Meteorologia

  • 22 ABRIL 2018
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 18º

Edição

"Rio perdeu cinco semanas só a organizar a casa"

Miguel Sousa Tavares não passou ao lado do tema da semana, a polémica em torno de Feliciano Barreiras Duarte, secretário-geral do PSD até domingo.

"Rio perdeu cinco semanas só a organizar a casa"
Notícias ao Minuto

21:59 - 19/03/18 por Melissa Lopes

Política Sousa Tavares

Para o comentador Miguel Sousa Tavares, "obviamente" que Feliciano Barreiras Duarte não poderia ter feito outra coisa a não ser pedir a demissão do cargo que ocupou durante sensivelmente um mês.

"Há coisas que são tão evidentes que nem se percebe porque é que as pessoas demoram uma semana a espernear contra a evidência", comentou Sousa Tavares, lembrando que Barreiras Duarte se licenciou numa universidade privada com uma média de 11.

"Suponho que seja aquilo que se dá a qualquer pessoa que pague as propinas", frisou. Depois, prosseguiu no comentário, "salta para um mestrado com média de 18, sem frequentar as aulas, usando entre outras coisas a frequência hipotética de investigação numa universidade onde nunca pôs os pés, na Califórnia, atestada por um certificado falso, declarado falso pela universidade e declarado falso pela professora que supostamente o autenticava".

Quanto às declarações de Feliciano Barreiras Duarte sobre a existência de pessoas no interior do PSD a querer prejudicar a nova liderança do partido, o escritor considerou-as "completamente indignas", na medida em que "diz que o ataque não é dirigido a ele mas sim a Rui Rio". Sousa Tavares até admite que possa haver uma conspiração interna, mas o que estava em causa "é a própria pessoa". "Uma pessoa que faz isto, obviamente que não tem qualificação para aquele cargo", insistiu Sousa Tavares.

"Não querer ver isto, e estar uma semana a espernear e a inventar conspirações internas e inimigos internos mesmo que os haja, é fugir ao essencial da questão", completou.

No caso da demissão de Barreiras Duarte, que muitos consideraram ter tardado, o comentador lembrou que Rio não tinha poderes para o demitir, uma vez que este tinha sido eleito no Congresso. "Suponho que [Rio] terá ficado à espera que delicadamente Barreiras Duarte se demitisse", fez sobressair.

Quanto à gestão de Rui Rio da polémica, Miguel Sousa Tavares afirmou que o líder do PSD "esperou até ao limite", mas que "no fim lhe terá feito um ultimato mesmo" para que se demitisse. "Rio não sabia do episódio de Berkeley e não tem culpa, teve azar", disse ainda o escritor, notando, contudo, que "são azares a mais" para tão pouco tempo. "E a verdade é que já perdeu cinco semanas desde que tomou posse só a resolver questões laterais, só a organizar a casa", em vez de estar a "organizar a oposição".

Em relação a José Silvano, a escolha de Rui Rio para ocupar o cargo de Barreiras Duarte, Sousa Tavares comentou: "Foi escolher um transmontano, que normalmente são boa gente, não fazem malabarismos destes, mas que é um completo desconhecido, daqueles que se sentam lá atrás e ninguém conhece".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.