Meteorologia

  • 01 JUNHO 2020
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Covid-19. Comércio online aumenta em material informático, gaming e sofás

O comércio online tem registado um aumento devido à pandemia covid-19, adaptando-se as entregas e a distribuição, que podem demorar mais, e registando-se um crescimento nas vendas de material informático, 'gaming' e até mesmo sofás.

Covid-19. Comércio online aumenta em material informático, gaming e sofás

Numa resposta à Lusa, fonte oficial dos CTT explicou que, neste momento, estão a verificar-se comportamento distintos nos diversos setores, havendo um "forte crescimento nos produtos essenciais - higiene, saúde e alimentação - e em consumíveis, material informático e livros, muito alavancado pela oferta de e-commerce já existente".

"Por outro lado, verifica-se uma redução no retalho, devido ao encerramento das lojas, e no setor automóvel, pela diminuição da procura", refere a mesma fonte.

De acordo com a fonte, os CTT estão a "acompanhar a situação e a adaptar a distribuição e os recursos em permanência, conforme as necessidades, conscientes do papel decisivo que desempenham para manter a economia em funcionamento".

Para já, a empresa refere ter capacidade para responder ao volume de tráfego atual "e, caso se venha a verificar um aumento desse mesmo tráfego, os CTT ajustarão a sua capacidade operacional em conformidade".

"Estão a ser cumpridos os níveis de serviço ao cliente e estamos em permanente avaliação da nossa rede, no que diz respeito à 'última milha', uma vez que existem alterações nos pontos de recolha, devido ao encerramento de algumas (poucas) lojas CTT e lojas da rede de parceiros e pontos de recolha", pode ler-se na resposta.

Também questionada pela Lusa, a diretora de e-commerce da Fnac Portugal, Paula Alves, disse que o volume de encomendas "aumentou significativamente, comparativamente com o habitual funcionamento deste serviço (antes do fecho de loja)".

Em termos de produtos, os clientes procuram "mais por 'hardware', 'gaming' e livros" porque, por um lado, querem equipar-se da melhor forma para o teletrabalho e para os trabalhos escolares dos filhos, e, por outro, procuram artigos que possam ajudar a aproveitar os tempos livres, atendendo a que as saídas de casa estão limitadas".

Paula Alves relembrou a experiência da loja online já com 20 anos de atividade, acrescentando que irá manter-se "enquanto for possível funcionar e servir os clientes em segurança", sem esquecer os colaboradores que estão ao serviço, mantendo o número habitual, apesar de uma parte ter requerido "assistência à família devido ao encerramento das escolas".

"Acima de tudo, a nossa preocupação é a de garantir a segurança e a saúde de todos os nossos colaboradores e clientes, tendo sido essa a principal razão que nos levou a decidir pelo encerramento das nossas lojas", refere.

Em termos de distribuição, a única informação que a cadeia adiantou foi o facto de algumas encomendas poderem estar a ter "um atraso de mais um dia útil do que o normal".

Também a cadeia sueca Ikea sofreu uma reestruturação desde o encerramento temporário das lojas físicas, o que levou a "um natural aumento da procura" das encomendas online.

"As pessoas estão em casa e preocupam-se mais com a funcionalidade e conforto das diferentes áreas", sendo que os sofás são "um dos artigos que os portugueses mais procuram, uma vez que a sala tem sido um dos locais onde os portugueses têm passado mais tempo durante esta quarentena", disse fonte da empresa.

Segundo a mesma fonte, a Ikea está a "reorganizar o fluxo de trabalho de forma a potenciar ainda mais o funcionamento da loja online", adiantando que "as operações internas foram reforçadas, assim como a dos parceiros".

Tendo em conta a nova estratégia de serviços, a empresa referiu ter "uma rede cada vez mais alargada e diversificada de parceiros que ajudam a dar maior flexibilidade aos serviços e aumentar a capacidade".

A nível de entregas, a cadeia sueca explicou estar a conseguir assegurar, o tempo médio de dois dias, nas zonas do Porto e de Lisboa, podendo o cliente optar pelo método de recolha da encomenda em loja, um serviço que se tornou "temporariamente gratuito e encontrando-se com um prazo de cerca de três horas".

Com o objetivo de proporcionar a máxima segurança possível aos clientes, colaboradores e parceiros, o serviço de entregas em casa da empresa foi readaptado, com as encomendas "a ser entregues apenas à porta e os serviços de instalação e montagem suspensos temporariamente".

Além dos métodos de recolha em loja e entrega em casa, a Ikea também dispõe de 10 Pontos de Recolha, localizados em Aveiro, Beja, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Madeira, Palmela, Vila Real e Viseu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral de Saúde.

Dos infetados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório