os custos das obras e de quaisquer outros encargos relativos às partes comuns do prédio e de realizar obras de conservação. Se houver condomínio, o proprietário está ainda obrigado em suportar o pagamento das quotas.

Ainda assim, note que é este regime tem a possibilidade de ser cessado, segundo o Ekonomista. Poderá terminar se existir incumprimento definitivo do morador ou do proprietário; se o morador decidir que não quer continuar a residir naquela habitação; e por morte do morador ou do último morador no caso de o contrato ter sido constituído a favor de mais do que uma pessoa.

Leia Também: Bairro sustentável do Facebook também tem casas de arrendamento acessível

Campo obrigatório