Meteorologia

  • 14 MAIO 2021
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Amazon despediu duas trabalhadoras que pediram mais proteção contra vírus

Agência federal dos direitos dos trabalhadores afirma que Emily Cunningham e Maren Costa foram despedidas por criticarem a empresa publicamente.

Amazon despediu duas trabalhadoras que pediram mais proteção contra vírus

A Amazon despediu ilegalmente duas funcionárias que apelaram a melhores condições de trabalho durante a pandemia, revelou esta segunda-feira a National Labor Relations Board (NLRB), uma agência federal independente que defende os direitos dos trabalhadores, citada pelo Guardian.

Emily Cunningham e Maren Costa, duas 'designers' informáticas e ativistas climáticas, viram os seus contratos terminados, no ano passado, depois de terem denunciado publicamente as políticas ambientais e de trabalho da gigante tecnológica.

As duas antigas trabalhadoras acusaram a empresa de comércio online de descriminação na aplicação de regras e de políticas que "assustam e coíbem" os empregados de exercer os seus direitos, de acordo com um processo interposto pelos mesmos em outubro.

A NLRB confirmou que vai apresentar queixa contra a Amazon por desrespeito do Direito do Trabalho, se o conglomerado não regularizar a situação com Maren Costa e Emily Cunningham, de acordo com o New York Times.

Estas duas líderes do coletivo Empregados da Amazon pela Justiça Climática (AECJ, na sigla em Inglês) foram despedidas há um ano, oficialmente por "infrações repetidas do regulamento interno".

Em reação, um porta-voz da Amazon disse: "Apoiamos o direito de todos os nossos empregados a criticar a condições de trabalho do seu empregador, mas isso não significa uma imunidade completa contra os nossos regulamentos internos, que são legais".

Esta notícia surge numa altura em que a empresa norte-americana se encontra sob elevado escrutínio, tendo admitido, na semana passada, que os seus trabalhadores têm de urinar em garrafas de água durante os turnos, uma acusação de um congressista norte-americano que a retalhista começou por negar.

Amazon duplicou lucros e críticas

Segundo principal empregador nos EUA, com mais de 800 mil trabalhadores, a Amazon é criticada frequentemente pelo seu comportamento em termos de responsabilidade social e ambiental por associações e vários empregados.

O mal-estar foi ampliado pela pandemia. O conglomerado fundado pelo homem mais rico do mundo quase que duplicou o seu lucro em 2020, para 21 mil milhões de dólares (18 mil milhões de euros), graças à explosão da procura em contexto de pandemia, mas os trabalhadores queixam-se de cadências infernais e riscos para a saúde.

Entretanto, um processo para a criação de um sindicato em um centro logístico no Estado do Alabama está a avançar, no que será uma novidade na Amazon nos EUA, se tiver sucesso.

Leia Também: Amazon reconhece que há trabalhadores forçados a urinar em garrafas

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório