Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2020
Tempo
20º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Cofundador da Netflix dá 120 milhões a universidades de tradição negra

O cofundador da plataforma de 'streaming' Netflix, Reed Hastings, e a mulher, Patty Quillin, vão apoiar, com 120 milhões de dólares (cerca de 106 milhões de euros), universidades tradicionalmente negras, anunciaram na quarta-feira.

Cofundador da Netflix dá 120 milhões a universidades de tradição negra
Notícias ao Minuto

06:16 - 18/06/20 por Lusa

Tech Netflix

"Ambos tivemos o privilégio de ter tido uma boa educação e queremos ajudar mais estudantes, especialmente estudantes de cor, a ter o mesmo excelente início de vida", disse o casal em comunicado.

"Esperamos que este donativo de 120 milhões de dólares ajude mais estudantes negros a seguir os seus sonhos e também encoraje mais pessoas a apoiar estas instituições, ajudando a inverter gerações de desigualdade no nosso país", acrescentou.

O anúncio surgiu numa altura em que centenas de milhares de manifestantes protestam contra a violência policial e o racismo sistémico nos Estados Unidos.

O montante vai ser dividido em partes iguais entre duas universidades em Atlanta, Spelman e Morehouse College, e o United Negro College Fund, uma organização filantrópica norte-americana que financia bolsas de estudo para estudantes negros.

O donativo vai permitir atribuir bolsas de estudo de quatro anos a dezenas de novos estudantes, durante os próximos dez anos.

Na nota, o casal defendeu que as universidades em causa "têm resultados espetaculares e, no entanto, estão em desvantagem em termos de donativos financeiros".

"O capital branco é geralmente atribuído predominantemente a instituições brancas", acrescentaram, sublinhando que esta tendência perpetua as desigualdades.

Desde o início dos protestos pela morte de George Floyd às mãos da polícia de Minneapolis, várias empresas tomaram publicamente medidas de apoio ao movimento "Black Lives Matter".

A Apple lançou recentemente uma iniciativa de 100 milhões de dólares (88,9 milhões de euros) para combater o racismo sistémico, enquanto a Google vai disponibilizar 275 milhões de dólares (244 milhões de euros) para apoiar artistas negros no YouTube, ajudar a financiar pequenas empresas afro-americanas e outros projetos de apoio à comunidade.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos, numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de pilhagens e de vandalismo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório