Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Iniciadas manobras de reentrada na Terra de satélite desativado Aeolus

A Agência Espacial Europeia (ESA) iniciou hoje as manobras para a reentrada na Terra do satélite Aeolus, que estudou os ventos do planeta com tecnologia portuguesa, mas que tem "morte" anunciada para sexta-feira quando destroços caírem no Atlântico.

Iniciadas manobras de reentrada na Terra de satélite desativado Aeolus
Notícias ao Minuto

20:32 - 24/07/23 por Lusa

Tech ESA

O satélite, lançado em 2018 para a órbita terrestre, esteve em missão durante cinco anos, mais dois do que o prazo inicialmente previsto, com o intuito de ajudar os especialistas a melhorarem os modelos climáticos e as previsões meteorológicas.

É a primeira vez que a ESA executa a reentrada assistida de um satélite em fim de vida.

O que resta de combustível do Aeolus, que tem componentes fabricados por empresas portuguesas, está a ser usado para direcioná-lo para a reentrada na atmosfera terrestre.

Quando o Aeolus se encontrar a 80 quilómetros da superfície da Terra, grande parte do satélite se incendiará, embora alguns fragmentos possam chegar ao planeta.

A ESA, da qual Portugal é Estado-membro, assegura que o risco de um pedaço de lixo espacial atingir uma pessoa é quase três vezes menor do que o risco da queda de um meteorito.

A reentrada do Aeolus (ou o que restará dele) na Terra deverá ser finalizada na sexta-feira depois de uma equipa do centro de operações espaciais da ESA, na Alemanha, guiar o engenho para uma zona do oceano Atlântico o mais longe possível de terra firme.

O satélite tem o nome do guardião dos ventos na mitologia grega (Aeolus em inglês, Éolo em português).

Leia Também: Satélites da SpaceX estão a interferir com pesquisas científicas

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório