Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 8º MÁX 16º

"Os nossos melhores dias ainda estão para vir", diz Passos

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou, esta terça-feira, que não tem “dúvidas de que os nossos melhores dias ainda estão para vir”, acrescentando que para isso é preciso saber “não fechar as portas ao exterior”.

"Os nossos melhores dias ainda estão para vir", diz Passos
Notícias ao Minuto

16:59 - 30/04/13 por Joana Ludovice de Andrade

Política Estoril

Um “País genuinamente aberto ao Mundo” é assim que o primeiro-ministro quer ver Portugal. Passos Coelho falava esta tarde na abertura das ‘Conferências do Estoril’ prometendo que “os nossos melhores dias ainda estão para vir”. O governante garante que “não” tem “dúvidas” que assim acontecerá, isto “se soubermos não fechar as nossas portas ao exterior”.

“Hoje a necessidade de aumentar as exportações é objecto de grande consenso”, afirmou Passos Coelho. No entanto, o líder do Executivo lembrou também que a “abertura da economia ao exterior não é alheia à abertura de outros sectores da sociedade”, dando o exemplo: “Além das nossas empresas, as nossas universidades também estão mais abertas”.

Para o primeiro-ministro, o desafio é Portugal “sentir confiança nas suas possibilidades dentro e fora das fronteiras políticas” e o objectivo é também incentivar uma “cidadania activa” capaz de dar exemplo ao resto do Mundo.

Passos Coelho falou ainda da necessidade de consenso, mas de um consenso que se quer verdadeiro e não de um leque de intenções, por vezes “vazias e até contraditórias”. “É por isso que sempre defendi que a regra de ouro não deve ser de esquerda nem de direita”, sublinha o primeiro-ministro.

De acordo com o discurso de Passos, o importante é que as “contas públicas batam certo”. E há que “mobilizar energias e seguir caminho na preparação do nosso futuro”, reitera o governante, lembrando que “as maiorias políticas são sempre temporárias”.

Na opinião do primeiro-ministro, o País tem uma posição e uma história privilegiadas que podem “mostrar ao Mundo o que pode aprender com a Europa” e mostrar à “Europa o que pode aprender com o resto do Mundo”.

Do sucesso do cumprimento de Portugal, sairá um continente “mais solidário e coeso”, mas se, pelo contrário, o País desviar caminho e não cumprir os compromissos, o resultado será uma “Europa mais dividida, mais desconfiada e mais receosa”, capaz de trazer os “velhos fantasmas”.

Na mesma ocasião, Passos defendeu uma “relevância internacional muito maior do que economia nacional”, mas para isso, continuou o governante, é preciso “ultrapassar uma certa timidez que nos dominou, temos de ser uma voz activa e participativa nos debates globais”. “Será o tempo das nossas escolhas livres”, concluiu o primeiro-ministro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório