Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 24º

Das guerras às migrações (e ao "investimento"). O debate a oito para a UE

Acompanhe aqui AO MINUTO o segundo dia de campanha para as eleições europeias.

Das guerras às migrações (e ao "investimento"). O debate a oito para a UE
Notícias ao Minuto

12:40 - 28/05/24 por Notícias ao Minuto

ao minuto Ao Minuto Política Europeias

O segundo dia de campanha eleitoral para as eleições europeias arrancou, esta terça-feira, com os cabeças de lista das principais forças políticas a centrar as suas ações em Lisboa e a Sul, com visitas, arruadas e comícios, terminando com um debate na RTP.

Os candidatos do PS, AD, Chega, BE, CDU, Livre e PAN estiveram na televisão pública, durante cerca de duas horas, no único debate que juntou todas as forças políticas com representação parlamentar.

O debate focou-se em vários temas centrais na Europa, como as regras orçamentais da União Europeia (UE) e investimentos, a questão premente do Pacto das Migrações, as guerras - apoio à ucrânia e reconhecimento do Estado da Palestina - a recandidatura de Ursula Von der Leyen à presidência da Comissão Europeia, assim como o aumento da presença da extrema-direita na Europa.

Recorde-se que concorrem às eleições um total de 17 partidos e coligações: a AD, PS, Chega, IL, BE, CDU, Livre, PAN, ADN, MAS, Ergue-te, Nova Direita, Volt Portugal, RIR, Nós Cidadãos, MPT e PTP. Serão escolhidos 720 eurodeputados, 21 dos quais portugueses, sendo a votação em Portugal no dia 9 de junho.  

Fim de cobertura

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

Boa noite! Fechamos aqui o nosso acompanhamento AO MINUTO sobre o segundo dia de campanha para as Eleições Europeias.

Obrigada por ter estado desse lado.

Chega quer "derrotar PS" em eleição que é "1.º degrau" para legislativas

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

O líder do Chega, André Ventura, traçou hoje como objetivo "derrotar o PS" nas europeias de 09 de junho e considerou que estas eleições são um "primeiro degrau" para as próximas legislativas.

O Chega realizou hoje um comício em Santo Estêvão, no concelho de Tavira (distrito de Faro), no qual não participou o cabeça de lista, António Tânger Corrêa, que ficou em Lisboa a participar no debate televisivo entre os candidatos dos partidos com assento parlamentar.

Discursando praticamente à hora a que começou o debate, o presidente do Chega falou da candidata do PS, a antiga ministra da Saúde Marta Temido, dizendo que "cobria a cara de vergonha" se escolhesse um cabeça de lista alguém "responsável pelo estado caótico da saúde que o Algarve tanto tem sentido".

Chega quer

Chega quer "derrotar PS" em eleição que é "1.º degrau" para legislativas

O líder do Chega, André Ventura, traçou hoje como objetivo "derrotar o PS" nas europeias de 09 de junho e considerou que estas eleições são um "primeiro degrau" para as próximas legislativas.

Lusa | 22:11 - 28/05/2024

"Portugal arrisca ficar isolado por não reconhecer Estado da Palestina"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

"Portugal arrisca-se a ficar isolado por não reconhecer o Estado da Palestina", afirma Catarina Martins (BE), considerando que "é urgente fazer esse reconhecimento" e "é um enorme cinismo dizer que reconhecemos os dois Estados e só reconhecer Israel".

Reconhecimento da Palestina? Temido a favor e Chega "não é favorável"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Sobre o reconhecimento da Palestina como Estado, Temido diz que há um trabalho em curso com outros estados-membros "que tem estado a avançar nesse reconhecimento"

"Sozinho não, mas não podemos esperar que todos se juntem nesse reconhecimento".

Por sua vez, o candidato do Chega afirmou que "não são favoráveis à existência de dois Estados". "Reconhecer o Estado da Palestina é totalmente errado".

 

Todos concordam com reconhecimento do Estado da Palestina (com condições)

Daniela Filipe | há 3 semanas

Bulhado defendeu que Portugal deve reconhecer o Estado da Palestina "o mais depressa possível dentro do quadro e o mais unilateral possível".

Já João Oliveira recordou que a CDU propôs, desde 2011, três vezes na Assembleia da República que o Governo português reconhecesse o Estado da Palestina, posição em que "já não estaria sozinho".

Por seu turno, João Cotrim Figueiredo apresentou "duas condições", entre elas que a governação seja centrada na Autoridade Palestiniana e que "grupos terroristas nomeadamente o Hamas, não sejam parte do entendimento".

Pedro Fidalgo Marques disse também que o PAN "tem defendido a solução dos dois Estados", por forma a "terminar o genocídio que está a acontecer na Faixa de Gaza".

Francisco Paupério partilhou de uma opinião semelhante, tendo considerado que "este é o momento certo para reconhecer a Palestina", tendo em conta "outros países estão a fazê-lo".

Adiamento de transição verde trará "mais custos para a economia"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

O candidato do PAN defende que o adiamento da transição energética "mais custos vão existir para as famílias, para a economia, por isso temos de a acelerar".

"Precisamos de harmonização fiscal na Europa", diz Livre

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista pelo Livre, Francisco Paupério, recordou que "a esquerda e os verdes estavam disponíveis para conversar" sobre o pacto das migrações, tendo justificado que "foi o pacto que estes grupos quiseram".

"Precisamos de harmonização fiscal na Europa", defendeu ainda.

"Europa deve aprender com o que já fez de bom", salienta Bloco

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Catarina Martins refere que "a Europa deve aprender com o que já fez de bom", referindo-se a projetos públicos comuns, defendendo este tipo de projeto na saúde, na questão digital - apostando numa "plataforma digital" europeia.

"Não achamos normal no BE que a Amazon possa passar anos a ter impostos negativos, paga zero, menos do que zero, não pode acontecer", atira Catarina Martins, realçando querer "combater com a corrupção e acabemos com os offshores".

"Tem de se combater a corrupção para que Portugal possa evoluir"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O candidato do Chega sublinhou que "o desenvolvimento é económico é fundamental", tendo salientado que "a execução do PRR em Portugal foi terrível por ter beneficiado o setor público".

"Tem de se combater a corrupção para que Portugal possa evoluir", complementou.

"Taxinhas" para as multinacionais? "Com Cotrim sim, com a CDU não"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Como os europeus podem viver melhor e acudir às necessidades? João Oliveira afirma que "é possível multinacionais pagarem só uma taxinha de 15% e com Cotrim sim, é possível. Com a CDU, não. Somos a contra da taxação mínima das multinacionais e a favor da articulação de Portugal com outros países para garantir a taxação efetiva das multinacionais com taxas de IRC não abaixo de um restaurante ou mercearia".

"O PS não faz ideia de como é que uma economia cresce"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O antigo líder da IL apontou que "temos de ter uma Europa a crescer", tendo considerado que as afirmações de Marta Temido provam que "o PS não faz ideia de como é que uma economia cresce".

"O crescimento económico faz-se integrando mercados e avançar para o mercado único da energia, transportes, bancário", disse.

Justiça fiscal? PS defende "um combate completo à evasão fiscal"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Marta Temido (PS) garante que "socialistas europeus não estamos disponíveis para que o investimento em mais defesa e segurança - que consideramos indispensável - seja feito à custa de outras áreas críticas e essenciais, nomeadamente, como a coesão, a agricultura e habitação".

A socialista considera "em matéria de justiça fiscal haja um combate completo à evasão fiscal e à taxação da tributação mínima das grandes multinacionais", por exemplo.

"Não descuramos novos mecanismos de receita para o organismo europeu"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O candidato da AD, Sebastião Bugalho, defendeu que "para lidar com o contexto geopolítico atual a Europa vai precisar de mais dinheiro", nomeadamente "através do crescimento económico".

"Não descuramos novos mecanismos de receita para o organismo europeu", disse.

Soluções para imigração? "Investir em canais seguros e em integração"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

"Investir em canais seguros e em integração", é o que defende Catarina Martins (BE) para resolver o problema da imigração.

Sobre o Pacto das Migrações, a bloquista refere que AD e IL "a lamentarem as consequências da imigração mas votaram favoravelmente ao pacto. Eu diria que isto é uma definição de um voto lamentável. Lamenta-se mas vota-se, é um erro", atira Martins.

"Dignidade das pessoas tem se defender. O que temos é inadmissível"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista da IL, João Cotrim Figueiredo, apontou que tem defendido que "as regras que existem sejam aplicadas", no que diz respeito à imigração.

"A dignidade das pessoas tem se defender quer quando procuram uma vida melhor, quer quando chegam ao destino. O que temos em Portugal é inadmissível", disse, considerando que UE tem de se unir, ainda que tenha reconhecido que o pacto "não é perfeito".

"País que o Chega quer construir é de ódio e desconfiança"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

O candidato da CDU questiona "quem quer viver num país destes?", referindo-se ao "país que o Chega quer construir", de "ódio" e desconfiança.

"Estas conceções xenófobas e racistas querem virar o povo uns contra aos outros para ficarem mais facilmente à mercê naquilo que tem trazido a imigração que o Chega defende", observa João Oliveira, salientando que a resolução é "todos os cidadãos sejam iguais em direitos".

Pacto das migrações "é armadilha". "Obriga países a receber migrantes"

Daniela Filipe | há 3 semanas

António Tânger Corrêa tomou a palavra, tendo reiterado que o pacto das migrações "é uma armadilha, porque obriga os países a receber um determinado número de migrantes, o que é inaceitável".

"Cada país deve determinar a imigração que quer e que precisa. Fomos os primeiros a alertar de uma bomba-relógio que é a imigração e que agora toda a gente menciona", disse, tendo criticado que "quem vem para cá passeia livremente pela Europa".

Apontou ainda que "a pobreza é o rastilho para a violência" e que "temos de tomar cuidado com isso". "Temos de ver o que queremos em Portugal e tomar conta dos portugueses", complementou, apelando à "integração segundo moldes portugueses".

Bugalho acusa Temido de alocar "inverdades" à sua candidatura

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Bugalho considera ser "crítico" do pacto das migrações, mas por isso acredita na sua equipa para fazer mudanças.

O candidato da AD acusa Temido de "colocar inverdades" alocadas à sua candidatura, dizendo que o seu programa "é humano, humanitário e sério".

Pacto de migrações? "Não é o pacto que assinaríamos"

Daniela Filipe | há 3 semanas

Marta Temido começou por abordar as declarações de Sebastião Bugalho, que disse que a visita de Zelensky representou "um dia de festa", tendo dito estar "muito incomodada, porque é demonstração de imaturidade". Explicou, assim, que se trata de um presidente de um país em guerra que veio pedir ajuda.

Já quanto ao pacto de migrações, a socialista salientou que "não é o pacto que assinaríamos".

"Europa com porta escancarada" para migração? "Isso é mentira"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Pedro Fidalgo Marques fala do pacto das migrações como "uma proteção de direitos humanos".

"Existe este discurso de ódio e desinformação que fala como se a Europa estivesse a porta escancarada. Isso é mentira, há regras estabelecidas", declara, dizendo que o controlo de fronteiras e a AIMA, por exemplo, devem funcionar.

"Devemos atuar sempre segundo o direito internacional e todas as regras"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista do Livre, Francisco Paupério, considerou que o povo ucraniano deve decidir como e onde acaba a guerra, ainda que "devemos atuar sempre segundo o direito internacional e todas as regras".

"Há sempre o risco de uma escalada do conflito, mas a Ucrânia foi invadida", disse.

Por seu turno, o responsável considerou que os direitos humanos são inatacáveis, no que diz respeito ao pacto das migrações. Defendeu, além disso, que não devemos separar famílias e crianças.

 

Ucrânia? "Uma incursão em território russo seria um erro"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Pedro Fidalgo Marques (PAN) está do lado "da defesa da Ucrânia", mas há questões ambientais, uma vez que há vidas que se estão a perder, mas tem os solos contaminados".

O PAN defende "a contribuição extraordinária" para "apoiar a ajuda humanitária", assim como a questão ambiental e da natureza, que "na Ucrânia está a ser destruído".

Sobre a possibilidade de uma guerra planetária, Fidalgo Marques considera que "uma incursão em território russo seria um erro. Temos de por em cima da mesa a defesa da Ucrânia".

"Ucrânia tem o direito a defender-se e as tropas russas devem retirar-se"

Daniela Filipe | há 3 semanas

A antiga líder do BE, Catarina Martins, defendeu que "a Ucrânia tem o direito a defender-se e as tropas russas devem retirar-se; isso é certo e justo". Considerou, contudo, que não "deve haver ligeireza", mostrando-se chocada com as declarações de líderes ocidentais que "querem mandar os filhos dos outros para a guerra".

"É um dia muito importante porque o Conselho Europeu está a debater impor sanções a Israel", complementou, tendo atirado que "a UE não pode ter dois pesos e duas medidas".

"Bugalho quer transformar isto num dia de festa", acusa João Oliveira

Daniela Carrilho | há 3 semanas

João Oliveira 'atira-se' a Bugalho, dizendo que este está a tratar um tema como a guerra "com enorme ligeireza e irresponsabilidade".

"Estamos a falar de uma hipótese de ataque a um país que é uma potência mundial e Bugalho quer transformar isto num dia de festa", refere.

"Qualquer incursão em território russo deve ser meramente estratégica"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista da AD, Sebastião Bugalho, salientou que "qualquer incursão em território russo deve ser meramente estratégica", tendo recordado que "é a Rússia que está em guerra na Europa" e não o contrário.

"Ataques a civis deve ser linha vermelha", disse.

Apontou ainda que "hoje foi um dia de festa", já que a visita do presidente ucraniano mostra o apoio português ao país.

Conflito mundial? "Receio face a uma guerra acho que todos nós temos"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Marta Temido (PS) comenta uma possível escalada do conflito Ucrânia/Rússia. "Receio face a uma guerra acho que todos nós temos e seria uma sensatez não ter", afirmou.

A socialista considera "evidente" que "soluções de paz" são o ideal, mas para isso tem de ser um acordo que "respeite a Ucrânia".

"Se nós dizemos que apoiamos a Ucrânia, temos de admitir que se fornecermos mísseis de longo alcance, esses mísseis podem ser utilizados na Rússia". 

"Não é uma Ucrânia em estado de fraqueza que vai negociar a paz"

Daniela Filipe | há 3 semanas

António Tânger Corrêa, pelo Chega, disse concordar com a IL do ponto de vista militar, ao mesmo tempo que sublinhou que "faremos a paz que a Ucrânia quiser".

"Para haver paz tem de haver força. Não é uma Ucrânia em estado de fraqueza que vai negociar a paz", disse.

Considerou ainda que faz sentido que a Cimeira da Paz não inclua a Rússia.

Insistir em dar armas à Ucrânia? "Ucranianos [são] carne para canhão"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

João Oliveira considera que "insistir em dar mais armas para a Ucrânia não é apoiar a Ucrânia", "é empurrar os ucranianos para serem carne para canhão".

O candidato da CDU considera que deviam "empenhar-se na paz", criticando o Governo português por não o fazer quer na Ucrânia, quer na Palestina.

Para travar Putin, "deve haver um acordo de paz que ambas as partes aceitem" e não vê a UE a fazer neste sentido.

Ataques na Rússia? "Não vejo motivo para estarem fora das soluções"

Daniela Filipe | há 3 semanas

Na segunda parte do debate, foi a vez de João Cotrim Figueiredo tomar a palavra tendo salientado que já houve ataques ucranianos a alvo estratégicos na Rússia.

"Não vejo motivo para estarem fora do cardápio de soluções que ajudem os ucranianos a defender-se daquela agressão bárbara", para que "a solução final seja a Ucrânia reganhar a sua soberania", adiantando que se Putin perder na Ucrânia não se ficará por ali e que os estados bálticos estão em risco.

Crescimento da extrema-direita? "Retroceder em direitos humanos"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

O PAN esclarece que "a Comissão Europeia começou pró a transição verde", contudo, tem apresentado "retrocessos".

"Quando falamos do crescimento da extrema-direita, falamos de retroceder em direitos humanos", afirma, referindo-se à questão do aborto, dos LBGTI+ e da liberdade de expressão da imprensa.

 

"Deriva de Von de Leyen começou antes", diz Livre

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista do Livre, Francisco Paupério, atirou "que a deriva de Von de Leyen começou antes com a lei do restauro da natureza", quando se aliou com a extrema-direita, tendo apontado ser necessário que a comissária europeia "regresse" à 'zona' dos verdes.

"A alternativa é uma outra Europa que seja dos trabalhadores e dos povos"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

João Oliveira (CDU) dirige-se ao povo português dizendo que "no dia 9 de junho têm uma escolha a fazer que vai determinar muito das suas vidas nos próximos 5 anos". Contudo, para si, "a alternativa não é a extrema-direita ou outras formas do neoliberalismo".

"A alternativa é uma outra Europa que seja dos trabalhadores e dos povos", afirma, dizendo que o combate às forças anti-democráticas é feito "aprofundando a democracia", garantir os direitos políticos, mas também emprego, acesso à saúde, salários condignos e habitação.

BE dá "grande volta" para atacar liberais, acusa IL

Daniela Filipe | há 3 semanas

O candidato da IL, João Cotrim Figueiredo, acusou Catarina Martins de "dar uma grande volta" para atacar os liberais, tendo salientado que "usar posições dos partidos europeus a que pertencemos não parece boa política, quando sabe que os condenamos".

Von der Leyen não pensa na "liberdade das mulheres nem direitos humanos"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Catarina Martins (BE) diz que a AD "apoia uma candidata que está a negociar com a extrema-direita a sua permanência na CE", referindo-se a Von der Leyen.

Nas linhas vermelhas apresentadas por essa candidata, adianta a bloquista, "nunca consta liberdades das mulheres nem direitos humanos que são atacados pela extrema-direita".

 

Chega vai "equacionar solução de futuro" após 9 de junho

Daniela Filipe | há 3 semanas

Já António Tânger Corrêa considerou ser "divertido" que estejam "sempre a tentar encontrar fissuras entre [si] e André Ventura", tendo salientado que "isso é totalmente impossível".

"Vai haver um novo jogo a nível de famílias políticas no PE. Neste momento o Chega está no ID e no pós 9 de junho vamos equacionar uma solução de futuro", disse.

Von der Leyen? "Claramente" pode abrir as portas à extrema-direita

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Marta Temido não apoia a recandidatura da presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, porque "claramente" que considera que esta pode abrir as portas à extrema-direita.

"Von der Leyen explicou-nos que tem 3 linhas vermelhas, admite negociações com famílias políticas desde que não seja violado o estado de direito democrático, forças políticas europeístas e anti-Putin", explica Temido.

"Von der Leyen parece que querer fazer uma escolha...", termina, dizendo que o PS apoia Nicolas Schmit.

AD tem "linhas vermelhas" das quais não abdica

Daniela Filipe | há 3 semanas

O cabeça de lista pela AD realçou que, dentro do PPE, a coligação "tem uma identidade própria", tendo considerado que para resolver os extremismos "é saber por que a doutora Marta Temido não apoia a recandidatura de Ursula Von der Leyen".

"Temos linhas vermelhas das quais não abdicamos", disse.

"Inflação é o imposto mais cruel que afeta os pobres mais do outro"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Cotrim Figueiredo refere sobre o BCE é "colocá-lo na dependência de decisões políticas, por políticos e deixar a inflação à solta".

"Inflação é o imposto mais cruel que afeta os pobres mais do que qualquer outro", declara.

Chega "defende o investimento privado"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O Chega considerou que "ficou claro que a maioria dos presentes está a considerar o investimento público", enquanto o partido de extrema-direita "defende o investimento privado".

"Até sou suspeito por defender este novo modelo de governação económica"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

"Até sou suspeito por defender este novo modelo de governação económica", afirma Bugalho, uma vez que a relatora do documento é uma eurodeputada socialista.

"Desde cumpramos com o défice e com a dívida, desde que seja possível, passa a ser possível os países terem critérios de prazos diferentes".

"Países como Portugal têm nestas regras mais condicionamentos"

Daniela Filipe | há 3 semanas

João Oliveira complementou que, na sua ótica, estas regras "são um espartilho", uma vez que "países como Portugal têm mais condicionamentos".

"O problema não é haver regras, é saber se as regras se adequam", disse.

"Não conseguimos responder às crises", defende Catarina Martins

Daniela Filipe | há 3 semanas

Catarina Martins tomou a palavra para abordar as politicas pro-cíclicas ou contracíclicas, tendo defendido que "não conseguimos responder às crises" com regras pro-cíclicas.

"As regras de governação económica não impediam os países de investir na saúde [nem impedem] não impedem", disse.

"Temos de sair deste binómio e sermos reféns do défice e da dívida"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Pedro Fidalgo Marques, candidato pelo PAN, diz que "temos de sair deste binómio e sermos reféns do défice e da dívida" para "passar para uma ótima de investimento".

Para o PAN, o foco tem de estar no "investimento" na Europa que "vai gerar mais economia" e haverá mais criação de empregos.

 

Regras não permitem "investimento para habitação e transição verde"

Daniela Filipe | há 3 semanas

O candidato do Livre, Francisco Paupério, reconheceu que têm de haver regras orçamentais, ainda que tenha considerado que "a maioria dos países não vai cumprir as regras climáticas".

O cabeça de lista apontou ainda que as novas regras orçamentais "não permitem investimento público para habitação e incentivar a transição verde", tendo defendido que "não podemos ter regras que bloqueiem o investimento público".

"Não há país em que se possa viver sem regras orçamentais"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

João Cotrim Figueiredo (IL) refere, por seu lado, que "não há país ou países, no caso da UE, em que se possa viver sem regras orçamentais", que "podem ser explícitas e previsíveis" ou "dispersas", fazendo com que esse país "não se consiga financiar" ou "com taxas de juro muito elevadas".

"Estas regras são mais flexíveis", afirma, mas terão de esperar pelos planos da Comissão Europeia.

"Medidas são tão más que socialistas quebraram disciplina de voto"

Daniela Filipe | há 3 semanas

A cabeça de lista pelo Bloco de Esquerda, Catarina Martins, apontou que "cada vez que a UE teve uma crise, conseguiu ultrapassá-la suspendendo as regras".

"Quando tem de fazer investimento, as regras que determinou no pacote de governação não servem", disse, tendo considerado que as medidas "são tão más e uma imposição na capacidade de investimento, que houve 25 deputados socialistas que quebraram a disciplina de voto e votaram contra".

"Estas regras vão permitir a continuação da política da mão estendida"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

António Tânger Corrêa, cabeça de lista do Chega, refere que "uma coisa são os princípios orçamentais e outra coisa é a execução orçamental. E é aí que a porca torce o rabo".

Para o Chega, esse diálogo "é desiquilibrado" e não poderá ser tão "equitativo" como deveria. 

"Estas regras vão permitir a continuação da política da mão estendida", salientando o período da pandemia de Covid-19.

Flexibilidade? "O que foi aprovado no Parlamento Europeu é o contrário"

Daniela Filipe | há 3 semanas

Do lado da CDU, João Oliveira salientou que a flexibilidade das regras de governância não foram cumpridas.

"O que foi aprovado no Parlamento Europeu é exatamente o contrário", disse, tendo em conta os mecanismos de ingerência que se mantêm "por inteiro".

"Põe em causa a contratação de funcionários públicos", complementou.

Novas regras orçamentais? "Conseguimos aprender com as crises da Troika"

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Sebastião Bugalho comenta as alterações das regras orçamentais, dizendo que "as novas regras da governância económica do espaço europeu significam em alguma medida que conseguimos aprender com as crises da Troika - porque garantem a cada Estado autonomia".

"As contas certas são algo que são positivo para o país", acrescenta Bugalho.

Dívida? "Construção representa avanço pelo que socialistas se debateram"

Daniela Filipe | há 3 semanas

A cabeça de lista pelo PS, Marta Temido, considerou, esta terça-feira, que a trajetória de ajustamento da dívida tem por base uma "construção  que representa um avanço pelo qual os socialistas se debateram".

"As regras são relevantes, mas o que fazemos com elas também é relevante", disse.

 

Debate do PS, AD, Chega, BE, CDU, Livre e PAN começa agora

Daniela Carrilho | há 3 semanas

Começa agora o frente-a-frente entre os candidatos do PS, AD, Chega, BE, CDU, Livre e PAN, no único debate que junta todas as forças políticas com representação parlamentar.

Europeias? Visita de Zelensky "contamina" 2.º dia de campanha eleitoral

Lusa | há 3 semanas

A visita a Portugal do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, "contaminou" hoje o segundo dia de campanha eleitoral para as europeias, com a maior parte das candidaturas concorrentes a saudarem-na e algumas, poucas, a contestarem-na.

O segundo dia de campanha abriu com as reações à visita de Zelensky e fecha com o único debate que junta todas as forças políticas com representação parlamentar, às 21h00, na RTP.

Europeias? Visita de Zelensky

Europeias? Visita de Zelensky "contamina" 2.º dia de campanha eleitoral

A visita a Portugal do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, "contaminou" hoje o segundo dia de campanha eleitoral para as europeias, com a maior parte das candidaturas concorrentes a saudarem-na e algumas, poucas, a contestarem-na.

Lusa | 18:31 - 28/05/2024

PAN exige fim do transporte de animais vivos para países terceiros

Lusa | há 3 semanas

O cabeça-de-lista do PAN às eleições do Parlamento Europeu, Pedro Fidalgo Marques, exigiu hoje o fim do transporte de animais vivos para países terceiros e defendeu, em alternativa, o transporte das carcaças para garantir a segurança alimentar.

"O PAN defende a par dos seus congéneres na Europa, assim como também dos Verdes Europeus, o fim do transporte dos animais vivos", afirmou Pedro Fidalgo Marques, apontando como solução "o transporte das carcaças" dos animais.

No entender do candidato do Partido Pessoas-Animais-Natureza, os animais devem "ser mortos da forma mais digna possível" e, além de se garantir "a cadeia de frio", o transporte dos animais deve ser "em carcaça".

"Esta é a solução que o PAN defende e que, além de ser a menos má, porque não há soluções ideais para o transporte dos animais, será também a melhor e mais segura em termos da segurança alimentar e do bem-estar das pessoas", sublinhou.

"Flagelo". RIR alerta para aumento do consumo de fentanil na UE

Lusa | há 3 semanas

A cabeça de lista do partido Reagir Inclir Reciclar (RIR) às europeias alertou hoje para o aumento do consumo do opiáceo sintético fentanil, salientando que a União Europeia (UE) não está preparada "para enfrentar esse flagelo".

"Tem aumentado o consumo de substâncias sintéticas. Isso vai-nos levar ao fentanil, que é uma droga muito mais barata e que nós não estamos efetivamente preparados. E quando digo nós, não é só Portugal, mas toda a Europa", disse à agência Lusa Márcia Henriques.

Falando após uma reunião no Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência, em Lisboa, a presidente do partido considerou que os europeus não estão "preparados para lidar" com o fentanil, que provocou 107 mil mortes por 'overdose' no ano passado nos Estados Unidos.

Zelensky. PAN lamenta ausência de convite a "todas as forças políticas"

Lusa | há 3 semanas

A porta-voz do PAN, Inês de Sousa Real, reiterou hoje o seu apoio à Ucrânia, mas lamentou que o convite para receber o Presidente Volodymyr Zelensky "não tenha sido estendido a todas as forças políticas".

"Quando o PAN manifestou o seu apoio inequívoco à Ucrânia, fê-lo não só por razões humanitárias, porque respeitamos também a autodeterminação dos povos e porque repudiamos completamente a invasão da Rússia à Ucrânia", sublinhou.

Em declarações aos jornalistas, em Sines, no distrito de Setúbal, durante uma ação da campanha eleitoral para as europeias, Inês de Sousa Real recordou que o PAN foi dos primeiros partidos a condenar as ações de do Presidente russo, Vladimir Putin, e a defender o apoio ao povo ucraniano "em todas as frentes".

"Foi pela mão do PAN que a Assembleia [da República] recomendou ao Presidente [da Republica], Marcelo Rebelo de Sousa, uma condecoração a Volodymyr Zelensky. Portanto, lamentamos apenas que as demais forças políticas não tenham sido convidadas para a receção" a Volodymyr Zelensky, assinalou.

Zelensky. PAN lamenta ausência de convite a

Zelensky. PAN lamenta ausência de convite a "todas as forças políticas"

A porta voz do PAN, Inês de Sousa Real, reiterou hoje o seu apoio à Ucrânia, mas lamentou que o convite para receber o Presidente Volodymyr Zelensky "não tenha sido estendido a todas as forças políticas".

Lusa | 16:46 - 28/05/2024

 

Líder do PCP quer que Portugal assuma "papel de construção da paz"

Lusa | há 3 semanas

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, defendeu hoje que o Estado português tem de cumprir a Constituição e assumir "um papel de construção da paz", desejando que esse seja "o sumo" da visita do Presidente ucraniano ao país.

O Estado português tem que cumprir aquilo que a Constituição determina, que é [ser] um Estado na procura do caminho da paz", afirmou o líder comunista, no início de um encontro com organizações de trabalhadores, em Vendas Novas (Évora).

Questionado pelos jornalistas sobre a visita do Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a Portugal, Paulo Raimundo começou por dizer que "a melhor forma" de manifestar solidariedade aos ucranianos "é criar todas as condições para acabar com a guerra".

IL insiste que Europa precisa de crescer para responder a desafios atuais

Lusa | há 3 semanas

O cabeça-de-lista da Iniciativa Liberal ao Parlamento Europeu afirmou hoje que a Europa precisa de crescer economicamente para responder aos desafios, do alargamento à mudança das fontes de energia, e dar melhores oportunidades às pessoas.

No final de um almoço, em Lisboa, naquela que é a única ação de campanha do dia, João Cotrim de Figueiredo referiu que a Europa tem de resolver a questão da Ucrânia, da mudança das fontes de energia e da adaptação da sociedade às tecnologias, "tudo desafios importantíssimos, complexos e caros".

Por isso, se a Europa quer ter hipóteses de enfrentar com sucesso estes desafios tem de ter a capacidade de gerar recursos financeiros.

Tânger diz que solução de paz será "aquilo que a Ucrânia quiser"

Lusa | há 3 semanas

O cabeça de lista do Chega às eleições para o Parlamento Europeu, António Tânger Corrêa, defendeu hoje que deve ser a Ucrânia a definir "os contornos de um acordo de paz".

"A paz será aquilo que a Ucrânia quiser, ou seja, será a Ucrânia a delinear os contornos de um acordo de paz, e não a Rússia", defendeu António Tânger Corrêa.

O candidato do Chega falava aos jornalistas antes de uma arruada em Olhão (distrito de Faro), no dia em que o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, visita Portugal.

"O que a Ucrânia aceitar e o que a Ucrânia decidir por nós está bem decidido e bem aceite", indicou.

Volt quer decisões sobre pedidos de migração e asilo em 3 meses

Lusa | há 3 semanas

O cabeça-de-lista do Volt às eleições europeias defendeu hoje que o processamento de pedidos de asilo e imigração deve ter um prazo máximo de três meses e que os requerentes devem ser acompanhados e acolhidos durante esse período.

No segundo dia de campanha eleitoral para as eleições ao Parlamento Europeu -- que se realizam, em Portugal, no dia 09 de junho -, Duarte Costa foi ouvir as histórias de candidatos a migrantes e asilo "alojados" em tendas no largo da igreja dos Anjos, em Lisboa.

"O que eu aprendi com estas histórias, que são muito importantes e também muito comoventes, é que precisamos de ter um processamento de pedidos de asilo e de imigração mais rápidos", afirmou, sublinhando que o partido quer que o processo não ultrapasse, em nenhum dos Estados-membros da União Europeia, o prazo máximo de três meses.

Volt quer decisões sobre pedidos de migração e asilo em 3 meses

Volt quer decisões sobre pedidos de migração e asilo em 3 meses

O cabeça-de-lista do Volt às eleições europeias defendeu hoje que o processamento de pedidos de asilo e imigração deve ter um prazo máximo de três meses e que os requerentes devem ser acompanhados e acolhidos durante esse período.

Lusa | 16:08 - 28/05/2024

Europeias. CNE analisa crimes de ódio (ainda sem casos de desinformação)

Lusa | há 3 semanas

A Comissão Nacional de Educação (CNE) não recebeu ainda denúncias de casos de desinformação através da linha criada no WhatsApp, mas está a analisar queixas por crimes de incitamento ao ódio e à violência, segundo o porta-voz.

"De desinformação, naquilo que é a transformação de notícias em notícias falsas, ainda não houve nenhum caso que tenha dado azo à abertura de processo, mas chegaram-nos já outros casos suscetíveis de crimes de ódio e de incitamento à violência", disse à Lusa o porta-voz da CNE.

Segundo Fernando Anastácio, que não soube quantificar o número de denúncias recebidas, a CNE recebeu também queixas por publicidade não autorizada e "todas essas situações estão a ser tratadas".

Leia mais aqui.

Portugal "tem muito para dar" à Ucrânia em termos diplomáticos

Lusa | há 3 semanas

O cabeça-de-lista da Iniciativa Liberal ao Parlamento Europeu admitiu hoje que Portugal "tem pouco para oferecer a nível militar" à Ucrânia, mas "tem muito para dar" em termos diplomáticos e políticos.

"Portugal tem, infelizmente, pouco para oferecer do ponto de vista do apoio militar concreto, mas tem muito para oferecer do ponto de vista de apoio diplomático e político", afirmou João Cotrim de Figueiredo aos jornalistas à entrada para um almoço de campanha em Lisboa.

Portugal

Portugal "tem muito para dar" à Ucrânia em termos diplomáticos

O cabeça-de-lista da Iniciativa Liberal ao Parlamento Europeu admitiu hoje que Portugal "tem pouco para oferecer a nível militar" à Ucrânia, mas "tem muito para dar" em termos diplomáticos e políticos.

Lusa | 14:49 - 28/05/2024

CDU quer Portugal a produzir comboios e a investir mais na ferrovia

Lusa | há 3 semanas

O cabeça de lista da CDU defendeu hoje que Portugal deve voltar a produzir comboios e investir mais na ferrovia, criticando as regras orçamentais europeias que "servem para cumprir o défice, mas não para responder à população".

CDU quer Portugal a produzir comboios e a investir mais na ferrovia

CDU quer Portugal a produzir comboios e a investir mais na ferrovia

O cabeça de lista da CDU defendeu hoje que Portugal deve voltar a produzir comboios e investir mais na ferrovia, criticando as regras orçamentais europeias que "servem para cumprir o défice, mas não para responder à população".

Lusa | 13:51 - 28/05/2024

  

Ucrânia? BE acusa IL de mentir e usar "estratagemas da extrema-direita"

Lusa | há 3 semanas

A cabeça de lista do BE às eleições europeias, Catarina Martins, acusou hoje a Iniciativa Liberal de mentir sobre a posição bloquista quanto ao conflito na Ucrânia e de utilizar "estratagemas da extrema-direita" na campanha eleitoral.

"Não vejo nenhuma sonsice, eu lamento apenas que Cotrim de Figueiredo tenha usado os mesmos tipos de estratagemas da extrema-direita. Porque Cotrim de Figueiredo conhece a posição do BE e decidiu mentir sobre a posição do BE", acusou Catarina Martins.

Ucrânia? BE acusa IL de mentir e usar

Ucrânia? BE acusa IL de mentir e usar "estratagemas da extrema-direita"

A cabeça de lista do BE às eleições europeias, Catarina Martins, acusou hoje a Iniciativa Liberal de mentir sobre a posição bloquista quanto ao conflito na Ucrânia e de utilizar "estratagemas da extrema-direita" na campanha eleitoral.

Lusa | 13:03 - 28/05/2024

Pacote de emergência na Saúde? "Estou atenta, sou uma observadora"

Notícias ao Minuto | há 3 semanas

Marta Temido, cabeça de lista do Partido Socialista (PS) ao Parlamento Europeu, afirmou, esta terça-feira, um dia antes do Governo aprovar o plano de emergência para a Saúde, após questionada se é um "ajuste de contas com a sua própria herança", que não lhe parece que "na política possam ser feito ajustes de contas". "Não me parece que na política possam ser feito ajustes de contas. Não creio que isso leve a lado nenhum. Ver a solução dos problemas da Saúde como um ajuste de contas ou como uma rivalidade, não vai resolver os problemas do SNS. Não quero acreditar que isso seja possível", afirmou a antiga ministra da Saúde, em declarações aos jornalistas, numa ação de campanha em Paço de Arcos, no concelho de Oeiras.

Pacote de emergência na Saúde?

Pacote de emergência na Saúde? "Estou atenta, sou uma observadora"

A antiga ministra da Saúde, Marta Temido, falou aos jornalistas numa ação de campanha em Paço de Arcos, no concelho de Oeiras.

Notícias ao Minuto | 13:10 - 28/05/2024

"Sebastião Bugalho é um bom candidato", diz ex-ministra Leonor Beleza

Lusa | há 3 semanas

A antiga ministra do PSD Leonor Beleza considerou hoje que Sebastião Bugalho é "um bom candidato" às eleições europeias, e admite vir a juntar-se à campanha da Aliança Democrática (AD). No final de uma visita do cabeça de lista da AD à Fundação Champalimaud, a presidente desta instituição fez questão de separar os papéis e dizer que receberá, nesta campanha, todos as candidaturas, já estando prevista a visita do Livre.

Perante a insistência dos jornalistas sobre se, como militante do PSD, considera Bugalho um bom candidato, respondeu: "A Maria Leonor acha que é um bom candidato."

"Sebastião Bugalho é um bom candidato", diz ex-ministra Leonor Beleza

A antiga ministra do PSD Leonor Beleza considerou hoje que Sebastião Bugalho é "um bom candidato" às eleições europeias, e admite vir a juntar-se à campanha da Aliança Democrática (AD).

Lusa | 12:32 - 28/05/2024

 

Militante do PSD? "Posso dizer é que não meti os papéis para a reforma"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

O cabeça de lista da Aliança Democrática (AD) às eleições europeias, Sebastião Bugalho, recusou falar diretamente sobre o convite deixado pelo presidente do Partido Social Democrata (PSD), Luís Montenegro, de passar de independente a militante do partido, brincando em torno da questão. Além disso, rejeitou sentir-se "resfriado" depois de o líder social-democrata ter admitido que era "difícil" vencer este ato eleitoral. 

"Posso-lhe dizer é que não meti os papéis para a reforma", brincou, em declarações aos jornalistas, durante uma visita à Fundação Champalimaud, depois de ser confrontado com as palavras de Montenegro, que ontem se juntou a Bugalho no primeiro dia da campanha.

Militante do PSD?

Militante do PSD? "Posso dizer é que não meti os papéis para a reforma"

Sebastião Bugalho comentava assim o convite onde deixado por Luís Montenegro.

Carmen Guilherme | 11:33 - 28/05/2024

Só PS quer Costa no Conselho Europeu. AD não toma posição e CDU critica

Lusa | há 3 semanas

Só o PS defende que Portugal beneficiaria em ter António Costa como presidente do Conselho Europeu, a AD não toma posição e a CDU critica as políticas europeias do anterior primeiro-ministro. Assim como a AD, a maioria das forças que obtiveram representação parlamentar nas últimas legislativas não tomou posição em relação a este assunto.

"Acredita que seria benéfico para Portugal ter António Costa em um cargo europeu como presidente do Conselho Europeu? Porquê?", foi uma das perguntas incluídas num questionário enviado pela agência Lusa aos cabeças de lista às eleições de 09 de junho para o Parlamento Europeu.

Só PS quer Costa no Conselho Europeu. AD não toma posição e CDU critica

Só PS quer Costa no Conselho Europeu. AD não toma posição e CDU critica

Só o PS defende que Portugal beneficiaria em ter António Costa como presidente do Conselho Europeu, a AD não toma posição e a CDU critica as políticas europeias do anterior primeiro-ministro.

 Lusa | 08:12 - 28/05/2024

Europeias. 2.º dia de campanha arranca no Sul e termina com debate

Lusa | há 3 semanas

O segundo dia de campanha eleitoral para as europeias arranca hoje com os cabeças de lista das principais forças políticas a centrar as suas ações no Sul, com visitas, arruadas e comícios, terminando com um debate na RTP. Os candidatos do PS, AD, Chega, BE, CDU, Livre e PAN vão estar frente-a-frente na televisão pública, a partir das 21h00, no único debate que junta todas as forças políticas com representação parlamentar.

Europeias. 2.º dia de campanha arranca no Sul e termina com debate na RTP

Europeias. 2.º dia de campanha arranca no Sul e termina com debate na RTP

O segundo dia de campanha eleitoral para as europeias arranca hoje com os cabeças de lista das principais forças políticas a centrar as suas ações no Sul, com visitas, arruadas e comícios, terminando com um debate na RTP.

Lusa | 06:57 - 28/05/2024

Início de cobertura

Notícias ao Minuto | há 3 semanas

Boa tarde! Damos início a um acompanhamento AO MINUTO do segundo dia de campanha para as eleições europeias.
 

Recomendados para si

;
Campo obrigatório