Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 26º

PSD satisfeito por continuar a ser "partido vencedor" na Madeira

O PSD/Madeira realçou hoje que continua a ser "vencedor" na região, considerando a projeção da Universidade Católica à boca das urnas, que aponta para a vitória dos social-democratas, com a eleição de entre 16 e 21 deputados.

PSD satisfeito por continuar a ser "partido vencedor" na Madeira
Notícias ao Minuto

19:58 - 26/05/24 por Lusa

Política Madeira

"O PSD é o partido vencedor, é o partido em que os madeirenses confiam para continuar a governar os destinos da região e também, pelos dados que foi possível observar, há também uma maioria significativa à direita", disse Jorge Carvalho, membro do Conselho Regional do partido, na sede social-democrata, no Funchal.

Numa primeira reação à projeção da Universidade Católica divulgada pela RTP e pela Antena 1, Jorge Carvalho destacou ainda o facto de a abstenção -- entre 44% e 49% - se manter "dentro dos padrões das últimas eleições", apesar de os eleitores madeirenses tenham sido chamados a votar três vezes em nove meses -- regionais em setembro de 2023, nacionais em março e agora regionais antecipadas.

Apesar de a projeção não apontar para a maioria absoluta -- para isso são necessários 24 deputados --, Jorge Carvalho considerou ser "prematuro" aventar a possibilidade de acordos com outras forças.

"Há uma coisa que a projeção indica, é clara desse ponto de vista: cabe ao PSD efetivamente encontrar. Depois, um processo de estabilidade para a governação da região", disse.

O conselheiro regional, também secretário regional da Educação no executivo de coligação PSD/CDS-PP, reconhece que o "desgaste" no exercício do poder poderá ter prejudicado os partidos liderantes, já que o estudo da Universidade Católica aponta para a eleição de entre um e dois deputados centristas (atualmente são três) e entre zero e um para o PAN, partido que assinou um acordo de incidência parlamentar com os social-democratas em 2023.

"O exercício do poder tem sempre um desgaste e é natural que o PSD, ao fim destes quase 50 anos no poder, tenha também esse mesmo desgaste de governação, mas mantém-se ainda como o partido vencedor", afirmou.

Jorge Carvalho sublinhou, por outro lado, o facto de, segundo a projeção da Universidade Católica, o PS, o maior partido da oposição madeirense, atualmente com 11 deputados, eleger entre 11 e 14 deputados.

"Relativamente ao Partido Socialista, o que me oferece dizer, neste momento, é que efetivamente mantém-se sem soluções para os madeirenses", disse, admitindo, no entanto, a possibilidade de haver uma maioria à esquerda, considerando a votação do JPP (entre 7 e 10 deputados), bem como do BE e da CDU, ambos entre zero e um deputado.

"Essa possibilidade existe, por isso é que vamos aguardar para percebermos qual a definição que o eleitorado madeirense entendeu e qual a geometria que entendeu dar a este ato eleitoral", disse.

As eleições legislativas regionais antecipadas na Madeira decorreram hoje, num escrutínio em que mais de 254 mil eleitores foram chamados a votar, para escolher um novo parlamento e um novo governo.

Catorze candidaturas disputaram os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

As eleições antecipadas de hoje ocorreram oito meses após as mais recentes legislativas regionais, depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter dissolvido o parlamento madeirense, na sequência da crise política desencadeada em janeiro, quando o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, foi constituído arguido num processo em que são investigadas suspeitas de corrupção.

Na última legislatura, a Assembleia Legislativa da Madeira tinha 20 representantes do PSD, três do CDS-PP, 11 do PS, cinco do JPP e quatro do Chega. A CDU, o BE, o PAN e a IL ocupavam um lugar cada.

[Notícia atualizada às 20h15]

Leia Também: AO MINUTO: Projeção dá vitória ao PSD na Madeira (mas sem maioria)

Recomendados para si

;
Campo obrigatório