Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

PS acusa PSD de preferir "demagogia barata" a participar em consenso

O PS acusou hoje o PSD de preferir a "demagogia barata" sobre as obras públicas em vez de participar num consenso nacional para definir os investimentos prioritários para os próximos anos.

PS acusa PSD de preferir "demagogia barata" a participar em consenso
Notícias ao Minuto

14:04 - 23/08/17 por Lusa

Política João Galamba

No sábado, em entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro, António Costa, considerou "fundamental" um acordo com o PSD para investimentos em obras públicas e apontou como grande prioridade para a 'rentrée' a definição da "estratégia nacional para o Portugal pós-2020", incluindo um novo acordo com a União Europeia para fundos comunitários.

Numa primeira reação, no sábado, o líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, afirmou que o regresso da prioridade para investimentos em obras públicas preocupa o partido e é um regresso ao "socratismo".

Na terça-feira, num artigo publicado na 'newsletter' do partido, o PSD acusou o Governo e o primeiro-ministro de omitirem que "já existe consenso técnico" para as prioridades no investimento público, referindo-se ao Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas (Peti 3+), com um horizonte temporal entre 2014-2020.

Em declarações hoje à Lusa, o porta-voz do PS, João Galamba, rejeitou estas acusações: "O PS e o Governo não escondem nada, o Governo está a executar o plano delineado pelo governo anterior".

"O que o primeiro-ministro propôs no sábado é que, depois de finalizado este programa e quando se vai iniciar o próximo quadro comunitário de apoio, o país tem de discutir quais os investimentos prioritários pós-2020", afirmou João Galamba.

Apontando que o próximo quadro europeu vai abranger o período 2021-2027, o deputado socialista classificou como "totalmente incompreensível" a reação do PSD.

"É totalmente incompreensível a reação do PSD: depois de ter sugerido que era errado fazer investimentos em infraestruturas, agora vem dizer que já há um plano, esquecendo-se de dizer que o plano é até 2020", criticou.

"Não se percebe se o PSD acha que o país só precisa de investimento em infraestrutura entre 2014 e 2020 ou se está apenas desesperado e a fazer demagogia barata com um tema que merece mais cuidado e que deveria ser merecedor de um amplo consenso nacional", lamentou.

O deputado socialista sublinhou que terá de haver um debate com "todos os partidos e a sociedade civil" para se definirem os investimentos prioritários para o país no período 2021-2027 que devem ser apoiados por fundos europeus.

"Se o PSD quer manter-se à margem desta discussão, o que mostra que prefere demagogia e usar as obras públicas como arma de arremesso político e não entrar e participar num consenso necessário para o desenvolvimento do país", criticou.

Para João Galamba, "as obras públicas vão ser sempre necessárias em Portugal e em qualquer outro país e elas devem ser debatidas, estruturadas, planificadas".

"O PSD parece ter entendido isso entre 2014 e 2020, mas agora parece querer manter-se à margem deste debate. O debate terá de acontecer com ou sem a participação do PSD, se acontecer sem a participação do PSD é por exclusiva responsabilidade do próprio partido", acusou.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório