Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

"Putin é o maior estímulo" para a Ucrânia ganhar esta guerra

O analista ucraniano Serhiy Harmash considera que a política de Vladimir Putin, é "o maior estímulo" para os ucranianos combaterem a invasão russa, salientando que o país está hoje mais bem preparado para resistir do que há oito anos.

"Putin é o maior estímulo" para a Ucrânia ganhar esta guerra
Notícias ao Minuto

07:32 - 03/04/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Ucrânia

"Se Putin começasse uma guerra global em 2014 nós teríamos perdido", afirmou à Lusa o analista e diretor do site Ostro V, recordando o momento em que a Rússia ocupou a península da Crimeia (no sul) e independentistas com apoio militar de Moscovo e as províncias de Donetsk e Lugansk (que compõem a região de Donbass, no leste).

Desde então, "os oitos anos de guerra deram-nos experiência e nós melhorámos" afirmou Serhiy Harmash, que também integrou a equipa diplomática dos acordos de paz de 2014 (Minsk) e agora serve nas brigadas de defesa territorial ucranianas, civis que funcionam como tropas de reserva e asseguram o controlo e segurança atrás das linhas de combate.

Mas, com esta pausa, "Putin preparou-nos para esta guerra e preparou as nossas pessoas, civis ou militares", disse.

"Putin é o maior estímulo para ganharmos esta guerra", considerou o analista, explicando que a ação belicista de Moscovo diminuiu as questões entre as populações russófonas e ucranianas e entre as várias regiões do país.

"Hoje não há tanta diversidade na opinião das pessoas entre leste e oeste, russófonos ou não. Putin uniu-nos a todos", considerando que os ucranianos sentiram o ataque em 2014 como uma traição.

"Depois de 2014 e depois de a Rússia ter ocupado a Crimeia e Donbass, percebemos que já não somos países irmãos", constatou.

Nessa ocasião, foi feita uma sondagem que apontava para uma forte divisão em Donetsk para os apoiantes da Rússia e os defensores da Ucrânia, com 20% para cada lado, mas a esmagadora maioria "só queria viver em paz".

Hoje, Serhiy Harmash acha que há uma maior coesão contra os russos, recordando que muitos ucranianos têm familiares nos territórios ocupados e na Rússia. "Começámos a perceber o que é o mundo russo, mais pobre e menos livre. E nós não queremos viver aqui como se vive lá".

Em 2014, "não penso que a Rússia tenha querido verdadeiramente um acordo" de paz [que conduziu a um cessar-fogo formal entre as partes, mas nunca respeitado no terreno], só queria que "aceitássemos a sua versão dos acontecimentos e um facto consumado", recorda o também membro da equipa de negociadores dos Acordos de Minsk.

"É preciso recordar que a Rússia se apresentou como uma terceira parte" e "deu sempre apoio às posições" dos independentistas do Donbass e "nunca aceitou qualquer reivindicação da Ucrânia". Os russos "quiserem "impor ao governo ucraniano que aceitasse a ocupação dos territórios".

O analista insiste que "ninguém assumiu qualquer compromisso" e que "Minsk não foi mais do que um instrumento para criar divisão e tentar destruir a Ucrânia".

Apesar disso, a comitiva ucraniana assinou os acordos em Minsk porque "não tinha outra hipótese". Os russos "estavam a cercar as nossas tropas e eles teriam tomado ainda mais território da Ucrânia" e, assim, "ganhou-se tempo".

Na guerra de 2014, "parte das forças militares desertaram para o lado russo" e outras renderam-se, mas "porque o governo ucraniano não lhes disse para resistir", recorda.

Leia Também: Ucrânia: Três fortes explosões registadas em Odessa

Campo obrigatório