Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 26º

Edição

Imobiliário Habitação Subida das rendas afasta os mais jov...

Subida das rendas afasta os mais jovens da capital portuguesa

De acordo com a consultora imobiliária internacional, Savills, antevê-se uma nova saída, vindo das cidades em direção às periferias, principalmente por parte dos segmentos mais jovens da população.

Subida das rendas afasta os mais jovens da capital portuguesa

A compra ou o arrendamento de habitações em Lisboa não se colocam como opções viáveis para uma parte significativa da população jovem ou jovem adulta.

Quem o diz é a Savills, consultora imobiliária internacional, sendo esta uma das principais conclusões retidas durante o debate Affordable Housing, inserido no segundo dia da Semana da Reabilitação Urbana, revela comunicado enviado às redações.

Nesse sentido, antevê-se uma nova saída, vindo das cidades em direção às periferias, principalmente por parte dos segmentos mais jovens da população. Saiba porquê.

Em comunicado, a que o Notícias ao Minuto teve acesso, a Consultancy Director da Savills Portugal, Paula Sequeira, lembrou que, durante o primeiro trimestre de 2021, foram vendidas 49.608 habitações em Portugal, das quais 12% estão localizadas na cidade de Lisboa. Sendo que o volume total de vendas totalizou perto de 17 mil milhões de euros, na Área Metropolitana de Lisboa, ou seja, cresceu 10% face ao primeiro trimestre de 2019.

O aumento dos mercados residencial e turístico, aliados a um investimento estrangeiro, fizeram da cidade de Lisboa uma referência em múltiplos rankings. Contudo, a subida da competitividade do mercado residencial em Lisboa fez aumentar os preços de venda por m2, que, durante o primeiro trimestre de 2021, se situaram, em média, acima dos quatro mil euros.

Com a compra de uma habitação a estar fora das possibilidades de muitos, o mercado de arrendamento começa a ganhar protagonismo, tanto por investidores como por utilizadores finais.

Entre 2019 e 2020, registou-se um aumento de 17% no número de casas em oferta para arrendamento em Portugal, sendo que a Área Metropolitana de Lisboa teve uma expressão de 20% dessa subida.

A emergência deste paradigma habitacional deve-se, maioritariamente, à preferência das gerações mais novas por maior flexibilidade, mobilidade e pela capacidade que os promotores e investidores têm tido para conseguirem dar resposta à procura.

Ainda assim, tal como na compra, também os preços do arrendamento têm vindo a subir nos últimos anos. Em 2020, registou-se, em Lisboa, uma média de preço pedido por m2 de 14,80 euros. Na Área Metropolitana de Lisboa, esse valor é ligeiramente mais baixo, de 12,80 euros por m2 mas, no entanto, é 60% superior à média registada no resto do país.

Habitação acessível poderá ser um novo foco de oportunidades para investimento?

O investimento no mercado de habitação acessível é cada vez mais percecionado como uma aposta estável. Neste setor, verifica-se uma escassa oferta de habitações e uma necessidade cada vez maior de dar resposta à procura crescente, um desequilíbrio que tem evoluído ao longo da última década, afirma Savills. Desta forma, existem oportunidades de investimento a ser exploradas.

Recorde-se que dados do Eurostat indicam que, em 2019, 5% da população portuguesa suportava custos de habitação superiores a 40% do seu rendimento disponível.

Não obstante ser um valor reduzido quando comparado com outros países da Europa, poderá observar-se um aumento de população nesta situação, considerando que a subida dos rendimentos não consegue acompanhar os valores de mercado para compra e para arrendamento.

Nesse sentido, a Savills já havia indicado que Portugal é ainda um país que tende a optar pela compra de habitações, ao invés do arrendamento. Em 2019, cerca de 75% da população portuguesa era proprietária, sendo os restantes 25% arrendatários. Mas, como se torna cada vez mais evidente, essa pode ser uma realidade em rápida transformação.

Leia Também: Comprar casa antes dos 30 anos só tem uma desvantagem. Saiba as vantagens

Campo obrigatório