Meteorologia

  • 23 MAIO 2022
Tempo
21º
MIN 15º MÁX 22º

EUA apelam a que redes sociais guardem provas de crimes de guerra

A carta dos legisladores democratas apela a que os gigantes das redes sociais "sinalizem e arquivem conteúdos com potenciais crimes de guerra".

EUA apelam a que redes sociais guardem provas de crimes de guerra
Notícias ao Minuto

23:01 - 12/05/22 por Notícias ao Minuto

Tech Ucrânia/Rússia

Quatro legisladores norte-americanos terão enviado uma carta aos CEOs do YouTube, TikTok, Twitter e Meta, dona do Facebook, apelando para que "preservem e arquivem" potenciais provas de crimes de guerra cometidos pelas forças russas na Ucrânia, avança a NBC News.

A carta, à qual o canal norte-americano teve acesso, terá sido assinada pelos representantes democratas Carolyn Maloney, Gregory Meeks, Stephen Lynch e William Keating, que pedem para que os gigantes das redes sociais "sinalizem e arquivem conteúdos com potenciais crimes de guerra".

O objetivo é, segundo os responsáveis, ajudar "o governo dos Estados Unidos e os organismos de monitorização dos direitos humanos a nível internacional a investigar os crimes de guerra russos, os crimes contra a humanidade, e outras atrocidades cometidas na Ucrânia".

“As plataformas de redes sociais eliminam frequentemente conteúdos gráficos que glorificam violência ou sofrimento humano, ou que possam levar a mais violência, e têm o direito de implementar medidas para proteger os seus utilizadores”, lê-se no documento, citado pela BBC.

No entanto, eliminar este tipo de publicações poderá “levar à remoção intencional e permanente de conteúdos que podem ser usados como provas de potenciais violações de direitos humanos, como é o caso de crimes de guerra, crimes contra a humanidade, e genocídio”, complementa a nota, justificando ainda que, caso a veracidade dos conteúdos seja confirmada, estes poderão “ajudar a substanciar as alegações de crimes de guerra e de outras atrocidades cometidas pelas forças russas na Ucrânia contra o povo ucraniano”, remata.

O pedido surge numa altura em que os crimes de guerra russos se acumulam nas redes sociais, tendo a Ucrânia anunciado, na quarta-feira, que o comandante de uma unidade militar russa, que está sob custódia, será o primeiro a ser julgado por um crime de guerra durante a invasão por parte da Rússia.

Lançada a 24 de fevereiro, a ofensiva militar na Ucrânia já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

O conflito que, segundo Moscovo, tem como objetivo a "desnazificação" da Ucrânia, já causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da entidade.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Jovem viu pai morrer em Bucha e conta: "Fui atingido por soldado russo"

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório