Meteorologia

  • 31 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 4º MÁX 14º

"Doravante, Europa viverá num ambiente de desconfiança e medo"

Em entrevista ao jornal i, o membro da direção do PS, Sérgio Sousa Pinto, mostra estar ao lado do Syriza, atirando culpas aos credores.

"Doravante, Europa viverá num ambiente de desconfiança e medo"
Notícias ao Minuto

13:36 - 02/07/15 por Notícias Ao Minuto

Política Sérgio Sousa Pinto

O socialista Sérgio Sousa Pinto é claro e direto em relação à crise na Grécia. “Todas as partes envolvidas na negociação têm sido imprudentes, se não mesmo irresponsáveis”, afirma.

“A parte forte – os credores e os seus representantes – tem mais responsabilidades. A primeira vítima desta gravíssima crise é o espírito europeu. Doravante a Europa viverá num ambiente marcado pela desconfiança e pelo medo”, frisa em entrevista ao jornal i.

O membro do Secretariado Nacional do PS atribui culpas aos credores, acreditando que “a solução com a qual a Grécia foi confrontada chutava a batata quente grega para o futuro”.

“Estamos num ciclo perverso sem saída. Isto pode manter vivas todas as ideias intocáveis e caras aos credores mas da perspetiva da Grécia a solução não oferece nada”, adianta.

Num tom crítico quanto à posição de Portugal em relação à Grécia, o socialista afirma que “Portugal, assim como outros países de média e pequena dimensão europeia, está a prestar-se a fazer um discurso anti-grego. Isto é profundamente lamentável e embaraçoso”.

“Se a Grécia deixar de estar na linha da frente da pressão dos mercados sobre o euro, passará a estar Portugal”, alerta Sérgio Sousa Pinto, defendendo que “o problema grego" seja "resolvido com a coragem política que se impõe”.

“Não desejo a saída da Grécia do euro, é uma catástrofe, mas também não pode ser governada por uma junta de credores. É inconcebível. É uma Europa profundamente pervertida no seu ideal fundador. Não é dessa Europa que queremos fazer parte”, refere.

Relativamente ao referendo que acontece no próximo dia 5 de julho, em que Tsipras apela ao voto 'não', o socialista explica que caso fosse ele a votar cumpriria a vontade do primeiro-ministro grego. “Todos estamos no desconhecido”, termina.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório