Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 14º

Conselho de Estado "falou em tudo e não disse nada"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considerou hoje que as questões abordados segunda-feira no Conselho de Estado “falam em tudo e não dizem nada”, salientando que os trabalhadores estavam à espera de respostas a problemas concretos.

Conselho de Estado "falou em tudo e não disse nada"
Notícias ao Minuto

09:08 - 21/05/13 por Lusa

Política CGTP

Em declarações à agência Lusa, a propósito da reunião do Conselho de Estado, que defendeu a necessidade de equilíbrio entre disciplina financeira, solidariedade e estímulo à economia, Arménio Carlos disse que se tratou de “uma oportunidade perdida para responder a problemas que exigem respostas concretas, que continuam a não surgir”.

“Em relação àquilo que foi ontem [segunda-feira] transmitido pelo representante da Presidência da República diria que é um comunicado que fala em tudo e não diz nada, porque o que os trabalhadores e as pessoas em geral estavam à espera e exigem é que, quer o Presidente da República, quer o Governo, assumam as suas responsabilidades e deem respostas aos problemas concretos”, frisou.

Na opinião do líder da CGTP, da reunião “não saiu nenhuma resposta” ao desemprego, à proteção social e à situação dos reformados.

“Não saiu nenhuma resposta à situação dos trabalhadores em geral, em particular dos trabalhadores da administração pública, em relação às funções dos chefes de Estado e à importância de defender o Serviço Nacional de Saúde (SNS), à educação e à Segurança Social, em relação à melhoria do poder de compra dos trabalhadores e dos pensionistas para dinamizar o mercado interno, para assim ajudarem as empresas a sobreviver “, acrescentou.

De acordo com Arménio Carlos, são estas as questões de fundo, neste momento, que justificam uma resposta, que não veio.

O Conselho de Estado defendeu a necessidade de equilíbrio entre disciplina financeira, solidariedade e estímulo à economia, realçando a possibilidade de criação de um instrumento financeiro de solidariedade para apoiar as reformas estruturais, aumentar a competitividade e o crescimento.

Após sete horas de reunião, o secretário do Conselho de Estado, Abílio Morgado, leu aos jornalistas um comunicado de cinco pontos, enumerando as questões abordadas no encontro do órgão político de consulta do Presidente da República, que tinha como ordem de trabalhos o tema "Perspetivas da economia portuguesa no pós-troika, no quadro de uma União Económica e Monetária efetiva e aprofundada".

O Conselho de Estado debruçou-se igualmente sobre "a perspetiva do reforço da coordenação das políticas económicas e da criação de um instrumento financeiro de solidariedade destinado a apoiar as reformas estruturais dos Estados-membros, visando o aumento da competitividade e o crescimento sustentável".

No terceiro ponto é referido que, no quadro da criação de uma União Bancária, foi também analisada "a instituição dos mecanismos de supervisão, de resolução de crises e de garantia de depósitos dos bancos, um passo da maior importância para corrigir a atual fragmentação dos mercados financeiros da Zona Euro".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório