Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2017
Tempo
19º
MIN 19º MÁX 19º

Edição

Vozes ao Minuto

Vozes ao Minuto

Vozes com opinião. Todos os dias.

"Queria estar enganado mas estou com muita apreensão em relação ao verão"

Em entrevista ao Notícias ao Minuto, o professor catedrático Domingos Xavier Viegas alerta para a "má preparação das pessoas" para enfrentar situações como a do incêndio de Pedrógão Grande.

"Queria estar enganado mas estou com muita apreensão em relação ao verão"
Notícias ao Minuto

19/06/17 por Pedro Bastos Reis

País Incêndios

O incêndio que deflagrou no passado sábado em Pedrógão Grande causou a morte de 62 pessoas. Outras 62 ficaram feridas e dezenas de pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas.

Ao que tudo indica, o fenómeno das trovoadas secas esteve na origem dos vários focos do incêndio. 

Mas o que são, afinal, as trovoadas secas? Como se irá desenvolver a situação nos próximos tempos? O que pode ser feito ao nível da prevenção?

Domingos Xavier Viegas, professor catedrático na Universidade de Coimbra e especialista em incêndios florestais, esteve à conversa com o Notícias ao Minuto e deu algumas pistas importantes para compreender o que se aconteceu na trágica noite de sábado. 

Realçando que era "difícil prever o incêndio" devido à sua "propagação muito rápida", reconhece que é importante fazer mais ao nível da prevenção, uma vez que "há muito para fazer", nomeadamente "junto das pessoas". 

O que causou a tragédia de Pedrógão Grande e o que ficou por fazer para que tal não acontecesse?

O que causou esta tragédia foi, naturalmente, um incêndio que se propagou de uma forma muito rápida e difícil de prever. Com os recursos atuais certamente que era difícil prever o incêndio. De um modo geral, falta fazer muito no campo de melhorar a comunicação entre as autoridades e a população, no sentido de advertir da possibilidade de ocorrência destas situações.

Na origem do incêndio estão apenas causas naturais?

Os índices que há levam a crer que terão sido [causas] naturais, neste caso uma descarga de trovoada, que terá causado vários focos de incêndio simultâneos e que também estiveram claramente no pressuposto desta propagação muito rápida. Também tínhamos situações de humidade muito baixa, de modo que qualquer foco de incêndio facilmente se propagava. Também a configuração do terreno, naquela região, é particularmente acidental.

O que está na origem das trovoadas secas e quais os cuidados que se exigem perante este fenómeno?

Como o nome indica, são situações em que há instabilidade na atmosfera, com alguma nebulosidade, carregada eletrostaticamente e que provoca descargas. Ao mesmo tempo, como a temperatura do ar é muito alta, qualquer precipitação que esteja associada a elas não chega a atingir o chão, ou seja, evapora-se entretanto. Em consequência disso, as descargas de trovoada que atingem o solo, ao chegarem à vegetação, podem facilmente dar origem a focos de incêndio.

É expectável que este fenómeno volte a acontecer nos próximos dias?

As indicações que tenho dizem que sim. Nos próximos dois ou três dias deverá haver este tipo de trovoadas. Felizmente, o que se está a verificar na zona de Coimbra, e em particular na zona do incêndio, é que a trovoada foi acompanhada de precipitação. Creio que se esta situação for alargada à grande área do incêndio pode, facilmente, inverter o mau rumo que as coisas estavam a tomar no final do dia de ontem e da madrugada de hoje.

Este fenómeno resulta das alterações climáticas?

Não resulta de alterações climáticas, porque já existia antes. As alterações climáticas vêm é potenciá-lo, ou seja, no sentido de tornar mais provável que este tipo de fenómenos ocorra. Com o aquecimento da atmosfera, há alteração da temperatura e da distribuição da precipitação e há, infelizmente, uma probabilidade cada vez maior de fenómenos extremos.

Ao nível da prevenção, o que é importante fazer e o que é que não está a ser feito como deveria?

Quando se fala de prevenção, temos a perceção de que se está a falar de prevenção na floresta. Isso sem dúvida que falta fazer, há muito para fazer e é necessário ser feito. Mas, na minha opinião, há algo mais importante: a prevenção junto das pessoas. É inaceitável termos este tipo de mortes no país, num espaço e num tempo tão reduzidos. Há uma má preparação das pessoas para enfrentar este tipo de situações, quando se pode fazer melhor.

Concretamente, o que se pode fazer?

Trabalhar com as comunidades locais, preparando-as para estarem mais auto defendidas, mais preparadas, mais capazes de resistir a este tipo de situações. Também com soluções tecnológicas, porque tendemos a improvisar e esquecemos que a técnica tem soluções, muitas delas que já existem e outras que são novas. Tem de se ir à procura disso e nós, infelizmente, temos alguma relutância em ir atrás de coisas inovadoras.

A responsabilidade será dos governos, das autarquias, dos municípios?

Existe uma enorme confusão na atribuição de competências e responsabilidades. As coisas passam de uns para outros e não se sabe bem de quem é a responsabilidade e quem é que faz ou não faz.

Como acha que a situação dos incêndios se irá desenvolver este ano, tendo em conta que ainda nem sequer entramos no verão?

Nenhum de nós tem uma bola de cristal, portanto não sabemos o futuro. Mas, baseado em análises que se têm vindo a fazer ao longo dos anos, há algumas semanas que venho a dizer que estou com muita apreensão relativamente a este verão. Teria todo o gosto em estar enganado, mas, infelizmente este começo que tivemos já torna este ano horrível, o que não é aceitável. Isto faz-me lembrar 2003 ou 2005 e já nesses anos se disse que a situação não se poderia voltar a repetir. Mas o que é um facto é que de um modo ou de outro estamos a continuar a ter anos desses.

Campo obrigatório