Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2017
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 20º

Edição

Formação de estrelas em ventos galácticos observada perto de buraco negro

Astrónomos observaram, pela primeira vez, a formação de estrelas em 'ventos' de matéria perto de um buraco negro 'supermassivo' no centro de uma galáxia, descoberta que poderá alterar a compreensão da evolução das galáxias, foi hoje anunciado.

Formação de estrelas em ventos galácticos observada perto de buraco negro
Notícias ao Minuto

17:45 - 27/03/17 por Lusa

Tech Telescópio VLT

As observações, cujos resultados são publicados hoje na revista científica Nature, foram feitas com o telescópio VLT (Very Large Telescope, Telescópio Muito Grande), no Chile, operado pelo Observatório Europeu do Sul (OES), organização astronómica da qual Portugal faz parte.

Em comunicado, o OES assinala que a descoberta poderá ter "muitas consequências" para a compreensão da evolução e das propriedades das galáxias.

"Se a formação de estrelas está a ocorrer realmente, em grande parte, em ventos galácticos, como defendem algumas teorias, tal poderá representar um novo cenário para a compreensão da evolução das galáxias", afirmou o líder da equipa de astrónomos europeus, Roberto Maiolino, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, citado no comunicado do OES.

A equipa, que não integra nenhum português, observou ventos colossais de matéria gerados perto de um buraco negro 'supermassivo' no centro de uma de duas galáxias em colisão, conhecidas como IRAS F23128-5919, a cerca de 600 milhões de anos-luz da Terra.

Os astrónomos dizem ter detetado o primeiro indício claro de que estrelas estão a nascer nesses ventos de matéria, a uma cadência muito rápida: estrelas com 30 massas solares estarão a ser geradas por ano, o equivalente a mais de um quarto da formação estelar total do sistema binário galáctico em colisão.

Os ventos galácticos são desencadeados pela enorme energia produzida nos centros ativos e turbulentos de galáxias.

Os buracos negros (zonas de onde nada consegue escapar, nem mesmo a luz) 'supermassivos' estão no centro da maior parte das galáxias e, quando 'engolem' a matéria, aquecem o gás circundante e 'expulsam-no' da galáxia 'hospedeira' através de ventos fortes e densos.

Análises preliminares revelaram que as estrelas recém-formadas nos ventos galácticos da IRAS F23128-5919 terão pouco menos de dezenas de milhões de anos e serão mais quentes e brilhantes do que as estrelas nascidas em ambientes menos extremos, como os de um disco galáctico.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório