FIAF preocupada com Cinemateca Brasileira

A Federação Internacional de Arquivos de Cinema (FIAF) manifestou "grande preocupação" com os danos causados pelas chuvas nas coleções da Cinemateca do Brasil, em São Paulo, e com a falta de financiamento à instituição, nos últimos anos.

© iStock

Cultura Cinema 26/02/20 POR Lusa

Sem esquecer outras instituições do património audiovisual que sofreram cortes com o governo brasileiro, a FIAF sublinha que instituições como a Cinemateca do Brasil só conseguem cumprir a função de reunir, proteger e partilhar a herança cinematográfica, que "é incrivelmente rica", se lhes for permitido operar num ambiente estável e favorável.

PUB

"Os profissionais altamente qualificados que trabalham para essas instituições - arquivistas, técnicos, educadores, curadores e administradores - são os verdadeiros guardiões dessa herança única (...) mantêm viva a memória da nação brasileira e de suas diversas comunidades e, como tal, seu trabalho deve ser reconhecido e valorizado", lê-se numa nota da Federação, na sua página na Internet.

"Quaisquer medidas que diminuam o financiamento da Cinemateca ou que a sujeitem a instabilidade política ou administrativa não reconhecem a natureza de longo prazo de seu trabalho", prossegue a mensagem da FIAF, que acrescenta: "Prejudicar a Cinemateca constitui uma ameaça direta sobre o património cultural além de que priva as futuras gerações de brasileiros de se ligarem ao país, ao seu passado cultural e artístico".

Como membro da FIAF desde 1948, a Cinemateca Brasileira faz parte de uma comunidade global de 169 instituições sem fins lucrativos, líderes em 75 países em todo o mundo, todas fortemente dedicadas à preservação e celebração do património mundial do cinema.

"Estamos com firmeza com nossos colegas em São Paulo e instamos o público brasileiro e os funcionários e os decisores do país a garantir que essa instituição, altamente respeitada, possa continuar a operar de forma profissional e imparcial, no seu espírito de missão", conclui a FIAF.

Nos passados dias 9 e 10 de fevereiro, a cidade de S. Paulo, a mais populosa do Brasil, registou o maior volume de chuva para o mês de fevereiro dos últimos 37 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A tempestade que fustigou São Paulo paralisou praticamente os transportes, inundou as principais estradas e colapsou o tráfego de veículos.

As chuvas provocaram também deslizamentos de terras, inundações, quedas de árvores, suspensão do serviço de algumas das linhas de elétrico.

PARTILHE ESTA NOTÍCIA

RECOMENDADOS

País Covid-19 Há 17 Horas

Ventiladores doados chegaram a Lisboa com mensagem especial

Fama Georgina Rodríguez Há 18 Horas

Vídeo: Luxos para quê? Surpresa simples de Georgina deixa bebés em êxtase

Mundo John Alagos Há 21 Horas

Enfermeiro morre depois de apresentar sintomas e continuar a trabalhar

País Covid-19 Há 21 Horas

Covid-19: Portugal com 295 mortos e mais de 11.000 infetados

Fama Júlia Pinheiro Há 23 Horas

Júlia Pinheiro revela nova foto da filha Carolina: "Está tão bonita"

Fama Cláudia Vieira Há 12 Horas

Vídeo. Foi assim a festa de aniversário da filha de Cláudia Vieira

Mundo Vídeo Há 23 Horas

Multidão invade centro social onde se distribuíam cestas solidárias

Fama Carolina Patrocínio Há 15 Horas

Carolina Patrocínio não cumpre quarentena? A reação às duras acusações

Fama Cláudia Vieira Há 19 Horas

Maria faz 10 anos! Como cresceu a bebé de Cláudia Vieira e Pedro Teixeira

Mundo Covid-19 Há 17 Horas

Enfermeira espanhola partilha ideia para diminuir ansiedade nos doentes