Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2018
Tempo
25º
MIN 25º MÁX 26º

Edição

Concessão dos CTT? "Infelizmente a proposta do BE foi rejeitada"

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, lamentou hoje que o parlamento tenha rejeitado a proposta do BE para a rescisão do contrato de concessão dos CTT, avisando que é preciso "agir depressa" antes que os acionistas privados destruam a empresa.

Concessão dos CTT? "Infelizmente a proposta do BE foi rejeitada"
Notícias ao Minuto

17:05 - 23/02/18 por Lusa

Política Catarina Martins

Catarina Martins juntou-se hoje, ao início da tarde, ao arranque da manifestação dos CTT, no Marquês de Pombal, em Lisboa, onde disse aos jornalistas que "se nada for feito, os acionistas privados destroem os CTT e, por isso, é preciso agir depressa".

"Infelizmente, a proposta que o Bloco de Esquerda fez ontem mesmo foi rejeitada pelos outros partidos. Lamentamos porque era uma proposta que permitia no imediato e sem custos para o Estado ter o serviço postal público", disse.

Na quinta-feira, o parlamento rejeitou diplomas do PCP e do PEV para a recuperação do controlo público dos CTT e um projeto de resolução do BE para a rescisão do contrato de concessão por incumprimento, tendo este último tido os votos contra do PS, PSD, CDS-PP, PCP e PEV e os votos favoráveis do PAN e do BE.

"Nós queremos sempre acreditar que estamos de boa-fé, mas temos sempre que nos perguntar: se os CTT estão neste momento a despedir trabalhadores, a fechar estações, nós podemos mesmo estar meses num grupo de trabalho, enquanto os acionistas privados retiram todo o património aos CTT e despedem aos seus trabalhadores, ou precisamos de agir agora?", observou.

Na opinião de Catarina Martins, o Estado não pode limitar-se a pensar o que vai fazer perante a situação atual dos CTT e, por isso, é preciso agir para "defender o serviço público".

"Esta proposta do Bloco pode ser sido rejeitada, mas julgo que a manifestação de hoje e a posição de muitos autarcas terá que fazer com que haja ações consequentes nos próximos tempos", anteviu.

A coordenadora do BE insistiu que "os correios são um serviço público essencial no país", não sendo "por acaso que, em todo o mundo, há serviço postal público, feito por empresas públicas".

"PSD e CDS, ao decidirem privatizar os CTT, cometeram um enorme erro e fizeram um verdadeiro assalto ao país. Portugal passou a ser o quinto país do mundo com correios privatizados", criticou.

Os CTT, recordou Catarina Martins, "são uma empresa muito lucrativa" e "todos os anos dão mais de 60 milhões de euros de lucro".

"Os acionistas privados têm distribuído em dividendos mais até do que os lucros da empresa. Uma ganância sem fim", condenou.

Os trabalhadores dos CTT - Correios de Portugal iniciaram a partir da meia-noite de hoje a segunda greve geral em dois meses, após dois dias de paralisação em dezembro. Para esta tarde convocaram uma manifestação com destino à residência oficial do primeiro-ministro, António Costa, em São Bento, local onde as estruturas representativas dos trabalhadores entregarão documentos a exigir a reversão da privatização da empresa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório