Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 25º

Mais de 80% dos portugueses vê vídeos online de notícias

Mais de 80% dos portugueses vê vídeos online de notícias e um terço consome este formato quatro a seis dias por semana, de acordo com o relatório Reuters Digital News Report 2024, hoje divulgado.

Mais de 80% dos portugueses vê vídeos online de notícias
Notícias ao Minuto

09:01 - 17/06/24 por Lusa

Tech Informação

O Reuters Digital News Report 2024 (Reuters DNR 2024) é o 13.º relatório anual do Reuters Institute for the Study of Journalism (RISJ) e o 10.º a contar com informação sobre Portugal. Em 2024 participaram 47 mercados de notícias, Portugal incluído.

Enquanto parceiro estratégico, o OberCom - Observatório da Comunicação colaborou com o RISJ na conceção do questionário para Portugal, bem como na análise e interpretação final dos dados.

"Um terço dos portugueses (33%) consome vídeos curtos sobre notícias pelo menos quatro a seis dias por semana", sendo que este tipo de vídeos "é preferido, em relação aos mais longos e ao 'stream' em direto, por todas as demografias, embora o formato de vídeo noticioso online, em geral, seja mais consumido pelos mais jovens", refere o estudo.

Neste sentido, "88% dos mais jovens consomem vídeos curtos online, 83% vídeos mais longos e 78% 'streams' em direto", adianta.

No geral, "81% dos portugueses visualizam vídeos curtos (alguns minutos ou menos), 72% vídeos longos e 70% streams em direto, na forma de debate ou notícias de última hora".

Os vídeos online preferidos respeitam a temáticas "mais densas como política, internacional ou economia (88%), enquanto as notícias mais focadas no lazer, celebridades ou humor são mencionadas por apenas 45% dos respondentes".

Sobre as plataformas de acesso a vídeos noticiosos online, "os 'websites' das marcas são, a par da rede social Facebook, a principal forma de acesso a notícias em vídeo, sendo estas duas fontes usadas pela mesma proporção de inquiridos, 27%".

A plataforma Youtube "é a fonte mais utilizada por 17%, o Instagram por 13% e o TikTok por 5%. No entanto, as tendências diferem por idade".

De acordo com o estudo, o uso do Youtube para ver vídeos de notícias é "mais transversal a nível etário, já o Facebook e os 'sites' das marcas de notícias são preferidas pelos mais velhos, enquanto o Instagram e o TikTok, apesar de menos usadas, têm uma penetração muito significativa abaixo dos 35, nomeadamente dos 18-24".

Por sua vez, o consumo de 'podcasts' aumentou em todas as faixas etárias.

"Tal como em anos anteriores, a escuta de podcasts continua a aumentar, em Portugal, com a particularidade de este interesse ser transversal a todas as faixas etárias".

Entre os países europeus que constam do Digital News Report 2024, "Portugal é um dos cinco países, a par da Noruega, onde mais inquiridos dizem ter escutado algum podcast no mês anterior - 42% - sendo ultrapassado apenas por Espanha, Irlanda e Suécia (44%, 43% e 43% respetivamente)".

Os dados "são bastante positivos também no que respeita à escuta de podcasts sobre notícias, política ou temas internacionais, com 15% dos inquiridos a escutar algum podcast deste género, no mês anterior", salienta.

O inquérito foi realizado em 47 mercados: Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Espanha, Portugal, Irlanda, Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Bélgica, Países Baixos, Suíça, Áustria, Hungria, Eslováquia, República Checa, Polónia, Croácia, Roménia, Bulgária, Grécia, Turquia, Coreia do Sul, Japão, Hong Kong, Índia, Indonésia, Malásia, Filipinas, Taiwan, Tailândia, Singapura, Austrália, Canadá, Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, Peru, México, Marrocos, Nigéria, Quénia e África do Sul.

O trabalho de campo foi realizado no final de janeiro/início de fevereiro.

Leia Também: Finlândia continua a ser país com mais confiança nas notícias

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório