Meteorologia

  • 11 MAIO 2021
Tempo
18º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

Lar Eficiência energética Vai haver uma app para incentivar os...

Vai haver uma app para incentivar os cidadãos a fazer compostagem caseira

A LIPOR e o centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS estão a criar uma aplicação para envolver os cidadãos em atividades de compostagem caseira. O objetivo? Monitorizar a valorização dos biorresíduos.

Vai haver uma app para incentivar os cidadãos a fazer compostagem caseira

Como forma de melhorar a eficiência da gestão de resíduos, a especialista na área do tratamento e valorização de resíduos, LIPOR, e o centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS (FhP-AICOS) estão a desenvolver uma uma solução digital, para incluir e envolver os cidadãos em atividades de compostagem caseira, revela comunicado enviado aos jornalistas.

Chama-se ConPosting e é um sistema que ainda está em desenvolvimento e que irá contemplar um conjunto de sensores, uma aplicação móvel e um portal web, note-se.

O objetivo?

É que, pela digitalização dos compostores, seja possível monitorizar a valorização dos biorresíduos através da compostagem caseira. Este processo descentralizado permitiu em 2020, com o contributo dos cidadãos, que fossem valorizados localmente cerca de 6.500 toneladas de biorresíduos, refere o mesmo comunicado.

Através de sensores adaptados ao compostor é possível recolher e monitorizar alguns dados como, por exemplo, a temperatura e a humidade. A sua monitorização irá passar a ser mais simples e eficaz pois é acompanhada tanto pelo cidadão que, através de uma aplicação móvel, pode melhorar e direcionar o processo de compostagem, como por parte dos profissionais da LIPOR que, através de um portal web, conseguem acompanhar todo o processo remotamente.

A utilização do ConPosting vai permitir um sistema mais eficiente, sublinha o mesmo comunicado, evitando, assim, deslocações desnecessárias por parte das equipas da LIPOR e, simultaneamente, melhorando o processo de compostagem.

O processo é simples:

O cidadão recebe, gratuitamente uma formação, e depois um compostor, com o qual inicia a sua compostagem caseira.

Em comunicado, para além da importância no impacto ambiental da cidade e na gestão de resíduos, o ConPosting pretende melhorar não só a vida dos habitantes, mas também reduzir os custos de recolha e tratamento de resíduos, aumentando assim a sua eficiência e aplicando técnicas de gestão de resíduos voltadas para a comunidade. 

Leia Também: Câmara de Proença-a-Nova distribui compostores domésticos aos munícipes

Campo obrigatório