Meteorologia

  • 16 JULHO 2018
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 20º

Edição

Rio considera "equilibrada" intervenção na Síria

O líder do PSD defendeu hoje ser necessário "evitar uma escalada de violência" no conflito com a Síria, mas afirmou que o partido está "completamente concordante" com o "aviso" deixado àquele país contra o uso de armas químicas.

Rio considera "equilibrada" intervenção na Síria
Notícias ao Minuto

15:22 - 15/04/18 por Lusa

Política Conflito

"A intervenção [o ataque com mísseis, por parte dos EUA, França e Reino Unido] teve a sua justa medida, foi equilibrada. O que é preciso agora é evitar uma escalada de violência, mas o que a Síria fez [ataque com armas químicas] não podia ficar sem resposta", afirmou Rui Rio, em declarações aos jornalistas à margem da sessão de encerramento do 25.º Congresso da JSD, que decorreu na Póvoa de Varzim, distrito do Porto.

Segundo Rio, "o PSD está completamente concordante com a intervenção dos EUA, França e Inglaterra", tendo-se tratado de "uma intervenção cirúrgica que não provocou danos nas populações e que avisou muito claramente a Síria de que não é admissível usar armas químicas contra populações indefesas".

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram no sábado uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte do governo de Bashar al-Assad.

A ofensiva consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.

O presidente dos EUA justificou o ataque como uma resposta à "ação monstruosa" realizada pelo regime de Damasco contra a oposição e prometeu que a operação irá durar "o tempo que for necessário".

Segundo o secretário-geral da NATO, a ofensiva teve o apoio dos 29 países que integram a Aliança.

Na sequência destes ataques, e a pedido da Rússia, realizou-se uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, na qual foi rejeitada uma proposta de condenação da ofensiva militar, apresentada pelos russos.

Em Portugal, o Presidente da República referiu-se aos ataques feitos por "três amigos e aliados" e limitados "a estruturas de produção e distribuição de armas estritamente proibidas pelo direito internacional e cujo uso é intolerável e condenável", citando a posição assumida pelo Governo português, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que disse compreender as razões que levaram à intervenção militar desta madrugada na Síria, defendendo, no entanto, ser necessário evitar uma escalada do conflito.

No espetro partidário, os ataques foram condenados pelo PCP e pelo BE, enquanto PSD e CDS-PP manifestaram apoio à ação dos Estados Unidos, Reino Unido e França. A CGTP-IN também veio a público criticar os ataques.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.