Meteorologia

  • 23 AGOSTO 2019
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 25º

Edição

China: Regulador promete maior controlo político na Internet

O novo responsável pelo regulador chinês da Internet prometeu consolidar o controlo do Partido Comunista sobre a população de internautas chineses, a maior do mundo, e promover online as teorias do Presidente da China, Xi Jinping.

China: Regulador promete maior controlo político na Internet
Notícias ao Minuto

09:11 - 20/09/18 por Lusa

Tech Censura

Na Qiushi, revista bimensal do PCC sobre teoria política, Zhuang Rongwen reafirma a liderança do partido na governação do ciberespaço e compromete-se a promover online o pensamento de Xi, o mais poderoso líder chinês das últimas décadas.

Zhuang dirige, desde o mês passado, a Administração do Ciberespaço da China, organismo que controla o conteúdo disponível para os mais de 800 milhões de internautas chineses e exerce vigilância sobre as empresas do setor.

O artigo foi difundido após um encontro entre a liderança chinesa para discutir trabalho ideológico e propaganda, e que se realiza a cada cinco anos.

Sob a direção de Xi Jinping, as autoridades chinesas reforçaram já o controlo sobre a rede, silenciado até vozes moderadamente críticas, num espaço outrora considerado como o mais livre do país.

No referido artigo, Zhuang promete promover "energia positiva" e reprimir "tendências ideológicas negativas", que incluem "distorcer" as versões históricas do partido, Estado ou exército, ou "negar" a liderança do PCC e o sistema socialista.

Zhuang afirma que as empresas do setor serão "estritamente" responsáveis pela gestão de conteúdo e prometeu acelerar o estabelecimento de uma plataforma nacional que abarque todas as firmas do setor e uma plataforma de gestão de emergência da opinião publica no ciberespaço.

"A Internet tornou-se no principal campo de batalha e linha da frente para os trabalhos de propaganda e da opinião pública", afirma Zhuang.

"Para assumir o controlo do trabalho ideológico, não precisamos apenas da força motriz dos membros do partido e dos editores e jornalistas, mas também devemos utilizar as massas e os internautas", acrescenta.

Zhang apela aos internautas que "mobilizem energia positiva" e se "eduquem" uns aos outros sobre a regulação do comportamento 'online', visando "limpar o ambiente do ciberespaço".

O artigo refere várias ideias de Xi Jinping, incluindo a "criação de uma Internet limpa e justa" e a noção de "soberania do ciberespaço", que define a Internet como essencial para a estabilidade política e segurança nacional.

Num discurso proferido em 2013, Xi acusou "as forças ocidentais anti China" de usar a Internet para atacar o país.

"Ganhar a luta no campo de batalha da Internet é crucial para a segurança da ideologia e do regime do nosso país", afirmou.

Facebook, Twitter ou WhatsApp estão bloqueados na China, mas o país tem as suas próprias redes sociais - o Wechat ou o Weibo -, que contam com centenas de milhões de utilizadores.

As autoridades aumentaram também a censura sobre conteúdo que consideram "vulgar", ou que contrarie os valores socialistas. Desde o ano passado, os reguladores têm vindo a punir internautas por comentários 'online', distribuidores e plataformas.

Só no segundo trimestre deste ano, a Administração do Ciberespaço da China encerrou 1.888 portais eletrónicos e 720.000 contas nas redes sociais chinesas por conteúdo "ilegal".

No início deste mês, um projeto de regulamento emitido pelo regulador propôs banir da Internet chinesa todos os estrangeiros que promovam a religião no país e proibir a transmissão 'online' de atividades religiosas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório