Meteorologia

  • 24 JUNHO 2018
Tempo
24º
MIN 23º MÁX 26º

Edição

"É ridículo achar que um ministro se vendia por bilhetes de futebol"

Miguel Sousa Tavares criticou, esta segunda-feira no seu espaço de opinião na SIC, a forma como a notícia que dá conta de alegado crime do ministro das Finanças foi dada, mas também a forma como o Ministério Público permitiu que a polémica se instalasse.

"É ridículo achar que um ministro se vendia por bilhetes de futebol"
Notícias ao Minuto

21:02 - 29/01/18 por Patrícia Martins Carvalho

Política Sousa Tavares

Primeiro foi avançada a notícia de que haviam sido feitas buscas no gabinete do ministro das Finanças. Depois, que as mesmas estariam relacionadas com o crime de recebimento indevido de vantagem e, nesta senda, que em causa estaria uma isenção de IMI pedida por Luís Filipe Vieira a Mário Centeno que, por sua vez, teria acedido e pedido bilhetes para ir ver o Benfica ao Estádio da Luz.

Face a esta polémica, Miguel Sousa Tavares considera que “estamos perante um crime de jornalismo” cometido por aqueles que lançaram a notícia "sem verificar" em que moldes havia sido dada a isenção de IMI em causa.

Neste caso havia lugar à isenção do IMI, por isso, não existe crime nenhum por parte do ministro das Finanças”, começou por dizer o comentador no ‘Jornal da Noite’ da SIC, acrescentando que é “inteiramente ridículo achar que um ministro se vendia por dois bilhetes para ir ao futebol”.

“Estamos perante uma polémica que não tem razão de ser”, afirmou perentório o comentador, advertindo que esta controvérsia “já causou danos internacionais à figura do ministro das Finanças e institucionalmente à figura do presidente do Eurogrupo e a Portugal”.

Por tudo isto, Miguel Sousa Tavares considera ser “lamentável e lastimável” a polémica que se instalou.

Mas as críticas não são apenas dirigidas à comunicação social. “Não faz sentido que alguém do lado das autoridades – Ministério Público e Polícia Judiciária – tenha alimentado esta polémica deixando transparecer para a imprensa que havia feito buscas no gabinete do ministro sem explicar porquê e sem explicar que, de facto, não havia razão nenhuma para haver investigação criminal ao ministro”, criticou.

“Se os dados são estes, se as suspeitas são estas não é possível constitui-lo arguido. Só um ato de perfeita loucura o constituiria arguido”, vaticinou Sousa Tavares.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.