Meteorologia

  • 16 JUNHO 2019
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Panasonic: Operações com Huawei que não violam restrições mantêm-se

A multinacional eletrónica japonesa Panasonic afirmou hoje que as operações de negócio com a chinesa Huawei que não violam as restrições colocadas pelos Estados Unidos mantêm-se, de acordo com a BBC e o Financial Times.

Panasonic: Operações com Huawei que não violam restrições mantêm-se

Anteriormente, tinha sido avançado que a Panasonic iria cortar o fornecimento de componentes à fabricante de telecomunicações chinesa Huawei, na sequência da 'guerra' dos Estados Unidos contra a empresa, no âmbito do arranque do 5G (quinta geração móvel), com Washington a acusá-la de espionagem.

De acordo com o Financial Times (FT), a Panasonic deverá suspender o fornecimento de "alguns componentes" para a Huawei que estejam debaixo da alçada da restrições colocadas pelos Estados Unidos, no mais recente 'ataque' de Washington à fabricante de telemóveis.

Depois de uma informação anterior, que agitou o mercado, a Panasonic veio agora dizer que as suas operações de negócio com Huawei que não violam a interdição norte-americana "mantêm-se".

Na semana passada, os Estados Unidos colocaram a Huawei na 'lista negra' das entidades com quem as empresas norte-americanas não podem ter relação comercial, a não ser que tenham licença.

"A Panasonic anunciou numa comunicação interna de que iria suspender as transações com a Huawei e suas 68 afiliadas que foram banidas pelo Governo norte-americano", adiantou a empresa nipónica, num comunicado enviado à BBC.

Mas, posteriormente, a multinacional tecnológica japonesa adiantou que as operações comerciais continuam normalmente, desde que não violem as medidas de Washington, sendo que a "Panasonic vai continuar a obedecer estritamente às leis e regulações dos países e regiões" onde tem negócios, de acordo com a BBC.

Entretanto, o grupo também japonês Toshiba decidiu interromper o envio de componentes eletrónicos para a Huawei, de forma a cumprir as disposições de Washington, no âmbito da 'guerra fria' tecnológica entre os Estados Unidos e China.

Na quarta-feira, o operador de telecomunicações britânico Vodafone disse que iria suspender temporariamente a compra de telemóveis 5G da Huawei.

"Suspendemos as compras de Huawei Mate 20X no Reino Unido", disse, na altura, à France Presse um porta-voz do grupo Vodafone, que afirmou que se trata de "uma medida temporária enquanto há tantas incertezas em torno dos novos modelos 5G da Huawei".

A detenção da diretora financeira da Huawei no início de dezembro, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, colocou a tecnologia 5G no centro da agenda global, com Washington a pressionar a Europa a 'banir' a operadora chinesa.

Wanzhou Meng, de 46 anos, é filha do fundador da Huawei e foi detida depois de os Estados Unidos terem pedido a sua extradição por alegadamente ter violado as sanções impostas pelas autoridades norte-americanas contra o Irão.

Da violação das sanções às questões de segurança, passando por espionagem, foi um salto, abrindo um braço-de-ferro entre os Estados Unidos e a China.

As preocupações escalaram e a Comissão Europeia manifestou preocupações no que respeita à segurança das redes fornecidas, esperando-se que no final de junho seja conhecido um conjunto de recomendações neste âmbito, após o envio, por parte de cada Estado-membro, das suas contribuições.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório