Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 15º MÁX 22º

IA traz "muitas oportunidades" mas risco de "democratizar desinformação"

O presidente executivo (CEO) da agência de notícias francesa AFP afirma, em entrevista à Lusa, que a inteligência artificial (IA) traz muitas oportunidades, mas também o risco de "democratizar a desinformação".

IA traz "muitas oportunidades" mas risco de "democratizar desinformação"
Notícias ao Minuto

08:12 - 26/05/24 por Lusa

Tech IA

Fabrice Fries esteve em Lisboa na conferência de primavera da Aliança Europeia das Agências de Notícias (EANA, na sigla inglesa), à qual o CEO da Agence France-Presse (AFP) também preside, que decorreu no final da semana.

Questionado sobre qual o papel da IA para as agências noticiosas, o presidente executivo diz que a tecnologia é vista, "principalmente, como uma ferramenta de produtividade".

Ou seja, "que aumenta a produtividade do nosso jornalismo", salienta o gestor.

"Na AFP não produzimos conteúdos com IA. Acho que é o mesmo com a maioria dos membros da EANA", mas "isso pode mudar", adverte, destacando que a alucinação do 'Large Language Models' (LLM) [grandes modelos de linguagem] faz com que a informação não seja confiável.

A alucinação do LLM acontece quando a informação dada pelo sistema de IA, embora pareça coerente, apresenta dados incorretos, errados ou tendenciosos.

Contudo, "são muitas as oportunidades que a IA abre, podemos gerar novas receitas, encontrar novos clientes", mas também é "uma preocupação nomeadamente para os clientes de media se eles forem desintermediados pela IA", especialmente se o motor de busca se tornar um mecanismo de resposta e deixar de direcionar o tráfego.

Em suma, diz, "é ao mesmo tempo uma ferramenta que pode ajudar os "fact-checkers' a verificar de uma forma melhor, mas também - e temo que a preocupação seja maior do que a oportunidade que existe - pode democratizar a desinformação porque qualquer pessoa agora com uma ferramenta de IA pode produzir 'deep fakes'".

'Deep fakes' são vídeos manipulados com recurso a inteligência artificial, sendo um dos grandes motivos de preocupações por parte de governos, organismos internacionais e cidadãos.

Atualmente, "vemos no mercado muitas 'deep fakes' e a maior preocupação, para mim, é esta desconfiança geral em relação ao jornalismo", porque as pessoas deixam de saber em quem podem confiar.

"E essa é a maior preocupação que tenho", lamenta.

Isto porque antes do advento da inteligência artificial já existia falta de confiança, agora acresce a "preocupação com as ferramentas de IA e o que elas podem produzir" e o seu impacto, refere.

Questionado sobre qual é o papel das agências noticiosas neste processo, Fabrice Fries explica que "as agências de notícias têm a missão de expor os factos de forma imparcial".

Portanto, "é uma missão muito moderna e útil (...) e difícil" e "nem sempre conseguimos", prossegue.

Mas, "somos extremamente úteis precisamente porque hoje a desinformação é massiva, porque há uma polarização do debate em cada país" e "estamos aqui para produzir jornalismo honesto, informação factual", adianta o CEO da AFP.

"Se nos mantivermos nesta missão e apresentarmos resultados corretamente, penso mais uma vez que continuaremos a ser muito úteis para a sociedade e para a democracia, no seu conjunto", remata.

Leia Também: Lançamento pela Boeing de 1.º astronauta para espaço previsto para junho

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório