Meteorologia

  • 27 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 22º

Identificado buraco negro estelar com mais massa da Via Láctea

Uma equipa internacional de cientistas, incluindo investigadores de Portugal, identificou o buraco negro estelar da Via Láctea com mais massa, 33 vezes superior à do Sol, anunciou hoje o Observatório Europeu do Sul (OES).

Identificado buraco negro estelar com mais massa da Via Láctea
Notícias ao Minuto

08:06 - 16/04/24 por Lusa

Tech Espaço

O buraco negro - corpo de cuja gravidade nada escapa, nem mesmo a luz - foi detetado em dados da missão Gaia da Agência Espacial Europeia (ESA) através de um movimento de 'oscilação' estranho que impõe à estrela que o orbita, refere o OES em comunicado, acrescentando que a massa do buraco negro BH3 foi calculada com base em informação registada pelo telescópio VLT do OES, no Chile, e outros telescópios em terra.

André Moitinho e Márcia Barros, investigadores e professores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (UL), assinam o trabalho, publicado na revista da especialidade Astronomy & Astrophysics.

À Lusa, André Moitinho, investigador do Centra - Centro de Astrofísica e Gravitação da UL, disse que "é de longe o maior buraco negro estelar encontrado na Via Láctea", com o "tipo de massa envolvida na produção de ondas gravitacionais que começaram a ser recentemente detetadas em outras galáxias".

Os buracos negros estelares formam-se a partir da explosão de uma grande estrela, por ação do seu próprio peso, e os da Via Láctea têm, em média, menos massa que o BH3 - têm cerca de 10 vezes a massa do Sol.

O BH3 está a 2.000 anos-luz da Terra, na constelação da Águia, sendo "o segundo buraco negro mais próximo" do 'planeta azul', assinala o OES, organização astronómica da qual Portugal faz parte.

Os dados recolhidos pelo telescópio VLT revelam que a companheira da estrela que orbita o buraco negro é pobre em metais, o que sugere, de acordo com os autores do trabalho, que "a estrela que colapsou para formar o BH3 seria também pobre em metais, tal como previsto pela teoria".

Segundo o astrofísico André Moitinho, "do ponto de vista teórico, só estrelas muito velhas, formadas quando o Universo ainda tinha produzido muito pouco dos elementos químicos" que hoje se conhecem, "podem dar origem a buracos negros com massas tão grandes".

A missão Gaia, da ESA, foi lançada em 2013 e tem no espaço uma sonda para mapear a Via Láctea, galáxia onde se situa o Sistema Solar, de que faz parte a Terra.

A descoberta do buraco negro BH3, inferida pelo movimento que impõe à estrela que o orbita, foi feita durante operações de rotina de processamento de dados.

"A partir de agora, a missão Gaia, além de estar a criar um mapa 3D da nossa galáxia, de cortar a respiração, passa também a ser uma máquina de descobrir buracos negros", realçou André Moitinho.

[Notícia atualizada às 18h29]

Leia Também: Nova imagem revela detalhes sobre buraco negro da nossa galáxia

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório