Meteorologia

  • 16 JUNHO 2024
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 25º

"Quem afinal não consegue governar sem a extrema-direita é o PS"

O candidato da AD às europeias acusou hoje o PS de não conseguir governar nem ter "futuro na democracia portuguesa" sem o Chega e defendeu que será pior para os socialistas perder as europeias do que a coligação.

"Quem afinal não consegue governar sem a extrema-direita é o PS"
Notícias ao Minuto

21:07 - 27/05/24 por Lusa

Política Europeias

Num comício em Évora, Sebastião Bugalho disse querer fazer campanha com moderação e "sem ataques pessoais e remoques", mas deixou críticas à postura do PS, depois de os socialistas terem passado meses "a exigir a Luís Montenegro que não governasse com o Chega".

"Temos uma novidade que é um facto consumado: afinal quem não consegue governar sem a extrema-direita é o PS, quem afinal não consegue fazer uma campanha para as europeias sem a extrema-direita é o PS, quem não consegue aprovar nada no parlamento sem o Chega é o PS. Quem afinal não tem futuro na democracia portuguesa sem o Chega é o PS", acusou.

Tal como o presidente do PSD e primeiro-ministro, Luís Montenegro, o cabeça de lista reconheceu que é difícil vencer as eleições europeias de dia 09 de junho.

"Eu não garanto nada, só o máximo de trabalho, capacidade e esperança" disse, mas avisou que será pior para o PS se perder as eleições de dia 09 porque "já perderam uma, já perderam duas, já perderam três", referindo-se às legislativas e regionais dos Açores e da Madeira.

No primeiro dia de campanha, Sebastião Bugalho esteve no centro de Moura, onde se cruzou com familiares que lhe mostraram fotografias da mãe num casamento realizado há 48 anos e viu o edifício da escola que a avó frequentou.

"Quis vir aqui por esta ligação sentimental", justificou o candidato da AD, que contactou vários comerciantes, tendo mesmo entrado numa farmácia, enquanto dizia: "parece-me uma coisa a imitar o professor Marcelo (Rebelo de Sousa)".

Seguiu-se uma breve visita à Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz, onde admitiu estar muito animado, apesar de "só ter bebido água", e se mostrou confiante na paixão dos portugueses pela Europa.

"Os portugueses têm uma paixão enorme pela Europa, mas as instituições europeias não estão a fazer tanto quanto podiam para ser a ponte para essa paixão", considerou.

O que a equipa da AD pretende fazer no Parlamento Europeu nos próximos cinco anos é "aproveitar as potencialidades das instituições europeias para aproximar os portugueses dessa sua paixão europeia", frisou.

Leia Também: Bugalho diz que estará "em espírito e politicamente" com Zelensky

Recomendados para si

;
Campo obrigatório