Meteorologia

  • 08 MAIO 2021
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 24º

Edição

Imobiliário Habitação Vendas de casas? Em Portugal aumenta...

Vendas de casas? Em Portugal aumentam, lá fora caem, pela segunda vez

No EUA, as vendas de casas existentes desceram 3,7% em março. Este é o ritmo de vendas mais lento desde agosto e o segundo mês consecutivo de quedas.

Vendas de casas? Em Portugal aumentam, lá fora caem, pela segunda vez

Nos EUA, as vendas de casas existentes caíram 3,7% em março, para uma taxa anual ajustada de 6,01 milhões de unidades, de acordo com a Associação Nacional de Corretores de Imóveis, adianta a CNBC. Ainda assim, as vendas foram 12,3% superiores a março de 2020, quando as transações estavam em queda devido à pandemia covid-19.

Em Portugal, o cenário inverte-se e os preços do imobiliário no segmento residencial continuam a apresentar um crescimento gradual, recorde-se.

Os corretores americanos dizem que os números mensais estão a cair devido à oferta limitada, sendo que as casas estão a ser vendidas em média de apenas 18 dias, sendo que é considerado uma taxa extremamente rápido.

Em declarações à CNBC, Lawrence Yun, economista-chefe dos Corretores de Imóveis, refere que "se a procura estivesse a recuar, então veríamos menos ofertas múltiplas, mas sabemos que várias ofertas são amplamente predominantes no mercado atual". Saliente-se que a oferta de casas para venda caiu 28,2% em face há um ano. Havia apenas 1,07 milhões de casas à venda no final do mês, o que representa uma oferta de 2,1 meses ao ritmo de vendas atual.

A baixa oferta continua a impulsionar os preços cada vez mais altos. O preço médio de uma casa existente vendida em março foi de 329.100 dólares, um aumento de 17,2% face a março de 2020. Este é o preço mais alto de que há registo e o ritmo mais rápido de apreciação, note-se.

Parte desse ganho deve-se ao facto de haver mais casas a vender no extremo mais alto do mercado, o que faz com que a mediana seja mais elevada, notifica a CNBC. Globalmente, no entanto, os preços são significativamente mais elevados.

Essas vendas representam contratos firmados em janeiro e fevereiro, sublinhe-se. As taxas de hipoteca começaram este ano perto de uma baixa recorde, mas depois começaram a subir vertiginosamente em fevereiro e durante a maior parte de março. Com o aumento das taxas, os compradores em potencial perderam poder de compra e alguns provavelmente foram excluídos.

“Embora as residências estejam longe de ser abundantes, a oferta de moradias pode estar a atingir um ponto de inflexão graças a um aumento nas novas listagens no momento em que o mercado imobiliário atinge a melhor época do ano para vender uma casa”, disse Danielle Hale, economista-chefe da Realtor.com, à CNBC.

"Além disso, os construtores estão à procura de uma maneira de construir um número crescente de novas casas, apesar dos desafios", acrescenta.

Em Portugal, a história é outra

Recorde-se que no primeiro trimestre de 2021 o preço médio de venda de imóveis para habitação cresceu 17,4% em Portugal, face ao mesmo período do ano passado, referiu um relatório divulgado dia 7 de abril, notificou a agência Lusa.

Segundo este relatório, apesar da situação de pandemia, os preços do imobiliário no segmento residencial continuaram a apresentar um crescimento gradual, ao mesmo tempo que o número de imóveis disponível para venda aumentou 87,8%.

Leia Também: EUA. Subida de casas acessíveis a famílias com vales de habitação

Campo obrigatório