Meteorologia

  • 11 MAIO 2021
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

"Teletrabalho não representa a morte...

"Teletrabalho não representa a morte do escritório", afirmam imobiliárias

Estudo da Knight Frank revela que líderes de empresas imobiliárias internacionais compartilham todas uma característica: o escritório. Ainda assim, 59% avaliaram a sua experiência de trabalhar em casa como "positiva" ou "extremamente positiva".

"Teletrabalho não representa a morte do escritório", afirmam imobiliárias

Ainda que 59% dos líderes de empresas imobiliárias internacionais avaliaram a sua experiência de trabalhar em casa como "positiva" ou "extremamente positiva", compartilham todas  uma característica: o escritório, revela estudo da imobiliária Knight Frank.

A era pós-pandemia poderá alimentar uma ampla transformação empresarial, no sentido em que, o escritório será um dispositivo chave para enfrentar o desafio com sucesso. Ainda assim, o relacionamento com o escritório, o seu propósito e a sua forma irão evoluir. Nesse sentido, novos estilos de trabalho surgirão, modelos mais dinâmicos, flexíveis e complexos.

Para a concretização deste estudo da Knight Frank, foram entrevistados 400 líderes empresariais internacionais para entender como estão a adaptar as suas estratégias imobiliárias nos próximos anos.

A Covid-19 forçou as empresas a implementar processos de trabalho remotos durante a noite, sublinhe-se. Ainda assim, como prova da resiliência operacional, a maioria das empresas superou suas próprias expectativas. E, no entanto, isto não representa a morte do escritório:

  1. Consideram a escolha entre o escritório e os ambientes de trabalho remotos como binária.
  2. Pegam adaptações de curto prazo e colocam num ambiente operacional, sem muitas evidências de sua viabilidade a longo prazo.
  3. A adoção de um modelo de trabalho totalmente remoto que ignora a necessidade de espaço de escritório não representa as aspirações comerciais convencionais.

Três modelos emergentes de trabalho

Três modelos emergentes de trabalho têm sido particularmente evidentes.

1. Trabalho híbrido

O trabalho híbrido tem sido o modelo emergente de trabalho mais comum.

O HSBC, por exemplo, disse que está a reduzir o seu espaço de escritório em 40% para economizar custos e aproveitar os benefícios do trabalho de escritório e trabalho remoto. Ao anunciar a mudança da empresa para um modelo híbrido, o presidente-executivo Noel Quinn explicou que as reduções de espaço serão direcionadas aos escritórios “com funções de suporte e atividades da sede”, revela a Knight Frank.

Da mesma forma, o Lloyds seguiu um caminho semelhante, anunciando que reduzirá seu espaço de escritório em 20% até 2023 e adotará o trabalho híbrido. Enquanto isso, a PwC anunciou em 31 de março de 2021 que a equipa poderia trabalhar em casa duas vezes por semana e “começar o mais cedo ou mais tarde quanto (quiserem)”.


2. Trabalhar de qualquer lugar

Algumas empresas, especialmente no setor de tecnologia, foram ainda mais longe, adotando políticas de "trabalhar em qualquer lugar", que dão aos funcionários a liberdade de escolher onde trabalhar e como.

WeWork, por exemplo, criou uma nova associação de coworking, apelidada de ‘WeWork All Access’, que fornece acesso a “hot desks, salas de conferência e escritórios privados em todo o mundo”.

Em termos de adoção de negócios, a Nationwide disse recentemente, aos seus 13 mil funcionários, que poderiam trabalhar de qualquer lugar, após uma extensa pesquisa que destacou a demanda por trabalho remoto, bem como uma mistura de escritório e casa.

Nesse sentido, em declarações à Knight Frank, Joe Garner, Executivo-Chefe da Nationwide explicou que estão a colocar os seus "funcionários no controlo de onde trabalham, convidando-os a localizar para o dia dependendo do que precisam realizar."

No início de 2020, o Spotify fez um anúncio semelhante, citando que os funcionários poderiam trabalhar em casa, no escritório ou uma combinação dos dois. Mantendo-se fiel de efeito "trabalho de qualquer lugar", a gigante da tecnologia também está a fornecer flexibilidade adicional para os países a partir dos quais a equipa pode trabalhar.

Da mesma forma, o grupo de telecomunicações japonês, Nippon Telegraph and Telephone (NTT), assinou recentemente um acordo com o IWG, o maior provedor de escritórios flexíveis do mundo, para permitir que seus 300 mil funcionários usem a rede global de espaços de trabalho do IWG.

3. Hub e spoke

Também foram observadas opções oferecidas por meio de modelos de trabalho propostos "hub and spoke". Os escritórios centrais tradicionais, que são edifícios do tipo HQ que cumprem funções essenciais, como o envolvimento do cliente, são acoplados aos escritórios de raio, que são mais dispersos geograficamente.

Resultado final

Com base nas respostas de quase 400 ocupantes globais, empregando mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo, a Knight Frank concluiu que haverá um padrão: A celebração da forma e função de um escritório mais inteligente, seguro e sustentável.

Leia Também: Novo conceito de escritórios para novas formas de trabalhar

Campo obrigatório