Meteorologia

  • 13 MAIO 2021
Tempo
20º
MIN 12º MÁX 21º

Edição

Ministra da Administração Interna apresenta demissão. Costa aceita

Em comunicado, o gabinete do primeiro-ministro comunicou a demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

Ministra da Administração Interna apresenta demissão. Costa aceita

"A ministra da Administração Interna apresentou-me formalmente o seu pedido de demissão em termos que não posso recusar. Quero publicamente agradecer à professora doutora Constança Urbano e Sousa a dedicação e empenho com que serviu o país no desempenho das suas funções", fez saber António Costa, esta quarta-feira de manhã, numa nota enviada à comunicação social pelo seu gabinete.

Por sua vez, numa missiva enviada ao primeiro-ministro, e agora tornada pública, a ministra demissionária explicou que já após a tragédia de Pedrógão Grande havia pedido para sair do cargo. 

"Logo a seguir à tragédia de Pedrógão pedi, insistentemente, que me libertasse das minhas funções e dei-lhe tempo para encontrar quem me substituísse, razão pela qual não pedi, formal e publicamente, a minha demissão. Fi-lo por uma questão de lealdade", pode ler-se na carta endereçada por Constança Urbano de Sousa ao chefe do Executivo. 

Nesta senda, a ex-titular da pasta da Administração Interna informa que lhe foi pedido que permanecesse em funções, "sempre com o argumento de que não podemos ir pelo caminho mais fácil, mas sim enfrentar as adversidades".

Foram os incêndios deste fim de semana que levaram Urbano de Sousa a tomar uma decisão definitiva, que a afasta assim do Governo que entrou em funções em 2015. 

"Durante a tragédia deste fim de semana, voltei a solicitar que, logo após o seu período crítico, aceitasse a minha cessação de funções, pois apesar de esta tragédia ser fruto de múltiplos fatores, considerei que não tinha condições políticas e pessoais para continuar no exercício deste cargo, muito embora contasse com a sua confiança", realça ainda.

Por fim, Urbano de Sousa esclarece a sua decisão, o que levou António Costa a aceitar o afastamento. "Tendo terminado o período crítico desta tragédia e estando já preparadas as propostas de medidas a discutir no Conselho de Ministros Extraordinário de dia 21 de outubro, considero que estão esgotadas todas as condições para me manter em funções, pelo que lhe apresento agora, formalmente, o meu pedido de demissão, que tem de aceitar, até para preservar a minha dignidade pessoal". 

E o secretário de Estado Jorge Gomes?

Esta manhã, a RTP3 avançou com a informação de que o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, terá abandonado o cargo que tinha no Governo, em consequência dos incêndios que abalaram o país nos últimos dias e que já levaram à morte de pelo menos 41 pessoas.

O Ministério da Administração Interna viria, pouco tempo depois, a desmentir a notícia, não resultando claro, para já, se a demissão da ministra é extensível a toda a sua equipa.

Administração Interna debaixo de fogo

Há meses que a pasta da Administração Interna tem estado debaixo de fogo, inicialmente devido à tragédia de Pedrógão Grande e, mais recentemente, aos incêndios de outubro. Contudo, primeiro-ministro e ministra da Administração Interna concordaram, num primeiro momento, no facto de não ser a altura certa para a demissão, mas antes para a ação. Uma questão que vem, agora, a ser contrariada após a demissão da ministra. 

Na oposição pediam-se responsabilidades políticas e o CDS decidiu mesmo apresentar uma moção de censura ao Governo. Para o primeiro-ministro, este anúncio é visto com "normalidade", sendo um "direito constitucional". Porém, Costa, que tem estado debaixo de fogo pela forma como está a gerir este dossier, nomeadamente pela frieza que lhe tem sido apontada, reitera que é tempo de "arregaçar as mangas e tratar de nos reerguermos".

Nesta equação não pode ainda ser ignorada a variável do discurso de ontem do Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa foi duro para com o Governo que muitos, em tempos, acusaram de 'levar ao colo'. Numa intervenção emotiva, o chefe de Estado fez uma espécie de ultimato ao Executivo liderado por Costa e praticamente abriu a porta à saída da ministra da Administração Interna, que esta manhã se confirmou.

[Notícia atualizada às 09h44]

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório