Meteorologia

  • 18 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Governo "não tem mais nada a acrescentar" sobre o caso Raríssimas

A ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, afirmou hoje que "o Governo não tem mais nada a acrescentar" sobre a polémica da Raríssimas, remetendo todos os esclarecimentos para o parlamento, onde o executivo "já foi chamado".

Governo "não tem mais nada a acrescentar" sobre o caso Raríssimas
Notícias ao Minuto

14:12 - 14/12/17 por Lusa

Política Ministra

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros de hoje, Maria Manuel Leitão Marques foi questionada sobre os jornalistas sobre a polémica em torno da Raríssimas.

"Sobre essa questão, que naturalmente não foi objeto de discussão no Conselho de Ministros, o Governo não tem mais nada a acrescentar. Temos que esperar pelas conclusões da Inspeção Geral do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social que já foram iniciadas e que esclarecerão essas notícias que às vezes são verdadeiramente descontextualizadas", começou por responder.

De acordo a ministra da Presidência, "o Governo irá ao parlamento, onde já foi chamado, e prestará aí todos os esclarecimentos que são devidos à Assembleia da República e às senhoras e aos senhores deputados".

Perante a insistência dos jornalistas, concretamente sobre as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que hoje adiantou que o Governo já mandou uma equipa para garantir funcionamento da Raríssimas, Maria Manuel Leitão Marques reiterou: "absolutamente mais nada a dizer sobre esse assunto".

Os jornalistas quiseram ainda saber qual a posição do Governo sobre os apelos feitos hoje pelos funcionários da instituição a propósito da continuidade da Raríssimas.

"Sobre esse assunto não tenho absolutamente mais nada a dizer, embora naturalmente, como é nosso dever e é nossa competência, estaremos atentos a essa situação. Não tenho absolutamente mais nada a dizer sobre esse ponto", insistiu.

O presidente da assembleia geral da Raríssimas tomou hoje conhecimento da demissão formal de Paula Brito da Costa do cargo de presidente da associação.

Segundo Paulo Olavo e Cunha, a renúncia de Paula Brito da Costa chegou através de carta digitalizada.

Em consequência desta medida, Paulo Olavo e Cunha vai aguardar que "os diretores remanescentes solicitem a convocação de uma assembleia geral para proceder à designação dos membros dos órgãos sociais em falta, até ao final do mandato em curso (2016-2019)".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.