Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 22º

No "embalo" de sondagem e "lições de moral", habitação fez tremer debate

Decorreu esta terça-feira o quinto debate entre cabeças de lista dos partidos com assento parlamentar para discutir os principais temas da Europa.

No "embalo" de sondagem e "lições de moral", habitação fez tremer debate
Notícias ao Minuto

20:51 - 21/05/24 por Notícias ao Minuto

ao minuto Ao Minuto Política Eleições Europeias

O 5.º debate no âmbito das Eleições Europeias aconteceu esta terça-feira e foi o tema da habitação que marcou a discussão.

No debate, transmitido pela RTP3,  reuniram-se os cabeças de lista do o Partido Socialista, Aliança Democrática, Chega e CDU - Marta Temido, Sebastião Bugalho, António Tânger Corrêa e João Oliveira.

O tema da habitação trouxe várias vozes em simultâneo ao mesmo tempo, com críticas entre candidatos que, segundo uma sondagem hoje conhecida da Católica para o PÚBLICO, RTP e Antena 1 dará um mandato a cada um dos candidatos hoje presentes.

Fim de acompanhamento

Teresa Banha | há 3 semanas

Terminamos aqui o nosso acompanhamento AO MINUTO do debate entre os candidatos ao Parlamento Europeu. Obrigada por ter estado desse lado.

Ainda a imigração... e a falta de condições por cá

Teresa Banha | há 3 semanas

Quanto à imigração, Bugalho defendeu que deviam existir "consensos construtivos" e perante propostas da AD, Temido afirmou que o partido queria defender "imigrantes mais qualificados".

Já o Tânger Corrêa, que se opôs a uma Europa de "portas escancaradas" foi criticado por João Oliveira, que acusou o colega de painel de ter um discurso que coloca imigrantes contra portugueses. "Portugal deve fazer um investimento nas condições que são necessárias para acolher imigrantes", considerou.

Imigração e luta pela corrupção 'na mira' do Chega

Teresa Banha | há 3 semanas

Imigração, luta pela corrupção e agricultura e pescas são as áreas que estão 'no alvo' do Chega. Tânger Corrêa considerou que Portugal tem sido "muito mal tratado".

"Quanto à imigração, as nossas propostas são claras. Somos contra o Pacto Migratório, consideramos que é um pacto que propõe soluções atacando a soberania dos países e impondo soluções que não são país a país. Cada país deve lidar com as características que tem", afirmou.

"A corrupção é o pior cancro que existe", considerou ainda.

"Enquanto país não sair do Euro há muita coisa para fazer"

Teresa Banha | há 3 semanas

Já João Oliveira explicou que a sua área 'preferida' ser a Comissão de Emprego e Assuntos Sociais seriam uma das que "mais importância parece ter", sobretudo porque uma das propostas diz respeito ao progresso social.

"Tenho esperança de que essas votações que são feitas contra aquilo que podia servir o nosso país, também se revertam com a insistência".

Considerando que esta comissão é "essencial" no emprego, João Oliveira disse que qualquer que seja a comissão em que estivesse não impedia de fazer trabalho noutros temas.

"É preciso que o país se prepare para se libertar do Euro, mas enquanto isso não acontecer há muita coisa para fazer", atirou.

Habitação 'mexe' com a mesa. "PS e PSD votam da mesma maneira"

Teresa Banha | há 3 semanas

Bugalho falou ainda no programa da AD para a a habitação, e Temido considerou que este estava "impreparado" e que o que os sociais-democratas propunham não resolvia o problema dos portugueses.

A discussão prende-se com uma eventual votação com a habitação como Direito Fundamental, e Marta Temido disse que votaria a favor. Foi a vez de João Oliveira se 'meter' na conversa' e apontou: "PSD e PS votam sempre da mesma maneira".

"Acho que é muito digno as pessoas assumirem com coerência o percurso politico das forças onde se integram. Está a falar da habitação e depois votam de diretivas e nivelam por baixo dos salários mínimos", criticou. "É estéril estar a discutir o PS com o PSD porque chegam lá e votam os dois da mesma maneira", algo que Temdio disse "não ser verdade".

Área 'escolhida' de Temido? A que for "útil", mas... Jovens e habitação

Teresa Banha | há 3 semanas

Já Marta Temido considerou que gostava de fazer parte da área em que "for mais útil", e, sublinhando a diversidade da sua equipa. "Na nossa perspetiva, a principal prioridade é dos assuntos sociais e dentro desta, temos a habitação e jovens", destacou.

"Habitação é problema europeu, não dos países. Tem de haver solução de investimento permanente para apoiar a habitação", disse.

Comissão no Parlamento? AD quer fazer parte do "alargamento"

Teresa Banha | há 3 semanas

Sebastião Bugalho foi questionado sobre as comissões onde gostava mais de intervir, nomeadamente, nas comissões, e o candidato referiu que era preciso reunir a equipa para perceber e que tudo dependeria dos resultados. O candidato da AD afirmou, no entanto, que tem um "particular interesse por assuntos externos".

"De outro ponto de vista, a Comissão dos assuntos Constitucionais também, pela questão do alargamento. Acho que o alargamento é imperativo estratégico e obrigará a Europa a refletir. Não abdicamos de fazer parte da discussão do alargamento e eu teria todo o gosto de fazer parte dessa discussão".

Palavras de Gouveia e Melo? Da "prudência" ao "futuro dos jovens"

Teresa Banha | há 3 semanas

Os candidatos foram questionados sobre as palavras de Gouveia e Melo, que disse que perante um eventual ataque na Europa Portugal "morreria onde tivesse de morrer para defender a Europa".

"Afirmações sobre o futuro da vida dos jovens portugueses numa Democracia devem ser feitos por democratas eleitos por portugueses, e não por pelo Chefe de Estado Maior da Armada", afirmou Sebastião Bugalho, sublinhando que tem todo o respeito pelo responsável.

Marta Temido considerou que eventual envio de forças era "admitir a escalada para uma guerra mundial". "Há que usar uma grande prudência", aconselhou.

Num eventual envio de tropas para o terreno, na Ucrânia, Tânger Corrêa considerou que esta declaração era mais "de intenções". "Para já não ninguém para mandar para lado nenhum. Forças Armadas portuguesas foram convenientemente destruídas", atirou, falando sobre no desinvestimento na indústria da Defesa, que deixa Portugal "desarmado" em situações de ameaça. E defendeu que era preciso investir nesta indústria, mas não necessariamente público. "Pode ser PPP em que privados fazem parte do negócio e Estado controla. O retorno para os privados é de indústria normal", afirmou.

João Oliveira escolheu "destoar do militarismo", referindo que as declarações de Gouveia e Melo eram preocupantes. "Mas são ainda mais graves quando as juntamos ao artigo que foi publicado por Charles Michel. Há um ambiente de preparação para a guerra. Se nos estão a preparar para a guerra é agora que os povos se têm de levantar exigindo o contrário", atirou, afirmando que Kyiv precisa de paz e que esse sim é "o caminho para a paz". "Enviar armas para a Ucrânia significa carne para canhão", atirou.

Bugalho responde a Temido: "AD não aceita lições de moral do PS"

Teresa Banha | há 3 semanas

Bugalho respondeu a Temido, apontando que a "a AD não pode aceitar lições de moral de conivência e complacência com a Extrema-Direita da parte do PS". "Só para ficar claro: os socialistas na Europa e o grupo mais à Direita no PE votaram juntos 823 votações. Marta Temido tem razão quando diz que isto não é só sobre a Ucrânia. Os socialistas europeus e a Extrema mais Direita votaram juntos 37% das vezes no último mandato", atirou.

Marta Temido rejeitou "qualquer semelhança" e considerou que as declarações e dados de Bugalho eram um "artifício".

"A AD tem no seu seio partidos que são antieuropeístas", diz Temido

Teresa Banha | há 3 semanas

Ainda quanto à suspensão do direito de voto, Marta Temido afirmou que os mecanismos devem ser utilizados quando há direitos em causa. Em relação à Extrema-Direita, e ao seu avanço Temido distinguiu. "Estamos a falar de uma Europa que avança vs. uma Europa que retrocede. A própria AD tem no seu seio partidos que são antieuropeístas, que querem referendar a permanência na UE [PPR]. É disto que eu falo quando digo que a Europa está sob ataque. Não é apenas a guerra, é um ataque aos valores essenciais", defendeu, afirmando que não são os projetos de Direita que são bem com os da Extrema, que vão resolver os problemas.

"Nem UE é polícia da Democracia nem Leyen é boa chefe de esquadra"

Teresa Banha | há 3 semanas

Já João Oliveira apontou neste caso que há um ambiente de fraturas sociais entre países que "não pode dar resultados de soluções mais democráticas". "Abre o espaço a soluções antidemocráticas e reacionárias, incluindo à Extrema-Direita".

"Nem a União Europeia é polícia da Democracia, nem Von der Leyen é uma boa chefe de esquadra", considerou.

A CDU considerou que o combate eficaz à Extrema-Direita é a garantia de liberdade e Democracia. "O problema que está colocado é um problema de fundo relatovamente às condições de vida que as pessoas têm, há negação dos direitos que as pessoas foram conquistando", afirmou, acusando a Extrema-Direita de 'mascarar' o discurso.

"Chega não é partido de Extrema-Direita. É um partido conservador"

Teresa Banha | há 3 semanas

Em relação à convenção do Vox, foram relembradas as palavras de André Ventura na altura, em que falou de 'barrar' a entrada a algumas pessoas na Europa, nomeadamente, a muçulmanos. "Sistematicamente caracterizar o Chega como partido de Extrema-Direita é profundamente errado", começou por defender, defendendo que o Chega "não se revê em ideologias que caducas". "O Chega é um partido conservador. Não é, de todo, a favor de Putin. Somos a favor da Ucrânia".

As palavras levaram Bugalho a dizer que o Chega deveria então ir para a "família dos conservadores", e Tânger esclareceu: "Vai haver votação. Não é altura para debatermos qual é a família a que pertencemos. Vamos esperar quais são as votações dos vários grupos e famílias. Nessa altura, poderá haver votação para aumentar base de apoio à base conversadora em que o Chega se vai inserir no futuro. Podem haver soluções que neste momento as pessoas não sabem que estão em cima da mesa. E podem estar. Uma vez que votações terminem, deputados das várias famílias estiverem apurados. Vão acontecer seguramente negociações", afirmou, lembrando o 'corte de relações do partido de Marine Le Pen e a AFD.

Questionado sobre se coloca a hipótese de a Identidade e Democracia e Reformistas e Conservadores Europeus estarem juntos no Parlamento Europeu, Tânger Corrêa respondeu: "Não excluo, o que não quer dizer que considere".

"Von der Leyen manteve Europa unida na invasão da Ucrânia", diz AD

Teresa Banha | há 3 semanas

Bugalho contestou as declarações de Marta Temido, criticando a posição da mesma. "Se não fosse a Comissão e o esforço de Von der Leyen para manter Europa unida quando a Europa continental foi invadida pela Rússia a Ucrânia já tinha sido derrotada. Podemos discordar sobre tudo e temos divergências programáticas, mas não podemos dizer aos portugueses e europeus que Von der Leyen está mais próxima daqueles que estão ao lado de Putin do que aqueles que estão ao lado da Democracia. É injusto", defendeu.

"Parcerias" com 'outras' forças? Von der Leyen 'dividida' em combate

Teresa Banha | há 3 semanas

Em relação ao avanço da Extrema-Direita na Europa e ao respeito de países por valores essenciais, Marta Temido foi também questionada. "Respeito pelos princípios de Estado de Direito é absolutamente essencial", considerou.

A socialista foi questionada sobre as palavras de Ursula Von der Leyen quando disse que esta era uma eleição entre as as forças democráticas e os próximos de Putin, Temido respondeu: "Não me parece que Von der Leyen não sabe de que lado é que vai ficar em relação a esse combate". Temido lembrou também o encontro em Espanha de forças de ultra-direita, considerando que houve observações "inaceitáveis". "Von der Leyen diz que é possível, dependendo dos resultados, admitir parcerias com estas forças políticas".

"Não é preciso dramatizar, mas é preciso dizer às pessoas o que está em causa nesta eleição. É isto que está em causa", apontou.

Eurocéticos? "Expulsão da UE só num caso absolutamente limite"

Teresa Banha | há 3 semanas

Com as forças eurocéticas em cima da mesa, nomeadamente, forças mais extremistas e a sua presença na Europa, foi Bugalho o primeiro a responder sobre o assunto, e sobre uma eventual suspensão de voto de certos países que não respeitem alguns valores, ou mesmo a saída dos mesmos. "Expulsar o país da União Europeia diria que só num caso limite. Obviamente que há princípios fundamentais dos quais não abdicamos. A tolerância à divergência tem servido para fazermos um caminho em comum", defendeu, apontando que teria sido impossível responder à guerra na Ucrânia com divergências no bloco europeu.

"Não deixamos de ser críticos, mas daí até à expulsão correríamos o risco de afastar ainda mais aqueles que já estão afastados", apontou, defendendo que atualmente a suspensão de voto de um país seria quase "autofágico a Europa dividir-se por dentro em vez de se unir".

CDU não se deixará "embalar pelas sondagens"

Teresa Banha | há 3 semanas

Já João Oliveira afirmou: "Sondagens há muitas. Estamos habituados a não nos embalar pelas sondagens", afirmou, explicando que ainda não há votos e garantindo que fará "o melhor que pode" para mobilizar o voto dos portugueses na CDU., lutando contra a abstenção "Para defender banqueiros e grandes interesses já há muita gente [no Parlamento Europeu]. É preciso mais força para defender para quem trabalha", apontou.

"Já comecei muitas regatas atrás e acabei por vencer com larga margem"

Teresa Banha | há 3 semanas

Já Tânger Corrêa desvalorizou os resultados das sondagens, que dão entre três a quatro eurodeputados ao Chega afirmando: "Começámos assim nas legislativas e acabámos de outra maneira".

"Sou velejador. Já comecei muitas regatas atrás e acabei por vencer com larga margem e já tive muitas regatas em que larguei à frente e não as ganhei. É uma corrida que não vai ser muito comprida, mas garanto-lhe que vamos meter toda a energia", apontou, sublinhando que o líder do Chega se vai juntar à campanha. "Eu nãos ou figura tão conhecida", referiu, negando que para bons e maus resultados a "culpa" seria de todos os que fazem parte do partido.

Sondagem "supera expetativas", mas é "só uma sondagem", diz Bugalho

Teresa Banha | há 3 semanas

Também Sebastião Bugalho foi questionado sobre esta sondagem, referindo que a nenhuma candidato na mesma "interessa perder". "O objetivo é dar o nosso melhor. E ter resultado que prove a confiança dos portugueses. Estou satisfeito com a sondagem, mas é só uma sondagem", afirmou, sublinhando que a meta mínima era manter a ligação do PPE.

"Esta sondagem supera as minhas expetativas", considerou.

Empate técnico da AD e PS? "Não nos interessa comentar sondagens"

Teresa Banha | há 3 semanas

Uma sondagem da Católica para o PÚBLICO, RTP e Antena 1 dá um empate técnico mas com AD à frente do PS por um ponto, e a primeira a falar é Marta Temido. Questionada sobre se estava à espera de melhor. "Na sexta-feira saiu uma [outra] sondagem que dava resultado de aproximação, e que dava o PS à frente. Fiz o mesmo comentário: Não nos interessa comentar sondagens. Interessar focar no trabalho que temos pela frente"

Recorde o debate de ontem com a CDU, IL, PAN e Chega

Notícias ao Minuto | há 3 semanas

O debate entre Partido Socialista, Aliança Democrática, Chega e CDU acontece um dia seguinte depois do 4.º debate televisivo, no qual estiveram presentes os cabeças-de-lista da CDU, IL, Chega e PAN.

Recorde o debate de segunda-feira na ligação abaixo:

Das

Das "minorias" à "amizade" com Putin. Desinformação e guerra em debate

Aconteceu esta segunda-feira o quarto debate entre cabeças de lista dos partidos com assento parlamentar para discutir os principais temas da Europa.

Carmen Guilherme | 21:03 - 20/05/2024

 

Início de acompanhamento

Notícias ao Minuto | há 3 semanas

Boa noite! Iniciamos aqui o acompanhamento AO MINUTO do quinto debate televisivo para as Eleições Europeias. 

Recomendados para si

;
Campo obrigatório